Pessoas que gostam deste blog

Lição 8 A Suprema Aspiração do Crente


Lição 8 – 25 de Agosto de 2013 - CPAD

A Suprema Aspiração do Crente

TEXTO ÁUREO

"Prossigo para o alvo, pelo prêmio da soberana vocação de Deus em Cristo Jesus" (Fp 3.14)

VERDADE PRÁTICA

A maior aspiração do crente deve ser a conquista do prêmio da soberana vocação em Cristo Jesus.

LEITURA BÍBLICA EM CLASSE

Filipenses 3.12-17
12 - Não que já a tenha alcançado ou que seja perfeito; mas prossigo para alcançar aquilo para o que fui também preso por Cristo Jesus.
13 - Irmãos, quanto a mim, não julgo que o haja alcançado; mas uma coisa faço, e é que, esquecendo-me das coisas que atrás ficam e avançando para as que estão diante de mim,
14 - prossigo para o alvo, pelo prêmio da soberana vocação de Deus em Cristo Jesus.
15 - Pelo que todos quantos já somos perfeitos sintamos isto mesmo; e, se sentis alguma coisa doutra maneira, também Deus vo-lo revelará.
16 - Mas, naquilo a que já chegamos, andemos segundo a mesma regra e sintamos o mesmo.
17 - Sede também meus imitadores, irmãos, e tende cuidado, segundo o exemplo que tendes em nós, pelos que assim andam.

SUBSÍDIO TEOLÓGICO
A maioria das pessoas lê biografias para satisfazer a curiosidade a respeito de grandes nomes, na esperança de descobrir o "segredo" de sua grandeza. Um amigo conta ter participado de um congresso em que um médico idoso prometeu contar o segredo de sua vida longa e saudável. (Ele havia sido médico de um dos presidentes dos Estados Unidos, devia ter sido de Washington ou Jefferson.) Esperaram com grande expectativa para descobrir o segredo da longevidade e, no auge da palestra, o médico disse:
- Bebam oito copos de água por dia!
Em Filipenses 3, Paulo apresenta sua biografia espiritual, seu passado (Fp 3:1-11), presente (Fp 3:12-16) e futuro (Fp 3:17-21). Vimos Paulo como o "contador" que descobriu novos valores depois de seu encontro com Jesus Cristo. Nesta seção, o vemos como "atleta", cheio de vigor espiritual, avançando para a linha de chegada da corrida cristã. Na última seção, veremos Paulo como o "estrangeiro", cuja cidadania encontra-se no céu e que aguarda a vinda de Jesus Cristo. Em cada uma dessas experiências, o apóstolo coloca em prática a disposição espiritual; observa as coisas da Terra do ponto de vista de Deus. Em decorrência disso, não se perturba com o que ficou para trás, nem com o que está ao redor ou adiante dele, as coisas não o privam de sua alegria!
Em suas epístolas, Paulo usa várias ilustrações para comunicar a verdade acerca da vida cristã. Quatro tipos de imagens destacam-se em particular: a militar ("Revesti-vos de toda a armadura"), a arquitetônica ("Habitação de Deus"), a agrícola ("Aquilo que o homem semear, isso também ceifará") e a atlética. Neste parágrafo, Paulo é o atleta. Os estudiosos da Bíblia não apresentam um consenso quanto ao esporte específico descrito pelo apóstolo, se é uma corrida a pé ou uma corrida de carros. Na verdade, não faz diferença, mas prefiro a imagem da corrida de carros. O carro grego usado nos Jogos Olímpicos e em outros eventos era, na verdade, uma pequena plataforma com uma roda de cada lado. O condutor não tinha muitos lugares onde se segurar durante o percurso na pista. Precisava inclinar-se para frente e retesar todos os nervos e músculos, a fim de manter o equilíbrio e controlar os cavalos. O verbo "avançar", em Filipenses 3:13, significa, literalmente, "se esticar como quem está em uma corrida".
É importante observar que Paulo não diz como alcançar a salvação. Se fosse o caso, o apóstolo estaria descrevendo a salvação pelas obras ou por esforço próprio, o que seria uma contradição com as palavras dos onze primeiros versículos de Filipenses 3. A fim de participar das competições na Grécia, o atleta deveria ser cidadão grego. Não competia para obter a cidadania. Em Filipenses 3:20, Paulo lembra seus leitores de que "nossa pátria está nos céus". Uma vez que já somos filho de Deus por meio da fé em Cristo, temos a responsabilidade de "completar a carreira" e de alcançar os objetivos que Deus estipulou para nós. Trata-se de uma ilustração clara de Filipenses 2:12, 13: "desenvolvei a vossa salvação [...] porque'' Deus é quem efetua em vós tanto o querer como o realizar". Cada cristão está em uma pista de corrida; cada um tem uma raia específica, dentro da qual deve correr, e cada um tem um objetivo a alcançar. Quem alcançar o objetivo que Deus planejou será recompensado. Quem falhar, perderá a recompensa, mas não a cidadania (ver 1 Co 3:11-15, em que a mesma ideia é apresentada usando uma imagem arquitetônica).
Todos desejamos ser "cristãos vitoriosos" e cumprir os propósitos para os quais fomos salvos. Quais são os elementos essenciais para vencer a corrida e, um dia, receber a recompensa prometida? "Não julgo havê-lo alcançado." Essa é uma declaração de um cristão consagrado que nunca se deu por satisfeito com suas realizações espirituais. É evidente que Paulo estava satisfeito com Jesus Cristo (Fp 3:10), mas não com a própria vida cristã. Uma "insatisfação santa" é o primeiro elemento essencial para avançar na corrida cristã.
Harry saiu do escritório do gerente com uma expressão tão desconsolada que, por pouco, não fez murchar as rosas na mesa da secretária.
- O que aconteceu? Você foi demitido?
- perguntou ela.
- Não. Mas ele arrasou comigo por causa de minhas vendas. Não consigo entender; no último mês recebi uma porção de pedidos e pensei que ele me elogiaria. Em vez disso, mandou que eu melhorasse meu desempenho.
Mais tarde, a secretária conversou com o chefe sobre Harry. O chefe riu e disse:
- O Harry é um dos nossos melhores vendedores e não gostaria de perdê-lo. Mas ele tem a tendência de descansar em seus louros e de se contentar com seu desempenho. Se eu não o deixasse irritado comigo uma vez por mês, não venderia tanto.
Muitos cristãos contentam-se com a própria situação, pois comparam sua "carreira" com a de outros cristãos, normalmente com a dos que não fazem grande progresso. Se Paulo tivesse se comparado com outros, seria tentado a se orgulhar e, talvez, a relaxar um pouco. Afinal, eram poucos os cristãos de seu tempo que haviam tido experiências como as dele! Mas Paulo não se comparou com outros; antes, se com parou consigo mesmo e com Jesus Cristo! O uso dos termos perfeição e perfeitos, em Filipenses 3:12 e 15, explica seu raciocínio. Ainda não alcançou a perfeição (Fp 3:12), mas já é "perfeito" [maduro] (Fp 3:15), e uma das características dessa maturidade é a consciência da própria imperfeição! O cristão maduro faz uma auto avaliação honesta e se esforça para melhorar.
Em várias ocasiões, a Bíblia adverte sobre o perigo de iludir-se quanto à própria condição espiritual. É dito da igreja de Sardes: "tens nome de que vives e estás morto" (Ap 3:1). Sua reputação não correspondia à realidade. A igreja de Laodicéia vangloriava-se de sua riqueza, mas aos olhos de Deus era "infeliz [...] miserável, pobre, [cega] e [nua]" (Ap 3:17). Ao contrário da igreja de Laodicéia, os cristãos de Esmirna consideravam-se pobres, quando, na verdade, eram ricos! (Ap 2:9). Sansão pensou que ainda tinha força quando, na realidade, a havia perdido (Jz 16:20).
Mas, ao realizar essa auto-avaliação, corre-se o risco de cair em dois extremos: (1) considerar-se melhor do que é; ou (2) considerar-se pior do que é. Paulo não se enganava a respeito de si mesmo; ainda precisava "prosseguir" a fim de "conquistar aquilo para o que também [foi] conquistado por Cristo Jesus". Um a insatisfação divina é essencial para o progresso espiritual. "Como suspira a corça pelas correntes das águas, assim, por ti, ó Deus, suspira a minha alma. A minha alma tem sede de Deus, do Deus vivo; quando irei e me verei perante a face de Deus?" (SI 42:1, 2).

INTERAÇÃO

Temos visto, na sociedade atual, muitos cristãos lutando arduamente pela conquista de bens materiais, fama, prestígio e poder. As pessoas querem, a todo o custo, serem VIPs. Logo, é urgente que venhamos refletir a respeito da verdadeira ambição do cristão.  Cremos que o desejo maior do crente deve ser a conquista do prêmio da soberana vocação em Cristo Jesus. De que adianta ter todos os bens nesta terra, ser VIP, ter prestígio e no fim de tudo não desfrutar da vida eterna com Cristo? O que é mais precioso para o cristão? Sigamos o exemplo de vida do apóstolo Paulo. Seu alvo era a pessoa de Jesus Cristo. Seu ideal e sua aspiração consistiam em conhecer mais do Mestre. Que Jesus Cristo seja o nosso maior alvo até que venhamos ouvir: "Bem está, servo bom e fiel".

OBJETIVOS
Após a aula, o aluno deverá estar apto a:
Compreender qual era a verdadeira aspiração do apóstolo Paulo. 
Analisar a maturidade espiritual dos filipenses.
Conscientizar-se a respeito da verdadeira aspiração cristã.

ORIENTAÇÃO PEDAGÓGICA

Professor, para introduzir a lição faça a seguinte indagação: "Qual deve ser a maior aspiração do crente?" Incentive a participação de todos e ouça os alunos com atenção. Em seguida leia o texto áureo e explique que como cristãos o nosso alvo maior deve ser a conquista do prêmio da soberana vocação em Cristo Jesus, a nossa salvação. Precisamos nos esforçar para conhecer mais de Cristo e em tudo agradá-lo. Conclua enfatizando que à medida que passamos a ter um relacionamento maior com Jesus, somos aperfeiçoados e nos tornamos aptos para realizarmos as boas obras.

COMENTÁRIO

INTRODUÇÃO

PALAVRA-CHAVE
Aspiração: Desejo profundo de atingir uma meta espiritual; sonho, ambição.

Na lição de hoje, aprenderemos que o alvo da vida do apóstolo Paulo era somente um: conquistar a excelência do conhecimento de Jesus Cristo (Fp 3.8,10). Semelhante a um atleta, o apóstolo se esforçava para alcançar este objetivo, pois era consciente de que o exercício de aprender cada dia mais de Jesus exige labor e disposição para servir. Prosseguindo para "o alvo, pelo prêmio da soberana vocação de Deus em Cristo Jesus", Paulo convidou os filipenses a imitá-lo, despertando-os à esperança de um dia receberem a mesma recompensa (Fp 3.14-17).

I. A ASPIRAÇÃO PAULINA
1. "Prossigo para o alvo". Para participar de uma maratona, o atleta tem de treinar muito. É preciso esforço, dedicação e trabalho para alcançar o prêmio final. Paulo utiliza neste texto a analogia do atletismo, a fim de mostrar aos filipenses que o crente em sua caminhada também precisa se esforçar para conhecer mais a Cristo, deixando de lado os embaraços dessa vida e o pecado, mantendo o foco em Jesus. Quando o crente deixa de olhar firmemente para o "Alvo", corre o risco de tropeçar e cair, podendo até abandonar a fé. Vigiemos, pois, em todo o tempo, na dependência do Senhor.
2. O sentimento de incompletude de Paulo. Paulo sabia que havia muita coisa ainda a ser conhecida. Por isso, nunca corria sem meta (1 Co 9.26 Pois eu assim corro, não como a coisa incerta; assim combato, não como batendo no ar.). Mesmo estando no cárcere, o apóstolo declara estar disposto a avançar para as coisas que estavam diante dele (Fp 3.13b). Paulo era um homem que confiava em Deus. E, assim, seguia confiante, pois no Senhor ainda teria grandes desafios em seu ministério. Sua força estava em Deus. Eis porque venceu grandes lutas e foi fiel até o fim. Para vencer, temos que igualmente olhar para frente e "esquecer das coisas que atrás ficam" (v.13 Irmãos, quanto a mim, não julgo que o haja alcançado; mas uma coisa faço, e é que, esquecendo-me das coisas que atrás ficam e avançando para as que estão diante de mim,).
3. O engano da presunção espiritual. Paulo não se deixou enganar pela falsa ideia de ter alcançado a perfeição. Os mestres do gnosticismo afirmavam ter alcançado tal posição e, assim, reivindicavam ser iluminados e não terem mais nada a aprender ou que desenvolver. Paulo, contudo, refutou esse pensamento equivocado, demonstrando que a conquista da perfeição será para aquele que terminar a carreira e ganhar a vida eterna, pois o prêmio está no final da jornada e não em seu início ou meio (1 Co 9.24 Não sabeis vós que os que correm no estádio, todos, na verdade, correm, mas um só leva o prêmio? Correi de tal maneira que o alcanceis.; Gl 6.9 E não nos cansemos de fazer o bem, porque a seu tempo ceifaremos, se não houvermos desfalecido.).

SINÓPSE DO TÓPICO (1)
O crente em sua caminhada precisa se esforçar para conhecer mais de Cristo, deixando de lado os embaraços dessa vida (o pecado), mantendo o foco em Jesus.

II. A MATURIDADE ESPIRITUAL DOS FILIPENSES (3.15,16)
1. Somos perfeitos (3.15)? O vocábulo "perfeito", empregado por Paulo neste texto, tem um sentido especial, pois se refere à "maturidade espiritual". Em termos de recebimento do benefício da obra perfeita de Cristo no Calvário, todos nós já alcançamos tal "perfeição". Neste sentido, a nossa salvação é perfeita e completa. Segundo o Comentário Bíblico Beacon, quando a expressão paulina refere-se aos filipenses tratando-os de "perfeitos", neste versículo, apresenta-os servindo a Deus no Espírito, isto é, não confiando na carne (3.3 Porque a circuncisão somos nós, que servimos a Deus no Espírito, de nos gloriamos em Jesus Cristo, e não confiamos na carne.).
2. O cristão deve andar conforme a maturidade alcançada (3.16). Quando Paulo diz, "andemos segundo a mesma regra", não significa caminhar segundo os regulamentos da lei mosaica, tão requerida pelos judeus convertidos a Cristo. Trata-se de andar conforme a doutrina de Cristo, segundo aquilo que já recebemos do Senhor. Assim, esse "andemos segundo a mesma regra" denota modo de viver, atitudes, ações, obras, e comportamentos em geral, semelhantes aos do Senhor Jesus, que o crente deve seguir. Aprendemos com Paulo que não basta "corrermos", pois se realmente desejamos progredir em nossa vida cristã, devemos conhecer e obedecer aos preceitos da Palavra de Deus até o Dia de Jesus Cristo (Fp 1.6 Tendo por certo isto mesmo: que aquele que em vós começou a boa obra a aperfeiçoará até ao Dia de Jesus Cristo.). 
3. Exemplo a ser imitado (3.17). Paulo procurou em tudo imitar o Mestre, servindo apenas aos interesses da Igreja de Cristo (Fp 2.17 E, ainda que seja oferecido por libação sobre o sacrifício e serviço da vossa fé, folgo e me regozijo com todos vós.). Dessa maneira, exortou os filipenses a que o imitassem assim como ele imitava ao Senhor (Fp 3.17 Sede também meus imitadores, irmãos, e tende cuidado, segundo o exemplo que tendes em nós, pelos que assim andam.). Como obreiro de Deus, Paulo tinha um caráter ilibado e os filipenses deveriam tê-lo como um exemplo a seguir. Se quisermos servir ao Senhor com inteireza de coração, precisamos seguir os passos de Jesus - o nosso modelo de homem perfeito (Hb 12.2 olhando para Jesus, autor e consumador da fé, o qual, pelo gozo que lhe estava proposto, suportou a cruz, desprezando a afronta, e assentou-se à destra do trono de Deus.).

SINÓPSE DO TÓPICO (2)
Não basta "corrermos", pois se realmente desejamos progredir em nossa vida cristã, devemos conhecer e obedecer aos preceitos da Palavra de Deus até o Dia de Jesus Cristo (Fp 1.6). 

III.  A ASPIRAÇÃO CRISTÃ HOJE
1. A atualidade do desejo paulino. O propósito de Paulo em relação a si e aos filipenses deve servir-nos de instrução, pois as dificuldades, tentações e demais obstáculos que serviam de empecilhos à vida de comunhão naquela época continuam atuais e bem maiores. Mais do que nunca, devemos nos esforçar para vivermos uma vida de íntima comunhão com Deus (Fp 3.12 Não que já a tenha alcançado ou que seja perfeito; mas prossigo para alcançar aquilo para o que fui também preso por Cristo Jesus.).
2. O cristão deve almejar a maturidade espiritual. Seguindo o exemplo de Paulo, reconheçamos que ainda precisamos alcançar a perfeição. Sejamos sóbrios e vigilantes, reconhecendo também o quanto carecemos de maturidade espiritual e de um maior conhecimento acerca da pessoa de Nosso Senhor Jesus Cristo.
3. Rejeitando a fantasia da falsa vida cristã. Paulo era um sofredor consciente, um homem que sabia o quanto é difícil ser fiel a Deus. Ele, porém, suportava tudo por causa da obra de Deus (Fp 2.17 E, ainda que seja oferecido por libação sobre o sacrifício e serviço da vossa fé, folgo e me regozijo com todos vós.). Quem quiser viver assim nos dias atuais, precisa reconhecer que padecerá as mesmas angústias (2 Tm 3.12 E também todos os que piamente querem viver em Cristo Jesus padecerão perseguições.). Semelhante ao apóstolo Paulo, podemos ter certeza de que receberemos o "prêmio da soberana vocação de Deus em Cristo Jesus" (Fp 3.14 prossigo para o alvo, pelo prêmio da soberana vocação de Deus em Cristo Jesus.).

SINÓPSE DO TÓPICO (3)
Ainda não alcançamos a perfeição, por isso, precisamos ser sóbrios e vigilantes, reconhecendo o quanto carecemos de maturidade espiritual e de um maior conhecimento acerca da pessoa de Nosso Senhor Jesus Cristo.

REFLEXÃO
“Se quisermos servir ao Senhor com inteireza de coração, precisamos seguir os passos de Jesus – o nosso modelo de homem perfeito.” Elienai Cabral

CONCLUSÃO
Toda a vida de Paulo era centrada na pessoa de Jesus Cristo. Ele tudo fazia para agradá-lo. Sua grande aspiração era conhecer mais do Mestre da Galileia. Por isso, o apóstolo podia declarar: "Já estou crucificado com Cristo; e vivo, não mais eu, mas Cristo vive em mim; e a vida que agora vivo na carne vivo-a na fé do Filho de Deus, o qual me amou e se entregou a si mesmo por mim" (Gl 2.20 Já estou crucificado com Cristo; e vivo, não mais eu, mas Cristo vive em mim; e a vida que agora vivo na carne vivo-a na fé do Filho de Deus, o qual me amou e se entregou a si mesmo por mim).

AUXÍLIO BIBLIOGRÁFICO I

Subsídio Teológico
"[...] Prossigo para o alvo, pelo prêmio da soberana vocação de Deus em Cristo Jesus" (3.14). Prossigo é tradução da mesma palavra grega que ocorre no versículo 12 ('prossigo') e no versículo 6 ("perseguidor"). Significa literalmente 'perseguir', 'ir ao encalço de'. Paulo está perseguindo o prêmio em Cristo com a mesma determinação, liberdade de pesos estorvadores e empenho incessante, com que ele perseguira a igreja anteriormente [...].
O significado de alvo (skopon) é incerto. Pode indicar a linha de chegada para qual o corredor corre, ou propósito definido com o que ele corre. De acordo com a última opção, supunha-se que o corredor seguisse uma linha branca que indicava a trajetória da corrida do ponto de partida à meta. Se pisasse fora da linha, ele não estaria correndo de acordo com as regras, não sendo coroado mesmo que chegasse em primeiro lugar. Prêmio sugere a coroa ou troféu (1 Co 9.24). Soberana vocação é, literalmente, 'chamado superior'. O cristão é chamado 'do alto' ou de cima (Hb 12.2). Este chamado é de Deus em Cristo Jesus, que ao término da corrida dirá: 'Bem está, servo bom e fiel'" (Comentário Bíblico Beacon. Vol. 9. Rio de Janeiro: CPAD, 2006, p. 271).

AUXÍLIO BIBLIOGRÁFICO II

Subsídio Teológico
"A Santa Ambição
Ganhar a Cristo. Paulo considera os seus privilégios anteriores como refugo, ou lixo. Todas as coisas juntas são lixo e escórias comparadas com o único desejo de Paulo: ganhar o próprio Cristo. O que significa ganhar a Cristo? Significa estar em comunhão com Ele e ter a sua presença na alma. Significa ser vinculado a Ele como nossa Cabeça, ser enxertado nEle como nossa Videira (Jo 15.1), ser casado com Ele como nosso Noivo (2 Co 11.2), ser edificado sobre Ele como nossa Pedra Fundamental. Ser achado 'em Cristo' é estar sob o seu controle, cuidado e proteção.
Possuir a retidão de Deus. Quando Paulo teve uma visão de Cristo no caminho para Damasco, ficou convicto de que era um pecador e que a sua justiça própria não passava de trapos imundos (Is 64.6), insuficiente para vestir a alma diante do olhar de Deus, que a tudo perscruta. O Senhor, porém, lhe deu uma justiça que aguentaria o teste da eternidade - a justiça de Deus imputada à pessoa que realmente confia em Cristo para a salvação. Somos considerados justos porque o nosso Representante é justo.
Conhecer a Cristo. 'Para conhecê-lo'. Paulo não fala aqui de conhecimento intelectual, mas sim, em conhecimento baseado na experiência. Há uma grande diferença entre realmente conhecer a Cristo e meramente saber acerca dEle. Assim como se sabe o gosto da comida ao comê-la, assim também conhecemos a Cristo ao recebê-lo" (PEARLMAN, Myer. Epístolas Paulinas: Semeando as Doutrinas Cristãs. 1.ed. Rio de Janeiro: CPAD, 1998, p.138).

BIBLIOGRAFIA SUGERIDA

RICHARDS, Lawrence O.  Comentário Histórico-Cultural do Novo Testamento. 1.ed.  Rio de Janeiro: CPAD, 2007.
PEARLMAN, Myer. Epístolas Paulinas: Semeando as Doutrinas Cristãs. 1.ed. Rio de Janeiro: CPAD, 1998.

SAIBA MAIS

Revista Ensinador Cristão
CPAD, nº 55, p.40.

EXERCÍCIOS

1. Que analogia o apóstolo Paulo usa para ilustrar que o crente precisa se esforçar para conhecer mais a Jesus Cristo?
R. Paulo utiliza a analogia do atletismo.

2. O que reivindicavam os mestres do gnosticismo?
R. Os mestres do gnosticismo reivindicavam serem iluminados e não terem mais nada a aprender ou que desenvolver.

3. Qual o sentido do vocábulo "perfeito" empregado por Paulo?
 R. O vocábulo "perfeito", empregado por Paulo tem um sentido especial, pois se refere à "maturidade espiritual".

4. O que significa a expressão "andemos segundo a mesma regra"?
R.  Trata-se de andar conforme a doutrina de Cristo, segundo aquilo que já recebemos do Senhor. Assim, esse "andemos segundo a mesma regra" denota modo de viver, atitudes, ações, obras, e comportamentos em geral, semelhantes aos do Senhor Jesus, que o crente deve seguir.

5. Qual o alvo da sua vida?
R. Resposta pessoal.

REFERÊCIAS BIBLIOGRÁFICAS:

Comentário Bíblico Expositivo – Warrem W. Wiersbe
Antigo e Novo Testamento Interpretado Versículo Por Versículo - Russell Norman Champlin
Comentário Esperança - Novo Testamento
Comentário Bíblico Matthew Henry - Novo Testamento
Bíblia – THOMPSON (Digital)
Bíblia de Estudo Pentecostal – BEP (Digital)

Dicionário Teológico – Edição revista e ampliada e um Suplemento Biográfico dos Grandes Teólogos e Pensadores – CPAD - Claudionor Corrêa de Andrade

2 comentários:

  1. gostei muito aprendi muito me deu prazer de estudar essa lição bem explicada que Deus em Cristo continue te abençoando

    ResponderExcluir
  2. excelente exposição da lição,foi de grande acréscimo a carreira que me esta proposta, Deus em Cristo continue te abençoando.

    ResponderExcluir

Feed

 

Online

Play