Lição 2 - Espiritismo, umas das seitas que mais crescem no Brasil


LIÇÃO 2 – 12 de janeiro de 2014 – Editora BETEL

Espiritismo, umas das seitas que mais crescem no Brasil

TEXTO AUREO

"Quando vos disserem: Consultai os que têm espíritos familiares e os feiticeiros, que chilreiam e murmuram, respondei: Acaso não consultará um povo a seu Deus? Acaso a favor dos vivos consultará os mortos?" Is 8.19

Comentarista: Pastor Joabes Rodrigues do Rosário

VERDADE APLICADA

A Bíblia condena toda e qualquer prática que envolva a comunica­ção com os mortos.

OBJETIVOS DA LIÇÃO

Apresentar a origem e história do Espiritismo;
Explanar as principais divisões do Espiritismo;
Mostrar a diferença entre a heresia Espírita e a verdade das Escrituras Sagradas.

TEXTOS DE REFERÊNCIA

Dt 18.10 - Não se achará no meio de ti quem faça passar pelo fogo o seu filho ou a sua filha, nem adivi­nhador, nem prognosticador, nem agoureiro, nem feiticeiro,
Dt 18.11 - nem encantador, nem quem consulte um espírito adivi­nhador, nem mágico, nem quem consulte os mortos;
Dt 18.12 - pois, todo aquele que faz estas coisas é abominável ao Senhor, e é por causa destas abominações que o Senhor teu Deus os lança fora de diante de ti.
Dt 18.14 - Porque estas nações, que hás de possuir, ouvem os prog-nosticadores e os adivinhadores; porém, quanto a ti, o Senhor teu Deus não te permitiu tal coisa.

Ninguém pensaria que tivesse havido tanta necessidade, como parece haver aqui, de armar o povo de Israel contra a infecção dos costumes idólatras dos cananeus. Seria possível que um povo tão abençoado com instituições divinas aceitasse as invenções brutas e bárbaras dos homens e demônios? Estariam eles em perigo de tornar seus tutores e instrutores na religião àqueles a quem Deus tinha feito seus cativos e pagadores de tributos?
Parece que eles corriam este risco, e, por isto, depois de muitas advertências semelhantes, aqui eles são instruídos a não imitar as abominações destas nações,
v. 9. Alguns detalhes são especificados. Como: 1. A consagração de seus filhos a Moloque, um ídolo que representava o sol, fazendo-os passar pelo fogo, e às vezes consumindo-os, como sacrifícios, no fogo, v. 10. Já vimos esta lei, anteriormente, Levítico 18.21. 2. O uso de artes de adivinhação para obter o conhecimento desnecessário de coisas futuras, encantamentos, feitiçarias etc., pelos quais o poder e o conhecimento peculiares a Deus eram atribuídos ao diabo, para grande vergonha tanto dos conselhos de Deus como da sua providência, w . 10,11.
É de admirar que tais artes e obras das trevas, tão sem sentido e absurdas, tão ímpias e profanas, pudessem ser encontradas em uma nação onde a revelação divina brilhava tão claramente; ainda assim, encontramos resíduos destas artes até mesmo onde a santa religião de Cristo é conhecida e professada. Tais são os poderes e a política dos governantes das trevas neste mundo. Mas deixemos que aqueles que dão atenção aos prognosticadores, ou que procuram mágicos para a descoberta das coisas secretas, que usam encantos para a cura de doenças, que estão em alguma aliança ou que tenham alguma familiaridade com espíritos malignos, ou que fazem acordos com aqueles que estão em tal condição - saibam que não podem ter nenhuma comunhão com Deus enquanto tiverem tal comunhão com os demônios. E surpreendente pensar que possa haver impostores deste tipo na terra em que vivemos, agindo sob a luz do dia.
São apresentadas algumas razões contra a aceitação dos costumes dos gentios. 1. Porque isto os tornaria abomináveis a Deus. Aqueles que fazem as coisas que são abomináveis ao Senhor também se tornam abomináveis. É a criatura que se torna odiosa ao seu Criador pode ser considerada miserável, v. 12. Veja a malignidade e a perversidade do pecado; aquilo que faz com que o Deus de misericórdia deteste a criação das suas próprias mãos deve ser, necessariamente, uma coisa muito má. 2. Porque estas práticas abomináveis tinham sido a ruína dos cananeus, uma ruína da qual eles não tinham sido somente as testemunhas, mas também os instrumentos. Seria a tolice mais inescusável, assim como a impiedade mais imperdoável, que eles praticassem aquelas mesmas coisas pelas quais tinham sido empregados para castigar tão severamente a outros. A terra vomitou as abominações dos cananeus, e Israel lamberá o vômito? 3. Porque eles tinham sido mais bem ensinados, w. 13,14. Este é um argumento como o do apóstolo aos cristãos, para que não andassem como os gentios andavam (Ef 4.17,18,20): “Vós não aprendestes assim a Cristo”. É verdade que estas nações, a quem Deus entregou à luxúria de seus próprios corações, e permitiu que andassem em seus próprios caminhos (At 14.16), assim se corromperam. Mas vocês não estão assim abandonados pela graça de Deus: o Senhor, teu Deus não permitiu tal coisa. Vocês são instruídos em coisas divinas, e receberam justas advertências sobre o mal destas práticas. E, portanto, não importando o que os outros fizerem, “perfeito serás, como o Senhor, teu Deus”, isto é, espera-se que você dê as honras divinas a Ele, e somente a Ele, e não a outro, e não mescle nenhum dos costumes supersticiosos dos pagãos com as suas instituições. Um dos parafrastas caldeus aqui observa que Deus lhes dá o oráculo de Urim e Tumim, como uma defesa contra todas as artes ilícitas de adivinhação. Eram realmente tolos aqueles que iam consultar o pai da mentira, quando tinham uma maneira tão imediata de consultar o Deus da verdade.
Fonte: Comentário Matthew Henry

Introdução
O Espiritismo é, sem dúvida, uma das heresias que mais crescem. Os seus defensores citam textos da Bíblia Sagrada argumentando que ela é um dos maiores repo­sitórios de fatos espíri­tas de toda bibliografia religiosa, e que o Espi­ritismo é uma religião cristã. Porém esta lição mostrará que eles fazem interpretações equivo­cadas da Bíblia, e que o Espiritismo não tem nada de Cristão.

OBJETIVO
Apresentar a origem e história do Espiritismo;

1. História do Espiritismo
Para alguns teólogos, o epi­sódio registrado em Géneses capítulo três, que relata a queda do homem, foi a primeira sessão espírita acontecida no mundo, momento em que a serpente se prestou ao trabalho de médium e Satanás de guia. Mas há registros de práticas espíritas em várias civilizações antigas. Porém o Espi­ritismo, como "doutrina organiza­da", teve seu início no século XIX.

1.1. O Espiritismo Mo­derno
Os espíritas afirmam que, durante o século XIX, houve uma grande leva de manifestações mediúnicas nos Estados Unidos e na Europa. Tais manifestações consistiam, em sua maioria, em sons estranhos, pancadas e objetos que se moviam ou levitavam sem nenhuma causa aparente. Entre tais acontecimentos, o que mais ganhou notoriedade foi o caso das Irmãs Fox, na América do Norte. As irmãs Margaret e Kate Fox diziam ter visto as mesas girando e ouvido panca­das na casa em que moravam. E quando elas faziam perguntas recebiam respostas, mediante estalos de dedos. Elas afirmaram que tiveram a sensação de estar-se comunicando com o mundo invisível dos mortos.

1.2. O Espiritismo como Doutrina
O Espiritismo, como doutrina, baseia-se, em grande parte, na obra de Léon Hippolyte Dénizart Rivail, que em 30 de abril de 1856, assumiu o pseudónimo de "Allan Kardec", por acreditar ser ele uma reencarnação de um poe­ta Celta com este nome. Publicou em 1857 o "Livro dos Espíritos" - através dessa obra, Allan Kar­dec introduziu, no Espiritismo, a ideia da reencarnação. Em 1864 publicou o "Evangelho Segundo o Espiritismo". Este livro compõe-se de vinte e oito capítulos, sendo vinte e sete deles dedica­dos- segundo o Espiritismo "a explicação dos ensinos de Jesus".

1.3. O Espiritismo no Brasil
O Brasil é considerado o maior país espírita do mundo. Em 1865, Luís Olímpio Teles de Menezes fundou, em Salvador-BA, o pri­meiro centro espírita. Em 1873, foi fundada, no Rio de Janeiro, uma sociedade espírita, da qual surgiram outros grupos. Dez anos depois, começaram a publicar a re­vista "O Reformador", que, ainda hoje, é o órgão oficial dos espíritas brasileiros. Dentre os principais médiuns brasileiros, destaca-se Francisco Cândido Xavier, autor de diversas obras psicografadas. Além dele, ganhou notoriedade José Pedro de Freitas, mais conhe­cido pelo apelido de "Zé Arigó", que efetivava supostas curas e ci­rurgias mediúnicas, segundo ele, pela incorporação do espírito do médico alemão conhecido como Dr. Fritiz. Outro grande divulgador da Doutrina Espírita no Brasil é Divaldo Pereira Franco, que, após a morte do brasileiro Chico Xavier, tornou-se a figura mais representativa do Espiritismo em todo o mundo.

OBJETIVO
Explanar as principais divisões do Espiritismo;

2. Principais divisões do espiritismo
1) Espiritismo comum (quiro­mancia, cartomancia, hidromancia); 2) Baixo Espiritismo (vodu, candomblé, umbanda, macumba, quimbanda); 3) Espiritismo Cien­tífico ou Alto Espiritismo (esote­rismo, teosofismo); 4) Espiritismo Kardecista. Dentre essas divisões, destacam-se:

2.1. Espiritismo Karde­cista
O Espiritismo Kardecista pre­tende ser a terceira revelação de Deus à humanidade. A primeira revelação, segundo os espíritas, teria vindo através de Moisés; a segunda, através de Jesus e a terceira através do Espiritis­mo pela instrumentalidade de Allan Kardec. Ou seja, eles têm a pretensão de igualar a figura de Allan Kardec e seus ensinos à pessoa de Jesus Cristo e sua obra. Definem Jesus apenas como um médium excepcional, como foi também segundo eles, Allan Kardec.
Quando o Espiritismo Kar­decista chegou ao Brasil, encon­trou terreno fértil. O sincretismo oriundo da mistura entre euro­peus, índios e africanos acabou impulsionando o movimento espírita. Quem já havia visto um pai-de-santo incorporado (ritual típico da macumba), não tinha muita dificuldade para crer no trabalho de um médium. Por isso, o Espiritismo Kardecista não teve dificuldades para fazer prosélitos. Atualmente, segundo o IBGE, 2,4 milhões de brasileiros se declaram espíritas, outros, cer­ca de 30 milhões - de acordo com estimativas da Federação Espí­rita Brasileira - simpatizam com as ideias da Doutrina Espírita. E estes simpatizantes cada vez mais estão misturando correntes de pensamentos orientais (ioga e tai-chi-chuan, terapias energé­ticas ou a força do pensamento positivo), em seus rituais.

2.2. Espiritismo Cientí­fico
O Espiritismo Científico é conhecido também como: Alto Espiritismo; Espiritismo Ortodoxo e Espiritismo Profissional. Refere-se a grupos espíritas que negam o Espiritismo como religião. Intitulam-se filosóficos, científicos, beneficentes, movimentos e orga­nizações místicas e esotéricas. Um exemplo de Espiritismo Científico bem conhecido no Brasil é a LBV - Legião da Boa Vontade.

2.3. LBV - Legião da Boa Vontade
Fundada por Alziro Zarur, que, aos 12 anos de idade, diz ter recebido uma revelação de Jesus, dando-lhe a missão de esclarecer e pregar o Novo Testamento. Em 1950 a LBV é organizada oficial­mente. Após a morte de Zarur, o seu secretário, José Simões de Paiva Neto, assume a presidência da LBV As doutrinas da LBV e as obras assistenciais da LBV conquistaram enorme prestígio perante a sociedade. Mas, por trás desta aparência de carida­de, está uma doutrina herética. No livro, "Jesus a Saga de Alziro Zarur", vol.2, Zarur, reiteradas vezes, afirma ser a reencarnação de Allan Kardec. Por isso, Paiva Neto afirmou: "Zarur e Kardec são um no Cristo de Deus". Para a LBV Allan Kardec não concluiu sua obra, como também "O Es­piritismo não deu a última pala­vra", por isso, Alziro Zarur veio completá-la. É por esta crença que a LBV se intitula "A Quarta Revelação de Deus aos homens".

OBJETIVO
Mostrar a diferença entre a heresia Espírita e a verdade das Escrituras Sagradas.

3. Algumas heresias do Espiritismo
1) Possibilidade de comuni­cação com entidades espirituais desencarnadas; 2) Crença na reencarnação através da purifica­ção pelo sofrimento e pelas boas obras que praticam, até atingir a salvação; 3) Crença na pluralidade de mundos habitados, sendo a Terra, planeta de expiação; 4) O progresso pessoal depende unicamente do próprio indiví­duo, e acumula-se de encarnação em encarnação; 5) O contato com Deus é feito através de "Guias", ou espíritos que se manifestam através de "Médiuns", poden­do, assim, ajudar as pessoas; 6) Afirmam que Jesus Cristo não é Deus, e sim uma entidade muito evoluída que veio a este mundo.

3.1. Reencarnação dos mortos
A reencarnação, crença na volta da alma à vida corpórea. Essa crença afirma que João Batista era o Elias reencarna­do. Interpreta de forma errada também quando Jesus disse a Nicodemos que, para entrar no reino de Deus, era preciso nascer de novo. Para refutar estes falsos ensinos basta recorrer aos se­guintes textos: Em Lucas 1.17, o texto diz claramente "...no espíri­to e virtude de Elias...", referindo ao entusiasmo, vigor, veemência de Elias; Outro fato que eles es­quecem, é que Elias não morreu (2Rs 2.11); O próprio João Batista responde aos interrogadores, se ele era o Profeta Elias: "não sou" (Jo 1.21). Quanto ao ensino de Jesus a Nicodemos (Jo 3.3), o próprio Jesus deixa claro ao dizer que se tratava do nascer da "água e do Espírito" (Jo 3.5); ensinando para Nicodemos (e para os dias atuais), que não se tratava de "tornar a entrar no ventre" da mãe para voltar a nascer (Jo 3.4). O texto mais enfático, contra esta heresia, está em Hebreus 9.27.
Quando Jesus interroga os discípulos sobre a opinião das pessoas sobre Si mesmo, "respon­deram eles: Uns dizem que é João, o Batista; outros, Elias; e outros, Jeremias, ou algum dos profetas" (Mt 16.14). Quando os espíritas utilizam este texto para defender a reencarnação, esquecem que essa era a opinião das pessoas: "...dizem os homens..."Mt 16.13), que não conheciam a Jesus. O registro bíblico desses pareceres não significa que são verdadei­ros. Tanto que, no versículo 16, desse mesmo capítulo, a resposta de Simão Pedro é prontamente aceita por Jesus (Mt 16.16,17). Ao concordar com a definição de Simão Pedro, automaticamente Jesus estava reprovando os "pa­receres" manifestos anteriormen­te. Ou seja, não há, nesse texto, bíblico qualquer concordância ou apoio a esta doutrina.

3.2. A comunicação com os mortos
Os espíritas fazem preces em favor dos mortos e afirmam comunicar-se com eles. O que acontece nesses casos é a mani­festação dos demónios, que usam fatos e expressões de pessoas mortas, para enganar. Como ar­gumento bíblico, citam o caso do Rei Saul e a feiticeira de Endor. Estão mais uma vez equivocados, pois, quando o Rei Saul pergun­tou à feiticeira o que ela estava vendo, ela respondeu: "Vem su­bindo um ancião" (ISm 28.14), é Saul quem chega a uma con­clusão: "Entendendo Saul que era Samuel"(lSm 28.14).Daí, tudo que foi proferido pelo "an­cião" foi atribuído, conforme o entendimento de Saul, como se fosse o Profeta Samuel. A prova disso é que as profecias dadas pelo dito ancião (ISm 28.19) não cumpriram. Saul não morreu no dia seguinte, morreu vários dias depois (ISm 30.1); nem todos os filhos de Saul morreram, apenas três (ISm 31.2), Isbosete, Armoni e Mefibosete sobreviveram (2Sm 2.8-10; 21.8); Saul não foi entregue aos filisteus, cometeu suicídio (lSm 31.4). A Bíblia condena veemente a tentativa de comunicação com os mortos (Dt 18.11; Is 8.19).
A Bíblia afirma que Saul con­sultou a "feiticeira" e não a Sa­muel nem ao Senhor (lCr 10.13, 14; Os. 4.12). Por conseguinte a entidade que dialogou com a feiticeira era um espírito de­moníaco disfarçado de Samuel, como acontece nas sessões espí­ritas ainda hoje. Deus não res­pondeu a Saul nem por sonhos, nem por urim e nem por profeta (ISm 28.6). Saul não obedeceu à ordem Divina, e as Escrituras são claras ao afirmar que qualquer pessoa envolvida com feitiçaria deveria ser morta. A Bíblia diz em Levítico 20.27 "O homem ou mulher que consultar os mortos ou for feiticeiro, certamente será morto. Serão apedrejados, e o seu sangue será sobre eles."

3.3. A Salvação
Os espíritas pregam que a salvação vem pela prática de boas obras e por meio de sucessi­vas reencarnações, que servem para aprimorar as qualidades da alma. Paulo refuta essa heresia ao escrever aos efésios, esclarecendo que a salvação não é uma conquista ou um mérito humano: "porque pela graça sois salvos... não vem de vós... não vem das obras... é dom de Deus" (Ef 2.8,9; lPd 1.19).

Conclusão
Como se vê, não é acei­tável a pretensão de o Espiritismo em ser uma organização cristã. O Espi­ritismo segue os conteúdos que julgam haver recebi­do dos espíritos, através da mediunidade, invoca espíritos desencarnados, acreditam na reencarna­ção, na lei do carma, além de negar a Divindade de Jesus, rebaixando-o a posi­ção de um médium apenas.

QUESTIONÁRIO

1. Segundo alguns teólogos, onde aconteceu a primeira sessão es­pírita?
R. No Jardim do Eden.
2. Onde está o maior reduto espí­rita no Mundo?
R. No Brasil.
3. Qual o significado da expressão bíblica: "no espírito e virtude de Elias"?
R. Significa o entusiasmo, vigor, veemência de Elias.
4. Segundo as Sagradas Escritu­ras, quantas vezes está ordenado ao homem morrer?
R. Aos homens está ordenado mor­rerem uma só vez.
5. Para o Apóstolo Paulo, a salva­ção é um mérito do homem?
R. Não, é dom de Deus.

REFERÊCIAS BIBLIOGRÁFICAS:


Editora Betel 1º Trimestre de 2014, ano 24 nº 90 – Jovens e Adultos - “Dominical” Professor – RELIGIÕES, SEITAS E HERESIAS como identificar e refutar os falsos profetas e seus ensinos.

4 comentários:

  1. Excelente trabalho de divulgação do Evangelho... Tenho aprendido muito estudando as lições da EBD aqui, e tem me sido muito útil nas minhas aulas onde sou professor de EBD na minha igreja, Este site é o meu favorito sobre EBD. Que Deus continuem a abençoa-los neste maravilhoso e imenso trabalho para o Reino de Deus... Graça e Paz do Senhor Jesus
    Inácio Jose dos Santos, Presbítero da igreja ADMM de NSJC em NIquelândia-Go Ovelha do Anjo do Senhor Pr. Alvíssimo P. de Abreu

    ResponderExcluir
  2. Que Deus possa continuar abençoando todos essas pessoas que tem nos dado essas lições maravilhosas que tem nos ajudado na nossa vida espiritual em Cristo.

    ResponderExcluir

Nosso muito obrigado aos irmãos, que carinhosamente têm participado e enriquecido ainda mais o comentário das lições. No entanto, INFORMO, que este blogger não possui nenhum vínculo com a Editora Betel, o mesmo foi criado com a finalidade de auxiliar nossos professores e alunos da Escola Bíblica Dominical.
"Os comentários aqui postados são de inteira responsabilidade de seus autores, não havendo qualquer vínculo com a equipe deste blogger”
Obrigado!

Eudes L. Souza

Facebook

PARTICIPE DESTE BLOG, SEJA MEMBRO.

Google+ Followers