Pessoas que gostam deste blog

V - Orientações gerais aos discipuladores


V - ORIENTAÇÕES GERAIS AOS DISCIPULADORES

1.      Solteiros não devem acompanhar casados em seus problemas.
Os problemas de casais só devem ser tratados por quem é casado e tem experiência na esfera familiar. Os problemas sexuais, principalmente, são os mais difíceis para um solteiro resolver. É claro que podem ocorrer exceções, mas estou convencido de que elas são extremamente raras.

2.      Rapazes não devem discipular moças (e vice-versa).
Embora um rapaz possa levar uma moça a Cristo, e vice-versa, não deve ser ele o seu discipulador. Também não é prudente uma moça acompanhar um rapaz nos primeiros passos da sua vida cristã. Os riscos de um envolvimento sentimental estão sempre presentes, e a relação pode acabar se desvirtuando.

3.      Homens casados não devem acompanhar moças e mulheres casadas e mulheres casadas não devem acompanhar rapazes e homens casados, em relacionamento de discipulado.
Você nunca deverá acompanhar uma mulher recém-convertida casada, a menos que sua esposa participe diretamente com você. Isto significa que você só fará o acompanhamento de uma mulher (caso não exista ninguém mais para fazê-lo) se e somente se sua esposa estiver presente em todos os encontros do relacionamento. Jamais visite uma mulher casada para aconselhamento, sem que seu marido esteja presente, e sem que você esteja acompanhado pela sua esposa. Se você for casado, faça-se acompanhar por duas irmãs líderes, ou, de preferência, por um casal (marido e mulher) de líderes.

4.      É melhor que haja uma razoável diferença de idade entre discipulador e discípulo.
Quando o novo convertido é muito mais velho ou muito mais experiente que o discipulador há o risco de, em vez de “salgar”, o discipulador venha a ser “salgado” pelo outro; ou seja, em vez de influenciar, acabe sendo influenciado.

5.      Não manipule seu discípulo.
A Palavra diz para “guardarmos o rebanho de Deus que há entre nós, não como constrangidos, mas espontaneamente, como Deus quer...; não como dominadores dos que nos foram confiados; antes tornando-nos modelos do rebanho” (I Pe 5:2,3). O ato de “seguir” deve ser decorrência do exemplo, e não de manipulação. Não obrigue o novo convertido a obedecê-lo! “Tal como o Filho do homem, que não veio para ser servido, mas para servir...”, assim o discipulador deve servir o discípulo, e não se servir dele! (Mt 20:28).

6.      Não tenha pressa quanto aos ensinos da Palavra.
Não dê alimento demais ao seu discípulo, porque você poderá lhe produzir uma intoxicação espiritual. Você pode fazer observações e esclarecer dúvidas, durante a leitura, mas nunca forçar o discípulo a “comer” mais do que seu “estômago” é capaz de suportar. Não tenha pressa! O mais importante é que o seu discípulo desenvolva com você uma relação de amizade, a ponto de gostar da Palavra de Deus e tomar a decisão de se batizar. E é através de você que ele conseguirá isso!

7.      Não seja legalista.
Não tente mudar nenhuma pessoa, tendo por base seu preconceito pessoal. Não queira mudar o exterior, se o interior ainda não foi mudado. Não se prenda a coisas exteriores, mas leve o novo discípulo a ter uma experiência íntima e profunda com Deus. Não comece a fazer uma lista de usos e costumes que pesará como uma carga ao discípulo. Aos poucos o Espírito Santo o convencerá do que não agrada a Deus.

8.      Cuidado com a negligência e indiscrição.
Não seja negligente com a pontualidade, e também não desmarque um encontro na última hora, a não ser que haja um motivo realmente forte para isso. Os novos convertidos se ressentem dessas atitudes, que eles interpretam como sendo indisposição, má vontade ou mesmo rejeição. Lembre-se de que, para ele, você é o padrão de cristão; portanto, cuidado para não decepcioná-lo com atitudes como falta de pontualidade, inconfidências, etc. Não deixe de orar pelo seu discípulo, e nem o abandone aos cuidados de outros, durante as primeiras semanas após o novo nascimento. Sugira que ele adquira produtos necessários ao seu crescimento espiritual e jamais revele a outros o que ele confidenciar a você. SEJA CONFIÁVEL!

9.      Cuidado com o horário.
Não ultrapasse o horário com o seu discípulo. Evite tomar o tempo dele desnecessariamente. Seja cuidadoso para não ter encontros em horários impróprios - como muito tarde da noite - e nem em lugares muito movimentados, onde não seja possível a privacidade.

10.  Cuidado com a aparência
Não há nada de errado com roupas informais, como bermudas e camisetas (claro que no padrão da decência), mas seja cuidadoso com a higiene pessoal: limpeza, odores e aparência geral. Se o encontro ocorrer na casa do discípulo, seja ainda mais criterioso ainda com a sua aparência.

11.  Não tente resolver problemas complexos.
Pessoas com problemas na área de drogas, alcoolismo, homossexualismo, prostituição, depressão profunda, envolvimento severo em satanismo e outras dificuldades semelhantemente graves, exigem um acompanhamento especializado. Procure o seu Pastor. Seja humilde e não tente fazer algo que está além de sua capacidade e maturidade.

12.  Cuidado com o zelo excessivo.
Ficar guardando o discípulo o tempo todo compromete a vida espiritual dele. Os crentes superprotegidos são inseguros e necessitam constantemente de “mamadeira espiritual”. Não faça tudo por ele. Deixe que ele se esforce um pouco também. Por exemplo, você não tem que buscá-lo de carro para todas as reuniões da igreja ou do pequeno grupo. Assim como as crianças podem ficar mimadas, crianças na fé também ficam. Deixe que o seu discípulo ande com as próprias pernas!

13.  Não sufoque o seu discípulo.
O cuidado exagerado pode ser perigoso. A consequência disso será que o discípulo se cansará de você e da igreja. Se ele se sentir sufocado, poderá fugir, e o inimigo acabará encontrando brechas para arrastá-los de volta para o mundo. Essa prática é mais comum entre os jovens; por isso, se você é discipulador jovem, atente para a orientação de Paulo a Tito: “ ... exorta os jovens a que sejam moderados” (Tt 2:6). Tenha equilíbrio. Respeite a privacidade do outro e não o sobrecarregue com excesso de atenção.

14.  Fuja da superdependêneia.
Há discípulos pegajosos. O novo convertido, ávido por aprender, toma a ideia de “ter comunhão” de uma forma extrema. Com isso, transforma-se em “perseguidor” do seu discipulador, a ponto de não fazer nada sem que ele o saiba primeiro. E louvável por parte de o discípulo querer ser tratado e orientado, mas essa dependência não pode ser transportada para os atos do cotidiano, e até mesmo os afazeres mínimos. Não permita que o novo convertido tenha uma dependência doentia de você!

15.  Não viole a privacidade.
O bom discipulador tem plena consciência de que Deus é um ser nobre; o que quer dizer que Seu caráter manso, moderado e prudente respeita o livre-arbítrio do homem. Não ultrapasse os limites da privacidade do seu discípulo, tanto a nível pessoal quanto familiar. Uma coisa é o novo convertido espontaneamente contar, confessar, confidenciar algo de sua intimidade; outra bem diferente é o discipulador “forçar a entrada” e invadir sua privacidade e intimidade. Quando a convicção de pecado provém da atuação do Espírito Santo, naturalmente o novo convertido buscará a sua ajuda como irmão em quem confia e abrirá o coração pra você. Espere o sinal de Deus!

16.  Não faça negócios.
Durante o período do discipulado, você não deve fazer qualquer tipo de negócio com o seu discípulo. Principalmente por que ele ainda não tem maturidade e se escandaliza com coisas muito pequenas. Não dê e nem empreste ao seu discípulo. Evidentemente, o contrário está valendo. Se você sentir uma direção de Deus para ajudá-lo, procure o seu Pastor e faça-o de maneira anônima. Não queremos novos discípulos transformados em sanguessugas dentro da igreja!

17.  Evite fazer críticas
Julgar não ajuda em nada. Censurar e “pegar no pé” nunca mudaram ninguém. Você como irmão mais velho deve ser o motivador do mais novo. Tenha sempre uma palavra positiva e de fé, para levantar o ânimo do seu discípulo! Você um consolidador de alicerces e não um dinamitador de auto-estima! Não transfira os seus problemas para o discípulo. Poupe-o do seu mau humor!

FONTE: Manual do Discipulador - Pr Josenildo Oliveira da Silva

4 comentários:

  1. gostaria de aprender mais sobre esse estudo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Esse estudo está completo, basta você clicar no link MANUAL DO DISCIPULADO, no canto superior direito.
      Um abraço.

      Excluir
  2. estou numa mudança de aluno para professor e estou um pouco perdido como devo me portar

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A paz do Senhor Jesus, meu irmão
      Sua preocupação é muito importante, pois revela em você comprometimento.
      No entanto, não é razão para se preocupar, basta estudar o assunto, tire suas próprias dúvidas que surgirem no estudo, pois se ficar claro para você, há uma grande possibilidade de também você passar isso com clareza e domínio sobre o assunto.
      Um abraço.

      Excluir

Online