Pessoas que gostam deste blog

A qualidade de Paulo como missionário - Lição 06 – 11 de Novembro de 2012

LIÇÃO 06 – 11 de Novembro de 2012

A qualidade de Paulo como missionário

TEXTO AUREO

“E, servindo eles ao Senhor, e jejuando, disse o Espírito Santo: Apartai-me a Barnabé e a Saulo para a obra a que os tenho chamado”. At 13.2

VERDADE APLICADA

“Quando um homem aceita a Cristo e Ele se torna de fato o seu Senhor, todos os dons, bens, talentos, e vida são transferidos para o reino de Deus”

TEXTOS DE REFERÊNCIA

2Tm 2.2 - E o que de mim, entre muitas testemunhas, ouviste, confia-o a homens fiéis, que sejam idôneos para também ensinarem os outros.
2Tm 2.3 - Sofre, pois, comigo, as aflições, como bom soldado de Jesus Cristo.
2Tm 2.4 - Ninguém que milita se embaraça com negócios desta vida, a fim de agradar àquele que o alistou para a guerra.
2Tm 2.5 - E, se alguém também milita, não é coroado se não militar legitimamente.

Introdução
Em lição anterior, foi visto que a carreira espiritual de um homem que chega atingir elevados patamares é construída com apoio de vários outros que depositaram nele a sua confiança. Serão estatuadas aqui algumas das muitas qualidades que foram cumuladas com a ajuda desses obreiros, resultado de esforço próprio e de uma crescente comunhão com Cristo Jesus.

1. Um vaso bem acabado
Paulo bem sabia da sua chamada para trabalhar entre os gentios, na verdade, ele herdou o zelo missionário dos fariseus e demais judeus que se esforçavam para trazer para o judaísmo os pagãos.

1.1. Um obreiro preparado (At 13.1,2)
Quando o Espírito Santo falou ao coração da Igreja e a liderança onde Barnabé e Paulo estavam, ordenou que eles fossem separados para a obra previamente determinada pelo conselho divino (At 13.2). Paulo já era um homem preparado por Deus para aquele momento, assim como Barnabé. Todavia, eles continuaram aprendendo no trabalho missionário, mesmo que já tivessem um conhecimento teórico com base na experiência dos fariseus proselitistas, algumas experiências anteriores, etc. Observe que ele já falava grego e latim, além do aramaico que era a língua falada em Israel; a sua cidadania romana lhe conferia ampla mobilidade em todo o império romano com todos os direitos assegurados a um cidadão comum de Roma, sem contar que aprendera fazer tendas quando mais novo. Tudo isso foi muito útil.
O falecido Henry Martyn, missionário na índia e na Pérsia, disse certa vez: "O Espírito de Cristo é o espírito de missões, e quanto mais nos aproximamos de Cristo, mais intensamente missionários devemos nos tornar". Paulo (Saulo) e Barnabé tiveram essa experiência ao ministrar em Antioquia e ao ser chamados pelo Espírito para levar o evangelho ao mundo romano.
Até então, Jerusalém havia sido o centro do ministério cristão, e Pedro fora o principal apóstolo. Desse ponto em diante, Antioquia da Síria torna-se o novo centro (At 11:19), e Paulo, o novo líder. É o evangelho em movimento!
Lucas relaciona cinco homens que ministravam na igreja: Barnabé, sobre o qual já lemos (At 4:36, 37; 9:27; 11:22-26); Simeão, que talvez fosse da África, uma vez que tinha o sobrenome "Níger” (ou "negro"); Lúcio de Cirene, que talvez tenha sido um dos fundadores da igreja em Antioquia (At 11:20); Manaém, um amigo íntimo (ou talvez um irmão adotivo) de Herodes Antipas, que havia mandado matar João Batista; e Saulo (Paulo), o último da lista, mas que em breve seria o primeiro.
Estes homens serviam ao Senhor como "profetas e mestres" nas igrejas locais. Os profetas ajudaram a lançar os alicerces da Igreja ao proclamarem a Palavra de Deus (Ef 2:20; 1 Co 14:29-32). Eram mais "proclamadores" do que "prenunciadores", apesar de, em algumas ocasiões, anunciarem coisas vindouras (At 11:27-30). Os mestres ajudaram a fundamentar os convertidos nas doutrinas da fé (2 Tm 2:2).
Deus já havia chamado Paulo para ministrar aos gentios (At 9:15; 21:1 7-21) e convocou Barnabé a trabalhar com ele. A igreja confirmou seu chamado e os enviou para o campo missionário. Faz parte do ministério do Espírito Santo, trabalhando por meio da igreja local, preparar e chamar cristãos para ir a outras partes e servir.


1.2. Um obreiro experiente
Ninguém nasce experiente em alguma coisa, todos aprendem com os outros, pela observação e pelos próprios erros. Paulo foi adquirindo experiência pouco a pouco na sua carreira cristã, mas de forma muito substancial pelos lugares por que passou como: nas regiões da Arábia, em Damasco, em Jerusalém, na Cilicia e agora em Antioquia da Síria ao lado de Barnabé. Deus foi lhe preparando ao longo de sua vida e não de uma vez, mas depois chegara a hora de ser lançado como uma flecha polida no coração dos gentios pela Palavra de Deus. Todavia, deve-se lembrar de que sempre haverá novas situações na obra de Deus, em que as nossas experiências são insuficientes. Quando isso acontece, é porque Deus quer que seja usada fé e não nossos conhecimentos anteriores. Paulo possuía uma vantagem que jamais deve ser ignorada, a presença e a revelação divina.

1.3. Um servo submisso
Nem Barnabé, nem Paulo fizeram qualquer questionamento sobre ir mundo afora ao longo do Império Romano. Em verdade, Deus já vinha trabalhando desde antes, falando, confirmando e provendo experiências para o momento devido que havia chegado ali em Antioquia. Paulo aprendeu ouvir a voz do Senhor desde o caminho de Damasco em diante. Com esse ouvir, ele atendia prontamente como um servo. Tanto para trabalhar, quanto para não trabalhar (At 16.6,7); tanto para fugir de uma cidade que ficara para dar testemunho, quanto para suportar as pressões de uma perseguição por amor aos escolhidos (At 18.9,1022.17,18). Aqui reside um grande segredo, quando se aprende a atender a voz do Senhor prontamente, ele vai falando mais e mais conosco.
At 16.6,7 – Paulo e seus companheiros viajaram pela região da Frígia e da Galácia, tendo sido impedidos pelo Espírito Santo de pregar a palavra na província da Ásia.
Quando chegaram à fronteira da Mísia, tentaram entrar na Bitínia, mas o Espírito de Jesus os impediu.
Depois de visitar as igrejas que havia fundado, Paulo tentou desbravar novos territórios para o Senhor viajando rumo ao Oriente, para a Ásia Menor, à Bitínia, mas o Senhor fechou a porta. Não sabemos de que maneira Deus revelou sua vontade sobre essa questão, mas podemos imaginar que Paulo ficou decepcionado e, talvez, um tanto desanimado. Tudo corria tão bem em sua segunda viagem e essas portas fechadas devem tê-lo pego de surpresa. Contudo, é reconfortante ver que mesmo os apóstolos não sabiam sempre com toda clareza qual era a vontade de Deus para seu ministério! Deus já havia planejado que a mensagem chegaria a esses lugares em outra ocasião (At 18:19 - 19:41; ver 1 Pe 1:1).
Em sua graça soberana, Deus conduziu Paulo ao Ocidente, em direção à Europa, não para o Oriente, em direção à Ásia. Em Trôade, Paulo teve uma visão na qual um homem o chamou para ir à Macedônia. "Nada fortalece mais um homem do que um pedido de socorro", escreveu George MacDonald, e, mais que depressa, Paulo atendeu ao pedido da visão.
At 18.9,10 - Certa noite o Senhor falou a Paulo em visão: “Não tenha medo, continue falando e não fique calado, pois estou com você, e ninguém vai lhe fazer mal ou feri-lo, porque tenho muita gente nesta cidade”.
A conversão de Crispo, um importante líder judeu, criou mais oportunidades e causou mais oposição do inimigo! Por certo, a comunidade judaica em Corinto ficou furiosa com o sucesso de Paulo e fez todo o possível para calá-lo e se livrar dele. Lucas não dá detalhes, mas tenho a impressão de que entre Atos 18:8 e 9, a situação tornou-se particularmente perigosa e difícil. Talvez Paulo estivesse pensando em deixar a cidade, quando o Senhor dirigiu-se a ele e lhe deu a segurança de que precisava.
É típico do Senhor nos falar quando estamos mais necessitados. Ele nos diz com ternura: "Não temas!" e, quaisquer que sejam as circunstâncias, suas palavras acalmam a tempestade em nosso coração. Foi assim que deu segurança a Abraão (Gn 15:1), Isaque (Gn 26:24) e Jacó (Gn 46:3), bem como a Josafá (2 Cr 20:15-17), Daniel (Dn 10:12,19), Maria (Lc 1:30) e Pedro (Lc 5:10). Algumas passagens bastante apropriadas sobre as quais meditamos quando nos sentimos sozinhos e derrotados são Hebreus 13:5 e Isaías 41:10 e 43:1-7, e, depois de refletir sobre essas palavras, podemos nos apropriar, pela fé, da presença de Deus. Ele está conosco!
Um famoso pregador inglês G. Campbell Morgan costumava ler a Bíblia todas as semanas para duas senhoras de idade. Uma noite, quanto terminou de ler as últimas palavras de Mateus 28, Morgan disse às duas senhoras:
- Que promessa maravilhosa!
- Meu jovem - uma delas respondeu isso não é uma promessa, é uma certeza!
Jesus já havia aparecido a Paulo na estrada para Damasco (At 9:1-6; 26:12-18) e também lhe apareceria no templo (At 22:17, 18). Paulo seria encorajado novamente pelo Senhor quando estivesse preso em Jerusalém (At 23:11) e, posteriormente, em Roma (2 Tm 4:16, 17). O anjo do Senhor também apareceria a Paulo, em meio à tempestade, para garantir a segurança dos passageiros e da tripulação (At 27:23-25). Um dos nomes de Jesus é "Emanuel - Deus conosco" (Mt 1:23), e ele faz jus a esse nome.
Paulo foi encorajado não apenas pela presença do Senhor, mas também por suas promessas. Jesus garantiu a seu apóstolo que ninguém lhe faria mal e que ele conduziria muitos pecadores ao Salvador. A declaração: "Tenho muito povo nesta cidade" deixa implícita a doutrina da eleição divina, pois "o Senhor conhece os que lhe pertencem" (2 Tm 2:19). A Igreja de Deus é constituída de pessoas "[escolhidas] nele antes da fundação do mundo" (Ef 1:4; ver também At 13:48).
Atos 22.17,18  - “Quando voltei a Jerusalém, estando eu a orar no templo, caí em êxtase e vi o Senhor que me dizia: ‘Depressa! Saia de Jerusalém imediatamente, pois não aceitarão seu testemunho a meu respeito’.

2. Um soldado valoroso
Quando Barnabé e Paulo saíram de Antioquia sob as ordens do Senhor levaram como cooperador a João Marcos, com a finalidade de ele instruir sobre os rudimentos da fé aos novos convertidos e batizá-los, enquanto os missionários se dedicariam mais a pregar aos ainda não convertidos.

2.1. Um servo Sofredor
Depois de Chipre, terra natal de Barnabé, Paulo assumiu a liderança da missão. Evidentemente, que Paulo foi sempre o que assumiu mais riscos em prol do Evangelho, por causa do seu jeito mais ousado de falar. Em Antioquia da Psídia, por causa da multidão que creu, Paulo foi banido da cidade (At 13.50); em Icônio, eles fugiram a tempo para não serem apedrejados (At 14.6); em Listra, Paulo curou a um coxo de nascença, sendo apedrejado depois pelos judeus de Antioquia e Icônio, e jogado no lixão da cidade (At 14.19). O próprio Paulo ensinava que, “por muitas tribulações nos importa entrar no Reino de Deus” (At 14.22). Os sofrimentos e humilhações foram incontáveis ao longo do seu ministério apostólico entre os gentios. Por isso disse a Timóteo: “Sofre, pois, comigo, as aflições, como bom soldado de Jesus Cristo”.

2.2. Um missionário estrategista
O que traz vitória na guerra é uma boa estratégia, e Paulo era um ótimo estrategista na evangelização. Ele sempre priorizava os judeus, pois estavam organizados nas cidades e tinham a sua sinagoga. Ali eles já desenvolviam um trabalho de proselitismo ao derredor, entre os gentios, o que facilitava muito para o trabalho de Paulo, por isso, como fariseu que era, ia aos sábados nas sinagogas e pregava a todos os que estivessem lá.

2.3.  Um líder adaptável
Paulo era flexível em seu método de abordagem, para os judeus ele falava como sendo judeu, ele usava a Lei, com os Profetas lhes relembrando às promessas de um Messias sofredor, etc. Mas para com os gentios, ele falava como se fosse gentio, de maneira que falava positivamente do Criador de todas as coisas e que enviara seu Filho, como fez em Listra. Como ele mesmo escreveu: Fiz-me de escravo, de judeu, de fraco, enfim, “Fiz-me tudo para todos, para por todos os meios chegar a salvar alguns” (ICo 9.22b). Paulo, em seus dias, enfrentava uma diversidade cultural muito grande, porém a mensagem do evangelho não é privilégio de alguns, e sim, para todos os povos. Assim, quando abordava as pessoas, ele procurava um ponto de contato social ou cultural que o identificasse com seus ouvintes e eliminasse as barreiras piscológicas para aplicar o evangelho com eficácia. Logo, fica claro, que ele não chegava impondo a sua cultura ou desrespeitando as outras crenças, mas anunciava, com muito tato, a salvação em Jesus Cristo.
I Coríntios 9.22 - Para com os fracos tornei-me fraco, para ganhar os fracos. Tornei-me tudo para com todos, para de alguma forma salvar alguns.
Uma dificuldade especial das igrejas eram os “fracos”. De fato oneravam qualquer vida eclesial. Será que realmente deviam ser conquistados e introduzidos na igreja?  Não seria mais compensador empenhar-se apenas pelas pessoas fortes e capazes? Por isto, os “fortes” e os “livres” não estavam dispostos a empenhar -se seriamente por esses fracos. Pudemos ver isto no capítulo 8 desta carta. Paulo sempre lutou para que também os fracos tivessem seu local pleno na igreja (1Ts 5.14; Rm 14.1; 15.1). Tentou ganhar também a eles, tornando-se por isso “um fraco para com os fracos”. Não destacou a sua força, sobrecarregando os fracos, mas compreendeu-os e respeitou-os em sua fraqueza.
Em seguida Paulo resume tudo numa frase que exprime, de modo inesquecivelmente conciso, uma regra básica de toda a evangelização: “Fiz-me tudo para com todos, com o fim de, por todos os modos, salvar alguns.” O evangelista não exige, mas serve. Por isso busca o outro no lugar em que este verdadeiramente se encontra. Aquilo que o Filho de Deus realizou em grandes proporções ao se tornar humano, seu emissário agora realiza diante de todas as diferentes pessoas às quais chega. Não os interpreta intelectualmente a partir de uma altura superior, mas ele “se faz tudo para eles”; chega até eles de fato em seu ambiente de vida e vive com eles, assim como o santo Filho de Deus partilhou conosco todo o destino humano até no sofrimento e na morte. Em Paulo isso se tornou singularmente evidente quando ele, o israelita circuncidado e ex-fariseu, partilhou integralmente a vida “sem lei” das pessoas das outras nações. Seu objetivo é ganhar.
Para Paulo “ganhar” é essencialmente “salvar”. Por isso Paulo considera todas as pessoas como “perdidas” que precisam ser salvas pela palavra da cruz. E diante desse alvo extraordinariamente grande e necessário acontece essa entrega ao ministério em sua vida. Paulo é muito sóbrio nesta questão. Ele não pensa que nessa dedicação aos outros tenha encontrado o método seguro para alcançar a “todos” e salvar a todos. Porém, com a penosa seriedade de suas múltiplas experiências, ele escreve: “com o fim de, por todos os modos, salvar alguns”. Também nesse ponto temos de aprender dele. Constantemente procuramos métodos eficazes e facilmente medimos nosso trabalho pelos grandes números que atingimos. Quantas pessoas, porém, realmente “salvamos”, isso é outra questão. Poderemos ficar cheios de gratidão se forem os mesmos “alguns” de que fala uma pessoa como Paulo.
Os métodos de Deus continuam os mesmos no que tange a obra missionária, eles são homens chamados por Ele, cheios do Espírito Santo, verdadeiros soldados valorosos. Ele está interessado em pessoas dispostas a agradarem-lhe, soldados que lutem comprometidos com a vitória de seu Reino. É bem verdade que há alguns que entram numa guerra com intenções dolosas, inclusive de se enriquecerem com os espólios. Esse é. o mesmo sentimento de Acã que pensou em tirar vantagens para si, ignorando todo um contexto de vidas que se perderam por causa da sua ganância e loucura (Js 7.21).

3. Um homem resignado
A carreira de um homem é determinada pelo constante preparo, e pela dedicação integral no exercício da sua escolha. Nos antigos jogos gregos de Olímpia, que inspirou a moderna olimpíada, era declarada uma trégua entre as cidades que se rivalizavam para que os atletas chegassem com segurança, tais homens representavam a sua cidade de origem, e, no retorno, eram celebrados como heróis por elas quando campeões. Paulo era, portanto, um homem tal qual um atleta do Reino de Deus que tinha em mente alcançar uma coroa que não se deteriora.

3.1. O objetivo de Paulo (1Co 9.26a)
Paulo, como atleta-missionário, tinha uma marca a atingir, isso significa dedicação integral, ele não podia se distrair com outra coisa que o afastasse de seu alvo. A sua dedicação era tão intensa que não admitia desistências como no caso de João Marcos, que diante de Perge na Panfília os deixou. Se bem que lá era um lugar montanhoso, arriscado e infestado de ladrões. Contudo, para Paulo, tratava-se apenas de um obstáculo a ser vencido a fim de chegar ao seu destino, ele tinha uma marca a atingir; depois de apedrejado em Listra, e ali dado como morto, Paulo escapou, mas em seguida levanta-se e entra na cidade novamente. Tentamos entender o que havia na mente de Paulo, para que mesmo tomando uma surra de varas em praça pública e sendo injustamente preso, ainda assim insistia em permanecer em Filipos (At 16.37-39). Posteriormente, Paulo mesmo dá uma resposta: “Prossigo para o alvo, pelo prêmio da soberana vocação de Deus em Cristo Jesus” (Fp 3.14).
Essa renúncia obviamente não é brincadeira. Paulo mostra isso em sua própria vida. “Portanto corro, não como indeciso;”. A palavra que Paulo utiliza na realidade significa “de maneira imprecisa”. Não corre de forma a não conseguir reconhecer para onde, afinal, se dirige sua corrida.

3.2. Assim combato, não como batendo no ar (1Co 9.26b)
Os desafios de um missionário são grandiosos, existe um combate pelo estabelecimento do Reino de Deus e bem sabemos que Satanás de alguma forma contra-atacará. À medida que um obreiro vai tendo êxito, ele tentará distrair o servo de Deus consigo mesmo, fazendo-o achar-se mais santo, um escolhido de Deus, e um anjo do céu na terra. Paulo não admitia perda de tempo, pois o elemento com que trabalha é eterno. Assim, quando ele achava que tinha terminado o seu testemunho em determinado lugar, mudava-se para outro, pois a vida é curta, o tempo passa, e aquela geração se não for evangelizada, perder-se-á. Ao mirar para as santas Escrituras, elas são confrontadas com o elevado padrão dos primórdios evangelizadores.
Não se parece com um boxeador que “golpeia o ar” a esmo. Tudo em seu corpo está concentrado e direcionado para o alvo. Nos coríntios ele constatava aquela ambivalência e duplicidade que também hoje deteriora o ser cristão. O olhar dirige-se a dois alvos ao mesmo tempo. Sem dúvida não se deseja perder a eternidade, mas o desejo e o empenho valem sobre tudo também para a prosperidade terrena. No entanto, a corrida daquele que corre ao mesmo tempo para dois alvos torna-se necessariamente “imprecisa” e “incerta”.
Não dá mais para constatar para onde o cristão está correndo, afinal. Em sua luta ele já não golpeia com seriedade, não vê mais o inimigo que quer acabar com sua vida; por isso o cristão talvez ainda lute, mas com muita frequência “como alguém que golpeia o ar”.

3.3. Para alcançar uma coroa incorruptível (1Co 9.25)
Numa olimpíada, o descumprimento das regras implicava penalidades e até na eliminação da competição como acontece em nossos dias. Por outro lado, qualquer prêmio que não represente uma participação legítima não tem valor. No Reino de Deus, a desclassificação é muito real, só que, às vezes, o atleta (crente) nem percebe que foi eliminado. O sofrimento e a ingratidão no trabalho ministerial pode tornar um coração muito ressentido, insensível e, é assim que muitos, na verdade, estão fazendo a obra de Deus. Imaginando que tem a aceitação dele, quando, na verdade, estão desclassificados há tempos, e tudo, quanto fizerem, não terá louvor algum diante de Deus. Noutras palavras, significa que a coroa incorruptível, de justiça, imarcescível jamais será alcançada por um desclassificado. Para evitar a desclassificação, o obreiro esmurra o próprio corpo e o reduz à escravidão, para que ao evangelizar a outros não seja desqualificado (ICo 9.27). É desse homem que estamos falando. Paulo assim o fez.
Agrega-se a isso um segundo elemento que os coríntios igualmente conhecem da atividade esportiva: “Todo aquele que luta, em tudo se domina.”. O atleta evita determinadas coisas durante o treinamento, não porque fossem “ruins” ou “proibidas” em si. Sua abstinência tampouco é um fim em si mesmo nem tem valor em si. Serve apenas ao grande alvo de alcançar o prêmio da vitória, e simplesmente é
parte objetiva dele, quando se visa obter a coroa almejada. Obviamente no esporte trata-se apenas de uma “coroa perecível”. Diante dos cristãos está a “coroa imperecível” da vida eterna. Então o cristão pode e precisa evitar decididamente tudo o que poderia atrapalhá-lo na corrida para esse alvo. Não está em questão se algo é “pecaminoso” ou talvez, ainda assim, “permitido” ou até muito bom e valioso. A abstinência em si tampouco é algo “superior” e “mais valioso”. Não estão em jogo quaisquer leis ou proibições. A acusação do legalismo aqui erraria completamente o alvo. O que está em jogo é unicamente o alvo eterno e a necessária e deliberada renúncia a tudo o que me poderia me privar desse alvo extraordinário.
Por essa razão Paulo também se restringe à declaração bem genérica: “comedido em todos os aspectos”. O que ameaça deter e travar cada cristão em sua carreira pode ser muito diversificado. O que não prejudica em nada a esta pessoa pode vir a ser um sério perigo para outra. Nessa questão não há regras gerais. Contudo cada cristão precisa prestar atenção com profunda seriedade e decidida clareza àquilo que tenta impedir que justamente ele chegue ao alvo. É isso que ele terá de deixar de lado, por mais “inofensivo” ou “precioso” que possa ser.
Bem poderíamos falar sobre as viagens missionárias de Paulo, dos lugares por que passou e das aventuras descritas por Lucas, mas, como missionário, preferimos escrever acerca da sua pessoa e postura. O seu legado a nós deixado foi, sobretudo, o exemplo marcante do seu ser que impregnou de Cristo o mundo, como ele mesmo chegou a dizer: “somos o bom cheiro de Cristo”. Tal odor não perdeu seu vigor. Pois ainda perfuma, influencia, e transforma vidas.

Conclusão
Ele foi um vaso escolhido para levar o nome de Cristo, um soldado valoroso, um estrategista do Reino, um fazedor de tendas, um plantador de igrejas, um homem que trouxe, no corpo, as marcas de Cristo. O que fez a diferença na vida de Paulo foi o preparo constante e a dedicação intensa. Os mesmos princípios que, se levados a efeito, trarão impacto também ao nosso trabalho.    .

QUESTIONÁRIO

1. O que o Espírito Santo ordenou na igreja de Antioquia?
R. Que Barnabé e Paulo fossem separados para obra previamente determinada pelo conselho divino.
2. Cite as regiões por que Paulo passou antes de fazer a obra missionária com Barnabé:
R. Regiões da Arábia, Damasco, Jerusalém e em Tarso da Cilicia.
3. Quem foi o cooperador de Barnabé e Paulo na primeira viagem missionária?
R. João Marcos.
4 Por que João Marcos abandonou a missão diante de Perge na Panfília?
R. Abandonou temendo os desafios.
5. Paulo ensina que por muitas tribulações, o que importa é?
R. Entrar no reino de Deus.

REFERÊCIAS BIBLIOGRÁFICAS:

Editora Betel 4º Trimestre de 2012, ano 22 nº 85 – Jovens e Adultos – Apóstolo Paulo.
Comentário Bíblico Expositivo – Warrem W. Wiersbe
O Novo Testamento Interpretado Versículo Por Versículo - Russell Norman Champlin
O Antigo Testamento Interpretado Versículo Por Versículo - Russell Norman Champlin
Comentário Esperança - Novo Testamento 
Comentário Bíblico Matthew Henry - Novo Testamento
Comentário Bíblico - F. B. Meyer
Bíblia – THOMPSON (Digital)
Bíblia de Estudo Pentecostal – BEP (Digital)
Dicionário Teológico – Edição revista e ampliada e um Suplemento Biográfico dos Grandes Teólogos e Pensadores – CPAD - Claudionor Corrêa de Andrade

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Online