Pessoas que gostam deste blog

III - Solucionando os problemas encontrados no discípulo


III - SOLUCIONANDO OS PROBLEMAS ENCONTRADOS NO DISCÍPULO

Ao longo da caminhada o discípulo pode apresentar algumas dificuldades tais como:
1.      Desinteresse em reunir-se com o discipulador.
1.1.   As possíveis causas são:
a)      Conversão insincera
b)     Oposição satânica
        O inimigo procurará fazê-lo sentir-se um tolo.
        Questionará a validade da sua conversão.
        Usará de muitos outros artifícios enganadores, a fim de impedir o crescimento do novo discípulo em Cristo.
c)      A pressão do grupo
        Seus amigos e parentes procuram impedir seu crescimento.
        Tentarão monopolizar suas atenções e seu tempo para que ele não possa observar o momento devocional particular ou não ir aos cultos e reuniões.
        Às vezes, eles o ridicularizam e o diminuem, quando ele persiste em seguir a Cristo.
1.2.   As possíveis soluções são:
        A oração - esse princípio é fundamental e se aplica a todos os problemas de aconselhamento.
        Salientar a necessidade do crescimento espiritual na vida do discípulo.
        Levar o novo discípulo a abrir-se com o discipulador e declarar por que não deseja a assistência espiritual.

2.      Ausência da certeza de salvação
        A maioria das pessoas, que não têm a certeza da salvação, geralmente passam a tê-la durante o processo normal do discipulado.
        A razão maior de uma pessoa persistir em afirmar que não possui a certeza da salvação é que ela não teve uma conversão genuína. Isso se evidencia quando há:
ü  Relutância em fazer reparação de erros (Num. 5: 6,7).
ü  Relutância em abandonar um pecado grave (Pv. 28: 13).
ü  Amargura no coração contra os pais e familiares (Heb. 12: 15).

3.      Sentimento de culpa
        Ele não consegue experimentar o perdão de Deus.
        Ensinar ao novo discípulo o que a Palavra de Deus diz a respeito da confissão dos pecados.

4.      Inconstância no momento devocional
        Falta de motivação para estudar a Bíblia.
        Falta de instrução adequada.
        Falta de autodisciplina.

5.      Temor de testemunhar
        Um receio normal de falar com pessoas desconhecidas.
        Falta de preparo.
        Não viver em harmonia com fé cristã.
        Medo perseguição.

6.      Ausência na EBD e Cultos
        E necessário que o novo discípulo esteja fortemente convencido a priorizar o Dia do Senhor e participar da EBD (manhãs) e Cultos Noturnos.

7.      Oposição da família e dos amigos
        Esse tipo de oposição, muitas vezes, faz com que o novo discípulo desista de seguir a Cristo.
        O discipulador deve começar a imediatamente a ensinar-lhe o valor de conhecer a Cristo.
o   (Fil. 3:7-8; Mt. 19:29).
        Quando a fonte de oposição é uma pessoa muito ligada ao novo discípulo, então há uma urgência maior de procurarmos levá-lo a fazer novas amizades com outros discípulos.

8.      Credibilidade
        Fatores que contribuem para a formação de confiança do discípulo no discipulador:
a)      Mostrar-se sempre bem organizado e assíduo no trabalho de discipulador.
b)      Saber encontrar na Bíblia as respostas para as perguntas do novo discípulo
c)      Mostrar-se sempre acessível, e nunca na defensiva.
d)     Conhecer bem aquilo em que crê, e saber por que crê.
e)      Saber responder com fatos da própria experiência e não apenas com noções teóricas.
f)       Ter fruto no trabalho de evangelismo.
g)      Ter entusiasmo no seu trabalho.
h)      Ter uma conduta coerente na fé cristã.

9.      Pré-condicionamento intelectual
        Muitas vezes acontece de um novo discípulo ter conhecimento de fortes argumentos contrários a algum ponto da verdade cristã.
        Por causa desse argumento, ele começa a questionar sua fé, até a ter dúvidas.
Como podemos ajudá-lo:
        Convencê-lo da firmeza da fé cristã.
        O novo discípulo não deve firmar sua fé em nenhuma outra base, a não ser Cristo.
        Ele deve aprender que fato de fazer perguntas, em si mesmo, não é errado.

10.  Dificuldades doutrinárias
        Alguns discípulos novos deixam-se envolver por questões polêmicas em alguns aspectos da doutrina ou da conduta cristã.
        Esse problema é muito sério que pode retardar seu desenvolvimento espiritual.
Como podemos ajudá-lo:
        Procurar colocar o novo discípulo em um lugar onde receba ensinamento adequado e sólido conhecimento bíblico: a classe de novos decididos.
        Analisar com ele os pontos divergentes entre os diversos grupos evangélicos.

DIDATICAMENTE, PODEMOS RESUMIR EM 10, AS DIFICULDADES QUE UM NOVO DISCÍPULO ENFRENTA:


1.      Emoções conflitantes
        Dentro das 24 horas seguintes à sua experiência qualquer novo discípulo pode ter dúvida sobre a realidade da sua experiência. Aquela emoção inicial pode diminuir e fazer com que o novo discípulo pense que sua experiência com Cristo foi um tipo de alucinação ou uma experiência irreal.
        Precisamos mostrar a ele que as emoções são afetadas pelas circunstâncias e que a nossa posição em Cristo não depende delas.

2.      Crise de transformação
        Vícios e hábitos nem sempre desaparecem imediatamente e isto pode ser motivo de muita ansiedade.
        O novo discípulo deseja corresponder à expectativa de mudança instantânea.  (TI Cor. 5:17). Ele espera vencer imediatamente o cigarro, a droga e o álcool talvez por causa do testemunho de outros que tiveram sucesso. A verdade é que algumas pessoas precisam de um acompanhamento pessoal e outras precisam até mesmo ser internadas num centro de reabilitação.

3.      Pressão dos amigos
        As pessoas do seu ambiente social vão pressioná-lo para que retorne aos padrões de sua vida antiga.
        Isto é especialmente difícil para os jovens, mas acontece com todos.
        Velhos amigos possuem um grande poder de influência e podem levar o novo discípulo a desistir da fé. E vital, portanto, que os discipuladores o envolvam até que ele seja capaz de responder apropriadamente aos antigos amigos.

4.      Falta de tempo
        O novo discípulo precisa separar tempo para a comunhão com os irmãos. Isto pode ser um problema para pessoas que possuem uma agenda muito cheia.
        A fim de ser edificado na fé o novo discípulo precisa reorganizar seu tempo para incluir a igreja em sua rotina. Ele não conseguirá fazer isso sozinho, daí a importância de um discipulador.

5.      Hostilidade da família
      É comum surgir uma tensão em casa, principalmente se o novo discípulo é o primeiro membro da família a ter uma experiência com Cristo.
      Ele certamente será acusado de destruir a paz e a unidade da família, o que pode ocasionar muita hostilidade contra ele. Ele será pressionado a manter sua lealdade à família e deixar Cristo de lado. Sem o apoio de um discipulador ele dificilmente conseguirá superar a pressão de uma família hostil ao evangelho.

6.      Perseguição
        Não se pode evitar o sofrimento por causa da fé. Jesus disse que seríamos perseguidos.
        Em algumas circunstâncias a perseguição torna o novo discípulo mais forte, mas em outras pode levá-lo a desistir e retroceder. É sábio preparar o novo discípulo para a possibilidade de perseguição e estar com ele quando ela acontecer.

7.      Superstição
        Existe uma tendência comum de se culpar a Deus por todas as coisas ruins que acontecem depois da conversão. Muitos novos na fé são convencidos pelos de fora de que a conversão só lhes trouxe problemas, e que, portanto não vale a pena insistir nesse caminho.
        Sem um discipulador para protegê-lo de tais influências ele sucumbirá na fé.

8.      Cobranças do passado
        É provável que haja uma série de pendências e questões não resolvidas do passado, como dívidas, conflitos e ressentimentos. O novo discípulo precisa ser ajudado e orientado nessas questões.
        Muitos cobradores aproveitarão esse momento para pressioná-lo. Alguns poderão se sentir envergonhados e indignos de serem cristãos, abandonando assim a fé.

9.      Solidão
        Por causa de sua decisão por Cristo, o novo discípulo pode ter sido abandonado por todos os seus antigos amigos e, por alguma razão ele não foi capaz de preencher o espaço com novos amigos que compartilham de sua fé. O resultado disso é uma grande solidão que pode levá-lo a se sentir ressentido e abandonado.

10.  Crentes carnais
        Crentes carnais pode ser uma fonte de desapontamento e desencorajamento. Eles podem fazer comentários insensíveis e dar conselhos errados.
        O novo discípulo pensa que todo crente é maduro e capaz de ajudá-lo, mas nós sabemos que existem muitos anões espirituais. Longevidade não é sinônimo de maturidade. E triste, mas às vezes precisamos proteger um novo na fé de alguns velhos na fé.

FONTE: Manual do Discipulador - Pr Josenildo Oliveira da Silva

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Online