Pessoas que gostam deste blog

1 - A genealogia de Jesus Cristo Mt 1, 1-17


Livro da genealogia de Jesus Cristo,

A genealogia de Jesus Cristo, 1.2-17 Lc 3.23-38
Abraão gerou a Isaque; Isaque, a Jacó; Jacó, a Judá e a seus irmãos; Judá gerou de Tamar a Perez e a Zera; Perez gerou a Esrom; Esrom, a Arão; Arão gerou a Aminadabe; Aminadabe, a Naassom; Naassom, a Salmom; Salmom gerou de Raabe a Boaz; este, de Rute, gerou a Obede; e Obede, a Jessé; Jessé gerou ao rei Davi; e o rei Davi, a Salomão, da que fora mulher de Urias; Salomão gerou a Roboão; Roboão, a Abias; Abias, a Asa; Asa gerou a Josafá; Josafá, a Jorão; Jorão, a Uzias; Uzias gerou a Jotão; Jotão, a Acaz; Acaz, a Ezequias; Ezequias gerou a Manassés; Manassés, a Amom; Amom, a Josias; Josias gerou a Jeconias e a seus irmãos, no tempo do exílio na Babilônia.
Depois do exílio na Babilônia, Jeconias gerou a Salatiel; e Salatiel, a Zorobabel; Zorobabel gerou a Abiúde; Abiúde, a Eliaquim; Eliaquim, a Azor; Azor gerou a Sadoque; Sadoque, a Aquim; Aquim, a Eliúde; Eliúde gerou a Eleazar; Eleazar, a Matã; Matã, a Jacó.
E Jacó gerou a José, marido de Maria, da qual nasceu Jesus, que se chama o Cristo.
De sorte que todas as gerações, desde Abraão até Davi, são catorze; desde Davi até ao exílio na Babilônia, catorze; e desde o exílio na Babilônia até Cristo, catorze.
  
O maravilhoso
A genealogia de Jesus é composta de 3 partes. Cada parte contém 14 gerações.
O primeiro trecho de 14 gerações vai de Abraão até Davi.
O segundo vai de Salomão até o cativeiro na Babilônia.
O terceiro estende-se de Jeconias até Jesus.
Será que o número 14 (igual a 2 vezes 7) tem algum significado? Certamente. O número 7 indica que uma época de tempo foi concluída plenamente. No número 7 duplicado (igual a 14) a história de
Israel foi trazida por Deus perfeitamente à sua primeira conclusão. E três vezes o número 14 demonstra: o perfeito governo e comando de Deus na história.
A primeira época de 14 gerações transcorreu até o reinado de Davi, a segunda até a destruição da dinastia de Israel no cativeiro babilônico, a terceira etapa leva a Jesus Cristo, o único rei verdadeiro, o rei eterno, cujo governo não terá fim.
Portanto, a genealogia tem a comunicar-nos algo maravilhoso através de sua estrutura, que é de 3 etapas de 14 gerações.

O escandaloso
Em todas as demais genealogias israelitas citam-se muito raramente nomes femininos. Mulheres são mencionadas somente nos casos em que se queria contornar uma irregularidade na genealogia.  –Curiosamente, Mateus cita mulheres quatro  vezes nessa genealogia de Jesus, mesmo não havendo uma irregularidade. Ainda outro aspecto é digno de nota: Mt não cita as mulheres importantes como
Sara e Rebeca, mas “justamente” as quatro mulheres que causaram muito transtorno e irritação na história judaica.
• Tamar (Judá pecou com ela), cf. Gn 38.
• Raabe, a prostituta. Cf. Js 2.9ss. O NT destaca a sua fé, cf. Hb 11.31; Tg 2.25.
• Rute, a pagã, a moabita. Como pessoa ela é pura, mas como pagã e moabita ela é singularmente “pecadora”. Basta verificar aquele obscuro capítulo de Gn 19. É certo que Rute é honrada no AT. Até um livro traz o seu nome. Mas não deixa de ser uma pagã moabita.
• A mulher de Urias, cf. 2Sm 11.26s. Mt não menciona o nome dessa mulher. Chamava-se Bate-Seba.
As quatro mulheres são um símbolo de que o pecado tornou-se poderoso. Mas elas também simbolizam que a graça em Cristo tornou-se muito mais poderosa. Sobre as grandes dificuldades ainda existentes na genealogia de Jesus, sobretudo no segundo bloco de 14 gerações, fornece esclarecimento minucioso: Rienecker, Prakt. Handkommentar, Mt-Evangelium!
Depois de José, interrompe-se de repente o uso da palavra “gerou”. O v. 16 diz: […] Jacó gerou a
José, marido de Maria, da qual nasceu Jesus, que se chama o Cristo.
Em toda a sua estrutura, a genealogia elabora a comprovação de que José descende corretamente da família davídica. O v. 16 quer mostrar que, juridicamente, José deve ser considerado o pai de Jesus. Com isso reforça-se o conteúdo do primeiro versículo: “Jesus Cristo, filho de Davi”.
Além disso, a formulação: José, o pai (jurídico, não biológico) de Jesus, sem dúvida corresponde aos conceitos de direito matrimonial do povo judeu nos tempos do NT. Se alguém afirma: Este é meu filho, considera-se isso autenticado, isto é, a afirmação tem validade sem restrições, e a pessoa designada como filho assume todos os direitos de herança. Portanto,  o menino Jesus está protegido juridicamente. Essa inserção legal na ordem da família criada por Deus aconteceu mediante a determinação única de Deus. Aconteceu não pelas regras da sequência genealógica humana, mas sim pelo milagre singular e único do nascimento virginal. – Nossos bebês nos são dados por Deus pela via natural, o menino Jesus é dado a José por via sobrenatural.
Em outras palavras: Jesus Cristo foi verdadeiro Deus e homem. Como Deus ele não foi feito, porém era Deus e é Deus e será Deus de eternidade a eternidade. Como pessoa, porém, ele foi “feito” como nós pelo nascimento.
Fonte: Mateus - Comentário Esperança

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Online