Pessoas que gostam deste blog

Lição 13 - Temperança: uma vida controlada pelo Espírito

LIÇÃO 13 – 26 de junho de 2016 – Editora BETEL

Temperança: uma vida controlada pelo Espírito

SLIDES / Visualizar / Baixar



VÍDEO 1


VÍDEO 2


VÍDEO 3


TEXTO ÁUREO
Comentarista: Pastor Israel Maia

“Mas o fruto do Espírito é: caridade, gozo, paz, longanimidade, benignidade, bondade, fé, mansidão, temperança.” Gl 5.22

VERDADE APLICADA
Temperança é a total moderação desenvolvida por aquele que vive sob o domínio do Espírito Santo.

OBJETIVOS DA LIÇÃO
Ensinar como viver sob o controle do Espírito Santo;
Mostrar que a tentação não é derrota;
Revelar que igrejas temperantes servem para mudar o mundo.

GLOSSÁRIO
Atrocidade: Ferocidade, desumanidade, ação atroz, grande crime, tortura;
Consonância: Acordo, conformidade;
Ilícito: Que não é lícito, contrário às leis ou à moral;

HINOS SUGERIDOS
111, 141 e 245.

MOTIVO DE ORAÇÃO
Peça ao Espírito Santo direção e orientação para sua vida.

TEXTOS DE REFERÊNCIA
Tt 2.7 - Em tudo te dá por exemplo de boas obras; na doutrina, mostra incorrupção, gravidade, sinceridade,
Tt 2.8 - Linguagem sã e irrepreensível, para que o adversário se envergonhe, não tendo nenhum mal que dizer de nós.
Tt 2.11 - Porque a graça de Deus se há manifestado, trazendo salvação a todos os homens,
Tt 2.12 - Ensinando-nos que, renunciando à impiedade e às concupiscências mundanas, vivamos neste presente século sóbria, justa, e piamente.

Temperança: o domínio do Espírito sobre a carne
            Dentre as características do fruto do Espírito Santo em nossas vidas, o domínio próprio ou temperança tem uma propriedade especial: controla nossos desejos e vontades, desde os mais “inocentes” até os mais graves. Senão vejamos: comer chocolate não é pecado, mas quando em excesso pode prejudicar a saúde e isso é atentar contra o templo do Espírito, nosso corpo. Se tivermos esse domínio em nossas vidas, há o controle sobre a quantidade de chocolate ingerida.
            Por outro lado, existem tentações muito mais deletérias, que devem ser completamente evitadas, o inimigo de nossas almas nos oferece manjares venenosos diuturnamente. E, é nessas horas que, com o discernimento ofertado pelas características do fruto do Espírito, rejeitamos essas “ofertas”, conscientes do perigo que representam. Desnecessário dizer o quanto a mídia, seja a televisão, a internet ou outros meios de entretenimento, nos bombardeiam a todo o momento, tentando nos impingir hábitos ou práticas em completo desacordo com os preceitos bíblicos.
            Estudemos mais sobre todas as características do fruto do Espírito, deixemos que o agir de Deus em nossas vidas norteie nosso caminhar sobre a terra, para que possamos seguir sempre dentro da vontade de nosso Criador.
            Uma excelente aula, na Paz do Senhor Jesus Cristo!
            Márcio Celso - Colaborador

Introdução
A temperança é uma característica do fruto do Espírito que age diretamente nos sentimentos e desejos mais profundos do indivíduo. Através dela, o homem consegue controlar os seus mais fortes impulsos.

1. Vivendo sob o controle do Espírito
Ao final da apresentação das três seções acerca das nove características do fruto do Espírito, o apóstolo Paulo apresenta a temperança. Esta característica nos mostra como o indivíduo pode ser capaz de viver uma vida abençoada ao permitir ser completamente controlado pelo Espírito Santo. Quando faz esta escolha, o homem aprende a viver e experimentar uma vida melhor (2Tm 1.7).

1.1. Controlando desejos e paixões
Ao escolher ter uma vida controlada pelo Espírito, o indivíduo começa a controlar os seus desejos e paixões, buscando sempre pureza em seus atos. No primeiro capítulo do livro de Tito, Paulo mostra algumas características naturais do homem sem Deus e também qual deve ser a postura daquele que almeja o episcopado. Neste texto, Paulo destaca a importância da temperança (Tt 1.8). O discurso de Paulo está coerente com tudo que se espera de um servo fiel a Deus. A Igreja e a sociedade observam as ações daquele que se diz temente ao Criador. Afinal estamos rodeados por testemunhas e por isso devemos fugir dos embaraços que nos cercam cada vez mais de perto (Hb 12.1).
Explique para os alunos que muitas vezes não observamos que as pessoas estão olhando os nossos atos. Entretanto, para aquele que teme a Deus. é importante observar a sua conduta, independentemente das testemunhas que o rodeiam, já que a Palavra de Deus nos ensina que os olhos do Senhor estão em todo lugar (Pv 15.3). Destaque para os alunos que Deus incessantemente busca pelos fiéis da Terra (Sl 101.6). Por esse motivo, devemos sempre manter uma postura digna de homens fiéis.

1.2. Ser temperante é uma escolha do homem
Ao criar o homem, o Criador lhe deu uma opção de escolher como iria caminhar sobre a Terra. Conhecida como livre arbítrio, é cercada por um limite estabelecido pelo próprio Deus. É importante ressaltar que nunca será a intenção d’Ele invadir este limite, pois se Ele quisesse ter o homem como um fantoche em Suas mãos, assim teria feito. Deus criou o homem para que O louvasse e o louvor só tem valor se for espontâneo (Sl 118.1a). O propósito de Deus sempre foi guiar o homem. Sendo assim, Ele providenciou para que recebêssemos o fruto do Espírito. Ao desenvolver a temperança o homem passa a viver segundo o padrão divino.
Explique para os alunos que viver uma vida segundo o padrão divino passa a ser para o indivíduo extremamente gratificante. Ter uma vida baseada na verdade e no equilíbrio proporciona ao homem momentos inesquecíveis de alegria, paz e amor. Temos aprendido que o fruto do Espírito Santo, apesar de ser divido em três seções e contar com nove características, é apenas um; e, seu amadurecimento deve ser por inteiro e igualmente. Comente com os alunos que escolher ser temperante é viver neste mundo de forma irrepreensível com a certeza de desfrutar no futuro das bênçãos celestiais (Tt 2.12-13).

1.3. Não andando segundo a carne, mas segundo o Espírito
O amadurecimento do fruto do Espírito Santo tem como objetivo garantir ao indivíduo uma vida saudável. Sendo assim, viver sob a orientação do Espírito irá garantir o amadurecimento da temperança ou domínio próprio. Esta característica do fruto age freando os desejos carnais que nos direcionam no sentido contrário ao propósito de Deus para nossas vidas. Quando começamos a promover o amadurecimento do fruto do Espírito, passamos a andar segundo o Espírito e não mais segundo a carne. Este comprometimento com o padrão divino de viver irá nos livrar de toda e qualquer condenação (Rm 8.1).
Explique para os alunos que a lei do Espírito de vida está posta à disposição do homem para livrá-lo da morte trazida pelo pecado. Este livramento ocorre através de nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo (Rm 8.2). Sabemos que todos pecaram e destituídos estão da glória de Deus (Rm 3.23). Entretanto, o Senhor Deus providenciou, através de um plano de salvação, um meio pelo qual houvesse uma forma de redenção para o homem. Reforce para os alunos que para conseguir estar incluído neste plano de salvação é necessário que haja o amadurecimento do fruto do Espírito Santo. Sem ele, infelizmente, o homem volta ao estado inicial que tinha antes de conhecer a Jesus Cristo.

2. A tentação não é derrota
Continuamente, Satanás coloca pedras para que tropecemos. Estas pedras são representadas por velhos sentimentos que sempre se levantarão em nossos corações. Em todo tempo, somos tentados por imagens, atos e intenções que nos são apresentadas por meio das infovias (Tg 1.13).

2.1. O domínio próprio sufoca os desejos da carne
O servo de Deus deve buscar afastar-se de conteúdos ilícitos e imorais que são veiculados pelos meios de comunicação em massa, como sites da Internet e TV a cabo, para que não se deixe levar em seus desejos contidos. O domínio próprio será o responsável por sufocar tais desejos. O servo fiel deverá escolher o que é do agrado de Deus através de uma avaliação racional do que realmente é o melhor para ele, isto é, uma vida pautada nos padrões exigidos pelo Criador. O cuidado deve ser constante. É necessário estarmos sempre vigilantes, pois o nosso adversário nunca se afasta de nós, sempre aguardando uma oportunidade para nos derrubar (1Pe 5.8).
Explique para os alunos que a posição do diabo é e sempre será uma posição de ataque. Sempre que ele notar um deslize, mesmo que pequeno, ele irá investir com força total. Merece ser especialmente lembrado aos alunos que permanecer na comunhão é a melhor maneira de se manter protegido das investidas do maligno, pois em comunhão somos mais fortes. Enfatize para os alunos que a comunhão dificulta a ação do maligno- em nossas vidas (Ec 4.12h).

2.2. Domínio próprio, agente da santificação
O domínio próprio também é responsável por uma constante vida de santificação, pois, à medida que amadurece, essa característica do fruto do Espírito Santo produz uma vida disciplinada em acordo com o desejo de Deus para Seus filhos. Em Seus planos, o Senhor separou um lugar especial para a humanidade conviver e se relacionar. A igreja é um local onde o indivíduo irá buscar conhecimentos que lhe darão subsídios de como enfrentar ao diabo e se desviar das astutas ciladas do inimigo. A Igreja também representa o reino do céu estabelecido na Terra (Jo 1.29), e no céu o poder do diabo está derrotado.
Explique para os alunos que, ao encontrar com Jesus, João Batista declarou, que estava diante Daquele que tiraria o pecado do mundo (Jo 1.29, 36). Naquele momento, ficou esclarecido que haveria sempre um lugar onde o nome do Senhor seria exaltado. Durante o Seu ministério terreno, Jesus Cristo deixou bem claro que onde estivessem dois ou três reunidos em Seu Nome, ali Ele estaria (Jo 18.20). Ressalte para os alunos que a igreja é onde se manifesta a presença de Deus. Sendo assim, onde Jesus está o pecado não entra. Por isso, é sempre bom valorizarmos a pessoa de nosso Senhor Jesus Cristo em nossos cultos.

2.3. O domínio próprio eleva o nosso nível
O domínio próprio deve ser exercitado em todas áreas de nossas vidas, pois atinge os cinco sentidos humanos visão, audição, paladar, tato e olfato: e. ainda, nossos pensamentos, palavras e obras. Sempre estamos nos deparando com apelos midiáticos e tecnológicos que visam nos mostrar como normais coisas contrárias ao que ensina a Palavra de Deus. É por isso que buscar o amadurecimento do domínio próprio é extremamente essencial para que alcancemos um nível onde os padrões divinos continuem sendo valorizados, para que o homem não perca o foco nem a direção do céu (Fp 3.14).
Explique para os alunos que olhar para Jesus é a melhor maneira de desenvolver o domínio próprio, pois só Ele pode finalizar o nosso objetivo de morar na eternidade com Deus. Saliente para os alunos que a capacidade de Cristo em nos garantir o acesso ao nosso objetivo se dá pelo fato d’Ele ter suportado a dor da cruz, desprezando a afronta para assentar-se ao lado do Criador. Tal atitude nos garante participar do gozo que nos foi proposto no plano da salvação. Reforce para os alunos que o domínio próprio é um dos segredos para alcançarmos a vida eterna (Hb 12.2).

3. Lições práticas
A mídia está sempre recheada de informações absurdas acerca do comportamento humano. Fatos que chocam até o mais liberal dos homens. Tais fatos são apresentados como naturais e sem aparente motivo para repreensão (Mt 24.12).

3.1. Igrejas temperantes para mudar o mundo
Notas veiculadas na imprensa valorizam um tipo de comportamento nada ortodoxo de pessoas tidas como celebridades. Casamentos relâmpagos, relacionamentos coletivos, práticas homossexuais, entre outros, são apresentadas como sendo um grito contra o retrocesso, quando, na verdade, visam destruir o que há de mais perfeito na sociedade: a família. A Igreja deve buscar ser temperante para contagiar o mundo em busca de uma mudança de comportamento (Mt 5.13-14).
Explique para os alunos que a família é o maior projeto de Deus para a perpetuação da raça humana e que o maior desejo de Satanás é justamente destruir a coroa da criação (Jo 10.10). Comente com os alunos que, por este motivo, o maligno sempre irá tentar atingir a família de uma maneira mortal, visando a sua extinção.

3.2. Uma Igreja transformada vivendo em meio a uma geração perversa
O povo de Deus deve se posicionar indo de encontro a todas atrocidades que têm invadido nossas casas, pregando uma conduta modificada pelo amadurecimento da temperança ou domínio próprio. A conduta ideal para o povo de Deus deve ser exatamente contrária à que tem sido pregada através dos apelos midiáticos e tecnológicos. A Igreja deve viver de forma irrepreensível em meio a essa geração corrompida e perversa (Fp 2.15), promovendo um modo de vida transformado pela ação do poder do Espírito Santo.
Explique para os alunos que uma das maneiras encontradas pelo inimigo para desestruturar a família é a disseminação do homossexualismo. Comente com os alunos que não existe outra maneira da raça humana procriar que não seja através da ligação do homem com a mulher. Sendo assim, se os relacionamentos homoafetivos continuarem a se proliferar, em pouco tempo a humanidade estará extinta e da pior maneira possível, isto é, através do pecado (Rm 1.25-28).

3.3. Operando Deus quem impedirá?
Estas três características do fruto do Espírito Santo sugerem que o servo fiel deve sempre estar em consonância com o Criador, agindo de acordo com os mandamentos perpetrados na Palavra de Deus. Uma vida sadia depende em muito do que estamos dispostos a fazer para que ela seja assim. O diabo sempre estará nos apresentando oportunidades diversas para nos fazer cair, mas nunca conseguirá atingir aquele que está sob a orientação do Espírito Santo (Rm 8.14).
Merece ser especialmente comentado com os alunos que neste trimestre tivemos a oportunidade de estudar sobre o fruto do Espírito Santo (Gl 5.22). É importante ficar claro para os alunos que o fruto do Espírito Santo é apenas um dividido em nove características ou, como alguns dizem, gomos. Informe para os alunos que estas nove características estão divididas em três seções. A primeira seção (amor, gozo e paz) refere-se ao homem consigo mesmo. A segunda seção (longanimidade, benignidade e bondade) refere-se ao homem e seus relacionamentos interpessoais. A terceira seção (fé/fidelidade, mansidão e temperança/domínio próprio) refere-se ao homem e seu relacionamento com Deus.

Conclusão
Os ataques do diabo nunca serão eficazes na tentativa de destruir projeto de Deus para a humanidade, por que a Igreja será sempre vencedora em Cristo (1Co 10.13) e viverá o amadurecimento do fruto do Espírito Santo em meio aos apelos midiáticos e tecnológicos.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS:

Editora Betel 2º Trimestre de 2016, ano 26 nº 99 – Jovens e Adultos - “Dominical” Professor – FRUTO DO ESPÍRITO – Destacando os aspectos do caráter cristão na era da pós-modernidade.

Online