Pessoas que gostam deste blog

Lição 10 - A adoração em tempo integral

LIÇÃO 10 – 04 de Dezembro de 2016 – Editora BETEL

A adoração em tempo integral

SLIDES VISUALIZAR / BAIXAR

VÍDEO 1


VÍDEO 2


VÍDEO 3


VÍDEO 4


TEXTO ÁUREO
Comentarista: Pastor José Elias Croce

“Porque dele, e por ele, e para ele são todas as coisas; glória, pois, a ele eternamente. Amém!” Rm 11.36

VERDADE APLICADA
Adoração envolve tudo o que está no interior da pessoa e tudo o que está fora dela.

OBJETIVOS DA LIÇÃO
Destacar a objetividade da adoração na vida;
Enfatizar a adoração como centralidade da vida;
Mostrar exemplos de vidas que priorizaram a adoração.

GLOSSÁRIO
Perpétua: Que dura sempre; eterno; que não cessa nunca; continuo; inalterável;
Rude: Desagradável, duro; de caráter duro; ríspido, severo;
Urdidura: Enredo, contexto, entrelaçamento.

TEXTOS DE REFERÊNCIA
Rm 12.1  Rogo-vos, pois, irmãos, pela compaixão de Deus, que apresenteis os vossos corpos em sacrifício vivo, santo e agradável a Deus, que é o vosso culto racional.
Rm 12.2  E não vos conformeis com este mundo, mas transformai-vos pela renovação do vosso entendimento, para que experimenteis qual seja a boa, agradável e perfeita vontade de Deus.
Rm 12.3  Porque, pela graça que me é dada, digo a cada um dentre vós que não saiba mais do que convém saber, mas que saiba com temperança, conforme a medida de fé que Deus repartiu a cada um.

HINOS SUGERIDOS
185, 396 e 484.

MOTIVOS DE ORAÇÃO
Agradeça a Deus pela oportunidade de louvá-Lo todos os dias.

Introdução
Percebe-se que há uma forte negligência na adoração verdadeira em muitas igrejas e, muito do que é feito em nome da adoração hoje, na realidade desonra a Jesus Cristo.

Adoração integral
A adoração pressupõe como base que estejamos ligados constantemente com nosso Criador. Remete-nos a uma vida diferente, mais distante das coisas do mundo e mais focada na Pessoa de nosso Deus e nas coisas de Seu Reino.
Deus é a origem, o meio e o fim de todas as coisas (Rm 11.36). Ele é o Criador, o Sustentador, Ele leva tudo a bom termo. Sendo assim, Ele deve ser louvado e, eternamente, glorificado.
A transformação feita por Deus no espírito do cristão deve ser demonstrada na vida diária. As instruções práticas do apóstolo Paulo (Rm 12.1-15.13) se resumem no compromisso básico requerido a todo cristão que é levar em conta tudo aquilo que Deus fez e, que pode ser sentido em sua própria existência, a partir do momento em que o Santo Espírito transforma o homem pecador em um filho do Reino.
Uma vez que tenhamos aceitado a Jesus Cristo como nosso único e suficiente Salvador e Senhor, não há lógica nenhuma no fato de esquecermos, por um momento que seja, a nossa relação com o Pai Eterno.
Se estamos em Cristo, nova criatura somos, as coisas velhas já se passaram e tudo se fez novo (2Co 5.17). É hora de se deixar levar pelo trabalho do Espírito Santo em nossas vidas, transformando-nos, saindo do antigo casulo em que o mundo nos enclausurou, alçando voo com a liberdade e as bênçãos do Senhor Deus.
Essa metamorfose espiritual (“metanóia” no grego, mudança de mente) nos modifica por dentro e por fora. Se temos nova compreensão acerca do Reino dos Céus, passamos a andar nos caminhos da Palavra de Deus.
A partir desse momento, expressamos, através de nossas atitudes para com o próximo nosso novo estado de espírito, deixando transparecer a modificação em nós operada pelo poder do Altíssimo.
Adoremos, pois ao nosso Deus em tempo integral, sem deixar margem para quaisquer outras ocupações que não agradem ao Senhor (Fp 4.8). Estejamos com Ele verdadeiramente em espírito e em verdade (Jo 4.23).
Um excelente estudo e uma semana abençoada, na Paz do Senhor Jesus Cristo!
Márcio Celso - Colaborador

1. O conceito de adoração de Paulo
O apóstolo Paulo faz uma forte declaração em Romanos 12.1,2 sobre o conceito de adoração em tempo integral. Essas duas palavras vêm depois do que possivelmente é a exposição de teologia de toda a Escritura.

1.1. Adoração como um novo estilo de vida
A adoração é para a vida cristã o que a mola mestra é para um relógio, o que o motor é para um carro. A adoração é o núcleo, o elemento essencial. A adoração não pode ser isolada ou relegada a um único lugar, tempo ou segmento de nossa vida. Não podemos expressar em palavras todo o agradecimento e louvor a Deus enquanto levamos uma vida de egoísmo e carnalidade. Esse tipo de adoração acaba por revelar-se uma perversão. Atos verdadeiros de adoração devem ser o transbordamento de uma vida em adoração perpétua.
Refletir sobre a centralidade da adoração nesses tempos nebulosos é de suma importância, tendo em vista que o assunto é dominante nas Sagradas Escrituras. Temos muitas atividades e pouca adoração. Somos grandes no ministério e pequenos na adoração. Somos desastrosamente pragmáticos. Só queremos saber se algo funciona. Queremos fórmulas e efeitos e, no processo, de certo modo, deixamos de lado aquilo para o qual Deus nos chamou. Somos Marta demais e Maria de menos. Estamos tão profundamente enraizados no fazer que perdemos o estar. Estamos tão programados, informados, planejados e ocupados que menosprezamos a adoração!

1.2. Adoração através de nosso relacionamento exterior
A adoração pode ser refletida em nosso comportamento em relação aos outros. “Porque quem nisto serve a Cristo, agradável é a Deus e aceito pelos homens.” (Rm 14.18). O que significa esta oferta agradável a Deus? O contexto revela que é ser sensível ao irmão mais fraco (Rm 14.13). Quando tratamos os irmãos em Cristo com o tipo adequado de sensibilidade, isto é um ato aceitável de adoração. Esse ato honra ao Deus que criou essa pessoa e esse ato também reflete a compaixão e o cuidado de Deus. O evangelismo também é uma forma de adoração aceitável (Rm 15.16). Assim, a adoração pode ser expressa ao compartilhar o amor com irmãos em Cristo, pregar o Evangelho aos descrentes e atender às necessidades das pessoas num nível material. A adoração aceitável é dar. É um amor que compartilha (Fp 4.18).
Paulo escreve que graça especial lhe foi dada para ser servo de Cristo Jesus entre os gentios, servindo ao Evangelho de Deus como sacerdote, para que os gentios sejam aceitáveis a Deus. Os gentios que foram ganhos para Cristo pelo ministério de Paulo tornaram-se adoradores. Para muitos, o culto é apenas uma programação de fim de semana, um evento, um show, um momento que sobra da agitada vida terrena para oferecer a Deus o que Ele rejeita. O propósito e a  responsabilidade de cada cristão como sacerdócio real é promover um ensaio na terra da vida eterna que será vivida no céu, Este é o culto racional!

1.3. Adoração através do nosso comportamento pessoal
Efésios 5.8-10 diz: “Andai como filhos da luz (porque o fruto do Espírito está em toda bondade, e justiça, e verdade), aprovando o que é agradável ao Senhor.” A palavra agradável vem do grego e significa “aceitável”. Nesse contexto, refere-se à bondade, justiça e verdade, dizendo claramente que fazer o bem é um ato aceitável de adoração a Deus. Paulo, aconselhando a Timóteo (1Tm 2), exorta para que os cristãos orem pelas pessoas investidas de autoridade de modo que os cristãos possam ter vida tranquila e serena, em toda piedade e honestidade. Portanto, compartilhar é um ato de adoração e esse é o efeito da adoração sobre os outros. Fazer o bem é igualmente um ato de adoração e esse é seu efeito em nossa vida.
Agradar a Deus, fazer o bem e compartilhar com os outros, todos são atos de adoração legítimos e bíblicos. Isso abarca toda a atividade e todo o relacionamento da vida humana. A implicação é que, assim como a Bíblia se dedica de capa a capa ao tema da adoração, o cristão deve se dedicar à atividade de adoração, absorvido pelo desejo de dedicar cada momento da sua vida a fazer o bem a todos, a compartilhar bênçãos com os vizinhos e a louvar a Deus, que é a fonte de toda bondade e toda bênção.

2. A adoração como prioridade de vida
Maria procurou sentar-se aos pés do Mestre em adoração. Resolveu priorizar a adoração em sua vida, escolheu a boa parte (Lc 10.41,42), o que não lhe seria tirada. A adoração de Maria teve significado eterno, enquanto a tarefa de Marta nada significou além daquela tarde especial.

2.1. O exemplo do culto de Abel
Hebreus 11 contém uma lista de heróis da fé do Antigo Testamento e o primeiro deles é Abel. Ele foi um verdadeiro adorador. Sua adoração estava de acordo com a vontade de Deus e o plano de Deus. Sua oferta foi aceita por Deus. Isso é tudo o que sabemos sobre a vida dele. Esse adorador “depois de morto ainda fala” (Hb 11.4). Vemos a grande diferença entre a adoração de Abel e Caim. Ambos eram pecadores e reconheciam o direito de Deus à reverência e à adoração. Segundo a aparência exterior, sua religião era a mesma até certo ponto, mas o registro bíblico nos mostra que a diferença entre os dois era grande. Essa diferença estava na obediência de um e na desobediência de outro.
Abel ofereceu a Deus mais excelente sacrifício do que Caim. Abem apreendeu os grandes princípios da redenção. Viu-se como um pecador e viu o pecado e sua pena de morte entre seu coração e a comunhão com Deus. Trazia morta a vítima, aquela vida sacrificada, reconhecendo assim as reinvindicações da lei que fora transgredida. Por meio do sangue derramado, olhava para o futuro sacrifício – Cristo morrendo na cruz do Calvário. Confiando na expiação que ali seria feita, tinha o testemunho de que era justo e de que sua oferta havia sido aceita.

2.2. O exemplo da adoração de Enoque
A Segunda pessoa que Hebreus relaciona é Enoque. Ele adorava a Deus através de seu andar. Ela andou com Deus e viveu uma vida piedosa, fiel e dedicada. Um dia, ele andou da terra para o céu! (Gn 5.21-24). O nome Enoque significa “dedicado e disciplinado”. Fiel ao significado do seu nome, Enoque dedicou-se a Deus e disciplinou-se no meio de uma geração corrompida e perversa (Fp 2.15). Andar com Deus significa ter um conhecimento cada vez mais íntimo d’Ele. Não se pode andar dignamente com Deus sem primeiro ter um verdadeiro conhecimento de quem Ele é e o que Ele deseja para nós (Cl 1.10).
Enoque andou com Deus, não uma vez por semana, mas diariamente em meio aos cuidados e as responsabilidades da vida familiar normal. Enoque começou a andar com Deus com a idade de 65 anos, após o nascimento de seu filho Matusalém, depois para o resto da vida terrena (300 anos). Nunca é tarde demais para começar a andar com Deus (Gn 17.1). Enoque andou no caminho da justiça, não como eremita, mas como homem de família que viveu em uma idade pré-diluviana, onde abundou o pecado e o mal!

2.3. O exemplo de adoração de Noé
O terceiro citado na lista de adoradores é Noé. Quando pensamos em Noé, nos vem à mente a palavra “trabalho”. Ele adorou a Deus com seu trabalho. Neste trabalho, estava a sua fé e obediência. Passou 120 anos construindo a arca. Homem justo e íntegro, Noé recusou seguir o caminho do mundo. Ele foi muito atento à vontade de Deus. Quando Deus mandou fazer a arca, Noé obedeceu (Gn 6.22). Por esta fé obediente, ele foi usado como exemplo ao longo da história bíblica (Hb 11.7).
Ofereçamos sempre ao Eterno Deus um sacrifício de louvor, que é fruto dos lábios que declare publicamente o Seu Nome. Quando analisamos a adoração em seu foco direcionado a Deus, descobrimos que sua essência é simplesmente ação de graças e louvor.

3. A centralidade da adoração na Bíblia
Desde o início (Gênesis) até a consumação (Apocalipse), a doutrina da adoração está entrelaçada na urdidura e na trama do texto bíblico (Dt 6.4,5; Mc 12.29,30).

3.1. A adoração no Antigo Testamento
A adoração no Antigo Testamento devia ser uma preocupação contínua para o povo de Deus. O tabernáculo foi projetado para enfatizar a prioridade da adoração e exclusivamente para a adoração. Era o lugar onde Deus se encontrava com Seu povo. Usá-lo para qualquer outra coisa que não fosse adoração era considerado a mais rude blasfêmia. No tabernáculo não havia assentos. Eles não iam até lá com o objetivo de se entreterem. Eles iam ao tabernáculo para adorar a Deus e servir-Lhe. Se precisassem se reunir para qualquer outro propósito, eles o faziam em outra parte.
Em Gênesis, descobrimos que a queda ocorreu quando Adão falhou em adorar pela desobediência à única ordem dada pelo Eterno Deus. Em Apocalipse, aprendemos que toda a história culmina numa comunidade eterna adorando na presença de um Deus amoroso.

3.2. O tabernáculo
A organização do acampamento sugere que a adoração era central a toda atividade. O tabernáculo situava-se no centro do acampamento. Imediatamente a ele, ficavam os sacerdotes que lideravam a adoração. Um pouco mais diante do tabernáculo se posicionavam os levitas, que estavam envolvidos no culto. Mais longe, ficavam dispostas várias tribos, cada uma de frente para o centro, lugar da adoração. Tudo isso nos ensina que quem usa a vida para qualquer outro propósito que não seja a adoração, independente de quão nobre possa ser esse propósito, é culpado de sério pecado.
Olhando para a história, é impossível negar a necessidade, a importância e a influência do culto na vida das pessoas. O mundo como conhecemos foi moldado pelas crenças. Todos os acontecimentos políticos, militares e sociais foram e ainda são motivados por crenças. Até mesmo o ateísmo, que prega a inexistência de Deus, possui a sua forma de crença e culto. Uma das práticas mais comuns e marcantes em qualquer cultura ou sociedade é o culto religioso. Independente da crença e da época, em todas as partes da terra o culto sempre foi algo muito presente e em muitos casos a razão da existência de povos. Jesus ensinou a Marta e a Maria que a adoração é a única atividade essencial que deve ter precedência sobre qualquer outra atividade da vida. E, se isso é tão importante na vida individual, quanto mais será no contexto da reunião entre os cristãos, isto é, no culto que prestamos a Deus na igreja!

3.3. A adoração no Novo Testamento
No Novo Testamento, toda a pregação está voltada para a adoração. A pregação é um aspecto insubstituível de toda a adoração coletiva (2Tm 4.2). Todo o culto deve girar em torno da Palavra. Tudo mais é ou preparatório ou é uma resposta à mensagem das Escrituras. Quando se permite que o teatro, a música, a comédia ou outras atividades usurpem o lugar da pregação da Palavra, a verdadeira adoração sofre inevitavelmente. Quando a pregação é submetida à pompa e à circunstância, isso também impede a verdadeira adoração. Um culto sem Palavra é de valor questionável. Além disso, uma “igreja” na qual a Palavra de Deus não é regular e fielmente pregada, não é uma verdadeira igreja.
É fundamental que entendamos que a adoração deve ser em todo o tempo e que a mesma atinge todas as áreas de nossa vida, isto é, devemos honrar a Deus em tudo. Na  mente de muitos cristãos hoje, a palavra adoração significa a parte musical da ordem do culto, em contraste com o sermão ou ofertório. O músico principal é chamado de “líder da adoração”, distinto do pastor. A música é logicamente, um meio maravilhoso de adoração, mas, a verdadeira adoração é mais que apenas música.

Conclusão
A adoração precisa ser compreendida como a somatória de tudo que fazemos. Nossas atitudes devem ser transformadas em atos de adoração a Deus. É necessário que compreendamos que nossa adoração é de tempo integral. Você nasceu para ser um adorador.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS:

Editora Betel 4º Trimestre de 2016, ano 26 nº 101 – Jovens e Adultos – Edição Histórica - Professor – Adoração & Louvor – A excelência e o propósito de uma vida inteiramente dedicada a Deus.

Online