Pessoas que gostam deste blog

Escola Dominical - Complexo de Superioridade

Efeitos danosos do complexo de superioridade

LIÇÃO 5 – 04 de maio de 2014 – Editora BETEL

Efeitos danosos do complexo de superioridade

TEXTO AUREO

“Porque o dia do Senhor dos Exércitos será contra o soberbo e altivo e contra todo o que se exalta, para que seja abatido;” Is 2.12

Comentarista: Pr. Israel Maia

VERDADE APLICADA

A soberba é um mal que precede à queda.

OBJETIVOS DA LIÇÃO

Definir complexo de superioridade;
Mostrar as consequências desse mal;
Explicar como esse mal se apresenta na igreja.

TEXTOS DE REFERÊNCIA

Dn 3.1 - O Rei Nabucodonosor fez uma estátua de ouro, cuja altura era de sessenta côvados, e a sua largura, de seis côvados; levantou-a no campo de Dura, na província de Babilônia.
Dn 3.2 - E o rei Nabucodonosor mandou ajuntar os sátrapas, os prefeitos, os presidentes, os juízes, os tesoureiros, os conselheiros, os oficiais e todos os governadores das províncias, para que viessem
à consagração da estátua que o rei Nabucodonosor tinha levantado.
Dn 3.3 - Então, se ajuntaram os sátrapas, os prefeitos, os presidentes, os juízes, os tesoureiros, os conselheiros, os oficiais e todos os governadores das províncias, para a consagração da estátua que o rei Nabucodonosor tinha levantado, e estavam em pé diante da imagem que Nabucodonosor tinha levantado.
Dn 3.4 - E o arauto apregoava em alta voz: Ordena-se a vós, ó povos, nações e gente de todas as línguas:
Dn 3.5 - Quando ouvirdes o som da buzina, do pífaro, da harpa, da sambuca, do saltério, da gaita de foles e de toda sorte de música, vos prostrareis e adorareis a imagem de ouro que o Rei Nabucodonosor tem levantado.

Quando Daniel explicou o significado dos metais sucessivos na grande estátua, identificou Nabucodonosor com a cabeça de ouro (Dn 2:38); talvez, em parte, tenha sido isso o que motivou o rei a fazer uma imagem de ouro. Não se contentou em ser simplesmente uma cabeça de ouro; ele e seu reino seriam simbolizados por uma estátua feita inteiramente desse metal! Por certo, o orgulho fazia parte dessa ideia. Daniel havia deixado claro que nenhum império permaneceria, inclusive o do grande Nabucodonosor. Sem dúvida, todas as conquistas que realizou encheram o coração do rei de soberba, mas juntamente com elas havia o medo e a preocupação consigo mesmo e com seu vasto império. Ele queria certificar-se de que seu povo era leal a ele e de que não haveria rebeliões.
Não havia ouro suficiente em todo o império para fazer uma estátua maciça com trinta metros de altura e três metros de largura, de modo que a imagem provavelmente foi confeccionada em madeira e recoberta de ouro (Is 40:19; 41:7; Jr 10:3-9). Ainda assim, devia ser impressionante ver essa imagem dourada erguida na planície de Dura, um campo que ficava talvez a uns vinte quilômetros da cidade da Babilônia. ("Dura" significa simplesmente "um lugar murado", e havia vários locais com esse nome na antiga Babilônia). Nessa região, também foi feita uma fornalha onde as pessoas seriam lançadas, caso se recusassem a curvar-se diante da imagem e a reconhecer a soberania do rei Nabucodonosor. O plano de Nabucodonosor era unificar o reino por meio da religião e do medo. As opções eram prostrar-se diante da imagem e adorá-la ou ser lançado na fornalha e morrer queimado.
O rei enviou mensageiros a todas as províncias de seu império ordenando que os oficiais se reunissem para a consagração da grande estátua de ouro. São mencionados os nomes de oito oficiais específicos (Dn 3:2, 3) que representariam o povo de suas províncias. Os sátrapas (príncipes?) eram os principais administradores das províncias, enquanto os governadores eram, provavelmente, seus assistentes (ou talvez comandantes militares). Os prefeitos governavam sobre distritos menores, e os juízes eram seus conselheiros. A função dos tesoureiros era semelhante à dos tesoureiros de hoje, e os conselheiros eram peritos na lei. Os oficiais eram juízes e magistrados locais e cuidavam dos variados assuntos do governo das províncias. Todos os níveis hierárquicos possuíam representantes, e esperava-se que todos estivessem presentes.
Contudo, tratava-se de algo mais que uma assembleia política; era um culto religioso com música e tudo, sendo exigido um compromisso total da parte dos adoradores. Observe que o verbo "adorar" é usado pelo menos dez vezes neste capítulo. Nabucodonosor foi sábio ao usar música instrumental, pois esta poderia estimular as emoções do povo, tornando-o mais manipulável e conquistando sua submissão e obediência. Ao longo da história, a música e os cânticos desempenharam um papel importante para fortalecer o nacionalismo, motivando conquistas militares e inspirando o povo a agir. A música tem o poder de apossar-se de tal modo das emoções e dos pensamentos humanos que, de seres livres, as pessoas podem ser transformadas em marionetes. William Congreave, poeta inglês, escreveu que "a música tem um encantamento capaz de acalmar uma fera selvagem", mas também tem
o poder de libertar o que há de selvagem dentro da fera. A música pode ser usada como um instrumento maravilhoso do Senhor ou como uma arma destrutiva de Satanás.
Fonte: Comentário Warren W. Wiersbe

Introdução
O assunto que vamos abordar nesta lição nos mostra o quanto uma pessoa pode ser atormentada por falta de autoconhecimento. O complexo de superioridade não é, na verdade, uma patologia. Ele se apresenta em pessoas que não conseguem lidar com o seu complexo de inferioridade.

OBJETIVO
Definir complexo de superioridade;

1. O complexo de superioridade na Igreja

Na Igreja, como em qualquer outro lugar da sociedade, é possível perceber que algumas pessoas demostram sentir uma incrível necessidade de autoafirmação, apresentando-se como alguém altamente capacitado em todas as áreas. O sujeito credita ser o melhor em tudo e para todos. Esse tipo de comportamento pode ser um indicativo de que, na realidade, ele sofra do complexo de inferioridade, uma vez que esse complexo se manifesta maquiado como um complexo de superioridade.
O maior exemplo bíblico e teológico de alguém que sofreu deste terrível mal é o próprio Satanás (Is 14.13-15). Nabucodonosor é uma representação de Satanás (Dn 1.1-21).

1.1. O que é complexo de superioridade?
Segundo Gari Gustav Jung, criador da Psicologia Analítica, o complexo de superioridade, na verdade, esconde o complexo de inferioridade. Isto é, o indivíduo tem dificuldade em lidar com suas próprias limitações tais como: medo da rejeição, insegurança, baixa autoestima, entre outros. Isso leva o indivíduo a estar sempre querendo se mostrar melhor do que os outros, o que geralmente não passa de uma tentativa de compensação para um sentimento de inferioridade. A pessoa deseja que os outros reconheçam seu valor, porque ela mesma não está convencida de que valha alguma coisa. Vive em busca de elogios e aprovações que a façam se sentir importante pois não encontra esse senso de valorização dentro de si mesma. No capítulo dois do livro de Daniel, o rei Nabucodonosor demonstra sua incapacidade em conhecer os caminhos de sua psique e vê-se desesperado por não conseguir decifrar o que estava oculto em seu sonho. Sonho este que, ele mesmo já não se lembrava (Dn 2.5 Respondeu o rei e disse aos caldeus: O que foi me tem escapado; se me não fizerdes saber o sonho e a sua interpretação, sereis despedaçados, e as vossas casas serão feitas um monturo;).

A falta do autoconhecimento pode produzir diversos sintomas, bem como um comportamento, no qual a pessoa é elevada, cada vez mais, a um patamar de superioridade idealizado por ela.

1.2. A falta de autoconhecimento induz ao erro
Os caminhos da psique, na maioria das vezes, são desconhecidos (Jr 17.9 Enganoso é o coração, mais do que todas as coisas, e perverso; quem o conhecerá?), por isso, é comum vermos as pessoas tomando determinadas atitudes, sem perceberem a razão que as motivam. O complexo de superioridade funciona como um desejo de autoafirmação do próprio indivíduo, muito mais do que para os outros. A demonstração do poder de Deus, através de Daniel, na interpretação do sonho do rei Nabucodonosor, não foi o suficiente para que ele mudasse seu comportamento, e, mais uma vez, o complexo de superioridade do rei o leva a cometer novos desatinos. Ao mandar construir uma estátua de ouro, com vinte e sete metros de altura, por aproximadamente três de largura (Dn 3.1 O Rei Nabucodonosor fez uma estátua de ouro, cuja altura era de sessenta côvados, e a sua largura, de seis côvados; levantou-a no campo de Dura, na província de Babilônia.), evidencia seu desejo em tentar provar sua capacidade em fazer um deus mais poderoso do que o Deus de Daniel.
Podemos perceber através desse ato de Nabucodonosor que ele ainda apresentava os sintomas clássicos já citados como os responsáveis pelo diagnóstico daquele que sofre de complexo de superioridade, todos que incorrem nesse pecado sofrerão a mesma condenação do diabo (lTm3.6).

1.3. Sintomas mais comuns do complexo de superioridade
Aquelas pessoas que geralmente apresentam um comportamento agressivo ou de prepotência em relação aos outros, na maior parte dos casos, são diagnosticadas como portadoras dessa enfermidade da alma (Pv 21.24 Quanto ao soberbo e presumido, zombador é seu nome; trata com indignação e soberba.). Também podemos encontrar, nessas pessoas, atitudes altruístas, pois buscam provar para si próprias que são melhores do que todos por estar fazendo o bem. No entanto, quando são expostas a momentos de muita pressão e ansiedade, revelam a sua face real apresentando os sintomas do complexo de superioridade (Dn 2.12 Então, o rei muito se irou e enfureceu; e ordenou que matassem a todos os sábios de Babilônia.). Vemos Nabucodonosor, tecendo elogios a Hananias, Misael e Azarias, por suas habilidades e conhecimentos (Dn 1.20 E em toda matéria de sabedoria e de inteligência, sobre que o rei lhes fez perguntas, os achou dez vezes mais doutos do que todos os magos ou astrólogos que havia em todo o seu reino.), contudo, isso não foi levado em consideração, quando eles não se curvaram ante a sua estátua (Dn 3.15 Agora, pois, se estais prontos, quando ouvirdes o som da buzina, do pífaro, da cítara, da harpa, do saltério, da gaita de foles e de toda sorte de música, para vos prostrardes e adorardes a estátua que fiz, bom é; mas, se a não adorardes, sereis lançados, na mesma hora, dentro do forno de fogo ardente; e quem é o Deus que vos poderá livrar das minhas mãos?). A atitude de Nabucodonosor em condená-los à fornalha (Dn 3.19-20 Então, Nabucodonosor se encheu de furor, e se mudou o aspecto do seu semblante contra Sadraque, Mesaque e Abede-Nego; falou e ordenou que o forno se aquecesse sete vezes mais do que se costumava aquecer. E ordenou aos homens mais fortes que estavam no seu exército que atassem a Sadraque, Mesaque e Abede-Nego, para os lançarem no forno de fogo ardente.) revela-nos um dos sintomas do complexo de superioridade, onde a aparente bondade é a máscara que esconde o desejo de ser o melhor para que não se sinta inferior.
Normalmente, quando a verdadeira face daquele que aparentava ser dócil, delicado, agradável e bondoso se mostra; cobra com veemência o que fez em favor dos outros ou da comunidade. O termo popular “jogar na cara” ou o mais erudito “lançar em rosto” é comumente usado por este tipo de pessoa que, em muitos casos, sente-se traído por aquele a quem ajudou ou praticou algum bem, assumindo assim um comportamento vingativo. O melhor exemplo a ser observado é do bom samaritano que fez o melhor por quem não conhecia e não cobrou nada por isso (Lc 10. 30-37).

OBJETIVO
Mostrar as consequências desse mal;

2. Um mau exemplo

Sem dúvida alguma, poderíamos citar outros personagens bíblicos, que também ilustrariam bem o tema desta lição, todavia vamos nos deter em analisar a pessoa do rei Acabe. Ele era marido de Jezabel e seu enorme desejo de se sentir poderoso fez com que perseguisse os profetas do Senhor. Seu fim aconteceu tal qual como o Senhor havia dito, e os cães lamberam o seu sangue: “E, lavando-se o carro no tanque de Samaria, os cães lamberam o seu sangue (ora as prostitutas se lavavam ali), conforme a palavra que o Senhor tinha falado” (lRs 22.38).

2.1. A ânsia pelo poder
Ao suceder seu pai, o rei Onri, ao trono de Israel (IRs 16.29 E Acabe, filho de Onri, começou a reinar sobre Israel no ano trigésimo-oitavo de Asa, rei de Judá; e reinou Acabe, filho de Onri, sobre Israel em Samaria, vinte e dois anos.). Acabe toma uma atitude que desagrada, não apenas ao povo, mas também profundamente ao Senhor. Ao casar-se com Jezabel, filha do rei dos sidônios, ele deixa claro que, em seu reinado, não haveria lugar para o governo de Jeová. E um de seus primeiros atos foi construir um lugar de adoração ao deus Baal (lRs 16.31-32 E sucedeu que (como se fora coisa leve andar nos pecados de Jeroboão, filho de Nebate), ainda tomou por mulher a Jezabel, filha de Etbaal, rei dos sidônios; e foi, e serviu a Baal, e se encurvou diante dele. E levantou um altar a Baal, na casa de Baal que edificara em Samaria.), esse comportamento demonstra sua intenção em provar que era poderoso.

2.2. Um homem fraco escondido sob a falsa superioridade
Com o passar do tempo, Acabe se revela um homem fraco e omisso diante das atitudes de Jezabel, que assumiu o comando do reino e mandou matar os profetas do Senhor (lRs 18.4 porque sucedeu que, destruindo Jezabel os profetas do SENHOR, Obadias tomou cem profetas, e de cinqüenta em cinqüenta os escondeu, numa cova, e os sustentou com pão e água.)), intensificando e solidificando o culto a Baal (lRs 18.19 Agora, pois, envia, ajunta a mim todo o Israel no monte Carmelo, como também os quatrocentos e cinqüenta profetas de Baal e os quatrocentos profetas de Asera, que comem da mesa de Jezabel.). As atitudes de Acabe em tentar se mostrar um homem cada vez mais poderoso e temido pelo povo, na realidade, escondiam sua incompetência e sua insegurança em relação ao domínio que sua mulher exercia sobre ele.
Na maioria dos casos, os indivíduos que apresentam sintomas do complexo de superioridade sofreram algum tipo de pressão por parte de alguém que consideravam superior e, em consequência disso, são levados a adquirirem tais atitudes que podem causar danos irreversíveis em suas psiques.

2.3. Um forte desejo de se sentir superior
Um forte indício de que Acabe era acometido pelo complexo de superioridade, encontra-se no episódio em que ele cobiça a vinha de Nabote. Ele não admitia que alguém pudesse possuir algo de maior qualidade e de beleza, uma vez que ele era o rei. Então, revestido da autoridade que sua posição lhe conferia, ordenou a Nabote que lhe entregasse a sua vinha. Uma característica marcante do complexo de superioridade é a de que o indivíduo não respeita quaisquer instituições ou limites e pleiteia para si todos os direitos (2Ts 2.4 o qual se opõe e se levanta contra tudo o que se chama Deus ou se adora; de sorte que se assentará, como Deus, no templo de Deus, querendo parecer Deus.). No entanto, diante da recusa de Nabote, Acabe logo revelou sua baixa autoestima, externando sua fraqueza e seu abatimento por não conseguir a realização do seu desejo. Na presença de Jezabel (lRs 21.5-6 Porém, vindo a ele Jezabel, sua mulher, lhe disse: Que há, que está tão desgostoso o teu espírito, e não comes pão? E ele lhe disse: Porque falei a Nabote, o jezreelita, e lhe disse: Dá-me a tua vinha por dinheiro; ou, se te apraz, te darei outra vinha em seu lugar. Porém ele disse: Não te darei a minha vinha.), o rei revela o seu real sentimento de inferioridade, e mais uma vez, deixa-se influenciar por sua mulher para se sentir alguém superior.

OBJETIVO
Explicar como esse mal se apresenta na igreja.

3. Um velho conhecido da Igreja

A igreja do Senhor conhece bem um ser que, desde há muito tempo, tem tentado de todas as maneiras, parecer superior perante a humanidade. Estamos aqui trazendo ao nosso estudo a figura nefasta de Satanás, que, ao longo dos tempos, não tem poupado esforços para se mostrar superior em suas atitudes, levando muitos se perderem em seus planos ardilosos, inclusive utilizando sua mais poderosa arma: a mentira (Jo 8.44 Vós tendes por pai ao diabo e quereis satisfazer os desejos de vosso pai; ele foi homicida desde o princípio e não se firmou na verdade, porque não há verdade nele; quando ele profere mentira, fala do que lhe é próprio, porque é mentiroso e pai da mentira.).
Mentira e soberba são pejorativo de quem sofre do complexo de superioridade. Satanás é o pai da mentira e originador da soberba. Por isso os que incorrem neste erro será condenados como ele. (2Tm 3.6)

3.1. Uma tentativa desastrosa
Ao se reportar a Eva, no Jardim do Éden, o diabo não mediu esforços para tentar provar seu conhecimento acerca do Criador. Ele se apresentou como detentor do conhecimento e sobre a qual realmente seria a intenção de Deus em relação ao homem. Segundo Satanás, o Senhor teria interesse em manter um segredo, através do qual manipularia o homem com um fantoche em suas mãos (Gn 3.1-5).
Esse incrível desejo do inimigo, em fazer o homem pecar, indica o seu principal sentimento em relação à coroa da criação, isto é, a inveja; por sentir-se inferior. O fato de ter sido criado como anjo com a função específica de servir (Sl 91.11, Mc 1.13) colocava-o em posição inferior ao homem na hierarquia da criação, pois o homem foi criado para louvar e adorar o Criador (Sl 52.9).

3.2. O domínio exercido por Satanás
Pessoas que sofrem de complexo de superioridade se tornam alvo fácil ao domínio de Satanás, uma vez que ele próprio foi acometido desse mal. Quando os profetas o comparam ao rei da Babilônia (Is 14) e de Tiro (Ez 28), percebemos que isso está relacionado ao fato de esses reis terem exigido para si adoração como divindade, à semelhança da atitude do inimigo, o que lhes garantiu o mesmo fim, isto é, a queda.

3.3. O desejo desenfreado de querer ser adorado
Em sua frustrada intenção de tentar a Jesus após quarenta dias de jejum, o diabo expõe seu desejo em parecer poderoso e, em determinado momento do seu diálogo com o Mestre, coloca-se como dono do mundo, oferecendo algo que não lhe pertencia em troca de adoração. “E o diabo, levando-o a um alto monte, mostrou-lhe num momento de tempo todos os reinos do mundo. E disse-lhe o diabo: Dar-te-ei a ti todo este poder e a sua glória; porque a mim me foi entregue, e dou-o a quem quero” (Lc 4.5-6).

Conclusão
Outros personagens poderiam colaborar com o nosso estudo como: Golias, Saul, Ninrode, etc. Porém, mesmo que alguns desses não tenham encontrado a resposta para os seus males, sabemos que todo aquele que se encontra com Jesus, descobre que o menor no Reino dos Céus é o maior na Terra (Mt 11.11). Em Cristo encontramos todas as respostas para usufruir de uma vida abençoada, sem necessidade de parecer superior a ninguém. Sentir-se interiormente inferior, pode levar o indivíduo a compensar tal sentimento com a superioridade e isso é um indicativo de que precisa procurar ajuda terapêutica.

QUESTIONÁRIO

1. Qual a primeira atitude de Nabucodonosor na tentativa de parecer poderoso?
R. Sitiar e tomar escravos em Jerusalém (Dn 1.1-3).
2. Como demonstrava sua incapacidade em conhecer os caminhos de sua psique?
R. Ao não lembrar o que sonham (Dn 2. 5).
3. O que fez Acabe para provar que era poderoso?
R. Construiu um lugar de adoração a Baal (lRs 16. 31-32).
4. Ao se mostrar fraco e abatido na presença de Jezabel, o que revelou Acabe?
R. Revelou a sua real condição, de se sentir inferior a Nabote.
5. Qual é a mais poderosa arma de Satanás?
R. A mentira (Jo S.44).

REFERÊCIAS BIBLIOGRÁFICAS:
Editora Betel 2º Trimestre de 2014, ano 24 nº 91 – Jovens e Adultos - “Dominical” Professor – ENFERMIDADES DA ALMA Identificando os distúrbios emocionais e confrontando-os com soluções divinas e bíblicas


4 comentários:

  1. O verdadeiro sentindo de nossa existência, acima de qualquer suspeita, que a de nos levar para a se exaltar; e reconhecer acima de tudo, o Senhorio de Deus; representado em Jesus Cristo; a qual Ele mesmo diz; e nos deixou a sua vida como exemplo; aprendei de mim que som manso e humilde de coração e encontrarei descanso para a nossa alma; sendo Ele Deus; não teve usurpação se igual a Deus, antes humilhou-se a si mesmo, tomando a forma de servo; e segue-se um mandamento importante que também diz; Amarás o Senhor teu Deus e a Ele servirás e pelo seu nome jurarás; nunca e jamais poderemos ser maior que o Senhor; estamos aqui exclusivamente para assim servi-lo; para que assim possamos também falar; o que João Batista falou, venhamos diminuir para que Cristo venha a ser notado; Espere somente ser valorizados por Deus na sua vida, e não espere valores de homens, pois certamente o levará a ser superior a outrem; isto os conduzirá a queda. Texto referenciais na sequência do texto em pauta. 1.Tomai sobre vós o meu jugo, e aprendei de mim, que sou manso e humilde de coração; e encontrareis descanso para as vossas almas; Mateus 11:29. 2. Que, sendo em forma de Deus, não teve por usurpação ser igual a Deus, Mas esvaziou-se a si mesmo, tomando a forma de servo, fazendo-se semelhante aos homens; E, achado na forma de homem, humilhou-se a si mesmo, sendo obediente até à morte, e morte de cruz. Filipenses 2:6-8; 3. O Senhor teu Deus temerás e a ele servirás, e pelo seu nome jurarás; Deuteronômio 6:13. 4. É necessário que Ele cresça e que eu diminua. João 3:30.

    ResponderExcluir
  2. Boa noite , paz
    Vejo a abordagem de forma mais simples. Nabucodonosor lembra caldeu, babilônia...palco das religiões mundiais hoje, especialmente quando falamos em idolatria. Instrumento claro utilizado para que viesse juízo ao povo de Jerusalém, bem profetizado por Jeremias, não teve ele um complexo, simplesmente era e apresentava-se soberbo e esse acompanhado sempre do orgulho. Não imagino-a sem que estejam juntas, á pecado e deve ser tratada como tal.é obra da carne, e não restringe a quem ocupa cargos superiores ou de chefia. É extensivo a todos que não possuem o fruto do Espírito.Não há necessidade de especialistas frente mais um pecado.
    paz

    ResponderExcluir
  3. Ás vezes, ser reconhecido, torna-se uma necessidade. Ao contrário do carinho que nos é indispensável, a necessidade de ser reconhecido nos torna grandes para nós mesmos. O complexo de superioridade é além disso. Faz a pessoa ficar inchado em sua carnal compreensão e revoga até os principios básicos de uma convivência mútua entre pessoas. O soberbo delira. Tem sonhos maiores do que os das outras pessoas. Seus projetos são os melhores possíveis e na sua mente ele imagina que todos devem se dobrar à sua vontade.Na verdade, as pessoas estão sujeitas à isso e disso sobrevivem. A sociedade como um todo está dominada por esse complexo de superioridade. Porém, JESUS tem quebrado esse complexo. Ainda que a carne pereça. Mas a vontade de DEUS permanece( no sentido humano).

    ResponderExcluir
  4. T. MENDES
    É Vero! Soberba é pecado; Sem tratamento terapêutico; sendo só aniquilado; pela escola da vida; como foi na vida de Nabucodonosor; que precisou sofrer; Valorizando assim; Deus! É um Mal que atinge a todos, sem mesmo ter posições; Obs. Há uma diferença, em ter a soberba; ou julgar ser soberbo; Quem tem a soberba, não enxergará isso como um complexo; convencido só será, da sua então Soberba, pelo Espirito Santo; Pecado este; que entrou na vida de Lúcifer.

    ResponderExcluir

Obrigado por nos visitar! Volte sempre!