Pessoas que gostam deste blog

Lição 9 - Inveja, um veneno mortífero para a vida

escola dominical

LIÇÃO 9 – 01 de junho de 2014 – Editora BETEL

Inveja, um veneno mortífero para a vida

TEXTO AUREO

“O coração com saúde é a vida da carne, mas a inveja é a podridão dos ossos.” Pv 14.30

VERDADE APLICADA

A inveja nasce de um coração mal, torna-se um vício, e dela pode originar-se muitos outros
males.

OBJETIVOS DA LIÇÃO

Conceituar o que é inveja;
Explicar os malefícios da inveja;
Mostrar como Deus vê e age perante esta enfermidade.

TEXTOS DE REFERÊNCIA

Sl 91.1 - Aquele que habita no esconderijo do Altíssimo, à sombra do Onipotente descansará.
Sl 91.2 - Direi do Senhor: Ele é o m eu Deus, o meu refúgio, a minha fortaleza, e nele confiarei.
Sl 91.3 - Porque ele te livrará do laço do passarinheiro e da peste perniciosa.
Sl 91.10 - Nenhum mal te sucederá, nem praga alguma chegará à tu a tenda.
Sl 91.11 - Porque aos seus anjos dará ordem a teu respeito, para te guardarem em todos os teus caminhos.

1. Fé em Deus - a vida oculta de comunhão e adoração (Sl 91:1-4)
A parte mais importante da vida do cristão é aquela que somente Deus pode ver, a "vida oculta" de comunhão e adoração simbolizada pelo Santo dos Santos no santuário do tabernáculo e do templo em Israel (Êx 25:18-22; Hb 10:19-25). Deus é nosso refúgio e fortaleza (46:1). Ele nos esconde a fim de nos ajudar e, depois, nos manda de volta para lhe servir em meio às lutas da vida (ver 27:5; 31:19, 20; 32:7; 73:27, 28; 94:22; 142:5; Dt 32:37). O autor deste salmo tem dois "endereços": sua tenda (v. 10) e seu Senhor (vv. 1, 9). O lugar mais seguro da terra é uma sombra, se essa sombra for do Deus Todo-Poderoso. Por meio de Jesus Cristo, encontramos segurança e satisfação sob as asas dos querubins no Santo dos Santos (36:7, 8; 57:1; 61:4; 63:2, 6, 7). Jesus retrata a salvação descrevendo os pintinhos se escondendo sob as asas da galinha (Mt 23:37; Lc 13:38), e o salmista apresenta a comunhão com os fiéis repousando sob as asas dos querubins no tabernáculo.
Os nomes de Deus usados nestes versículos nos incentivam a confiar nele. Ele é o Altíssimo (Elion; vv. 1, 9), nome que aparece pela primeira vez em Gênesis 14:18-20. É mais exaltado do que os reis da Terra e do que os falsos deuses das nações. Também é o Todo-Poderoso (Shaddai), o Deus que não depende de pessoa nem de coisa alguma e que é suficiente para todas as situações (ver Cn 17:1; 28:3; 35:11). Ele é o Senhor (vv. 2, 9, 14), Jeová, o Deus da aliança fiel a suas promessas. Ele é Deus (Elohim, v. 2), o Deus de poder, cuja grandeza e glória sobrepujam qualquer coisa que possamos imaginar. Esse é o Deus que nos convida a ter comunhão com ele no Santo dos Santos! A vida oculta de adoração e de comunhão permite uma vida pública de obediência e serviço. Esse Deus nos abriga sob as asas dos querubins, mas também nos fornece a armadura espiritual de que precisamos (v. 4; Ef 6:10-18). Sua verdade e fidelidade nos protegem ao nos apropriarmos de suas promessas e obedecermos à sua Palavra (ver Gn 15:1; Dt 33:29; 2 Sm 22:3). O termo "pavês" também pode ser traduzido por "baluarte" ou "bastião". A palavra hebraica quer dizer "rodear, envolver" e descreve uma barreira de terra ao redor de uma fortaleza. A mensagem, porém, é clara: aqueles que habitam no Senhor permanecem seguros quando estão fazendo a vontade dele. Até que tenham completado seu trabalho, os servos de Deus são imortais (Rm 8:28-39).

2. Paz de Deus - uma vida protegida (Sl 91:5-13)
Não estamos sozinhos na prática da "vida oculta" de comunhão e adoração, pois Deus está conosco e nos compensa por nossas inadequações. Este parágrafo enfatiza que não precisamos temer, pois o Senhor e seus anjos nos guardam. No antigo Oriente Próximo, a menos que se tivesse a proteção de guardas armados, as viagens de modo geral eram arriscadas (o que não é muito diferente das cidades grandes nos dias de hoje). O "terror noturno" pode significar, simplesmente, "o medo do escuro" ou daquilo que pode acontecer no escuro. Água e alimentos contaminados bem como falta de medidas apropriadas de higiene facilitavam a propagação de doenças a todo tempo, apesar de o texto referir-se à "peste que se propaga nas trevas" e da "mortandade que assola ao meio-dia" (v. 6), sendo que esta última pode ser uma referência aos efeitos dos raios abrasadores do Sol.
Os versículos 7 e 8 parecem apresentar a descrição de uma batalha e podem estar diretamente relacionados às promessas da aliança que Deus fez com Israel (Lv 26:8; Dt 32:30). Os hebreus viram com os próprios olhos a aflição dos egípcios quando seus primogênitos foram mortos na noite de Páscoa (Êx 12:29, 30), assim como viram o exército egípcio morrer ã beira do mar Vermelho (Êx 14:26-31), e, no entanto, nenhum mal sobreveio ao povo de Israel. O Anjo do Senhor foi adiante deles para preparar o caminho e conduzir o povo (Êx 23:20). Satanás citou parte dos versículos 11 e 12 quando tentou Jesus no deserto (Mt 4:6), ao que Jesus respondeu com Deuteronômio 6:16. Se o Pai tivesse ordenado que jesus saltasse do alto do templo, os anjos teriam guardado Jesus, mas saltar sem ordem do Pai teria sido arrogância e não fé, portanto o mesmo que tentar o Pai. Nas Escrituras, o leão e a serpente são figuras de Satanás (1 Pe 5:8; Gn 3; 2 Co 11:3; Ap 12:9; 20:2 e ver Lc 10:19 e Rm 16:20). No antigo Oriente Próximo, ambos eram inimigos perigosos, especialmente para os viajantes que percorriam caminhos estreitos.
Fonte: Comentário Warren W. Wiersbe

Introdução
Trataremos, nessa lição, um tema muito recorrente em diversas narrativas: a inveja. Considerada por estudiosos uma das enfermidades da alma mais danosas, tanto ao invejoso quanto ao invejado. Em muitos casos, ela se torna um problema grave, apresentando-se de uma maneira patológica. À luz da Palavra de Deus, aprenderemos que somente em Cristo Jesus, encontramos forças para vencer esse terrível e destrutivo mal.

OBJETIVO
Conceituar o que é inveja;

1. Conceito de inveja
INVEJA
É vício detestável, que torna a pessoa incapaz de se alegrar com um bem que é do outro (Ecl 4,4; Sb 2,24s; Mt 20,9-15; Gl 5,26). Dá origem a contradições, ultrajes e perseguições (At 13,45-50; 17,5); tem como consequência a violência (Gn 4,4; 27,41; 37,3-5).
Segundo o dicionário Aurélio, inveja é “desgosto ou pesar pelo bem ou felicidade de outrem, desejo violento de possuir o bem alheio.” Em outras palavras, é um sentimento que faz com que o indivíduo enxergue o que o outro tem de bom, com olhos maus. Inveja é um sentimento desprovido de amor, acompanhado pelo ódio e, é consequentemente faccioso (Tg 3.14 Mas, se tendes amarga inveja e sentimento faccioso em vosso coração, não vos glorieis, nem mintais contra a verdade.). Segundo a psicologia científica, há duas formas de inveja que se apresentam desenvolvendo diferentes sintomas: a chamada inveja construtiva e criativa e a inveja destrutiva.

1.1. Inveja “construtiva”?
Esse tipo de inveja, segundo a psicologia científica, ocorre quando a visão ou o reconhecimento dos bens, posses, qualidades de uma pessoa desperta no outro o desejo de também os adquirir para si, por meio de um esforço, baseado no seu próprio mérito. Esse desejo pode despertar o que é chamado de “face oculta da competitividade”, isto é, o desejo de excelência em relação ao outro, de provar que também é capaz (Gn 30.1-2 Vendo, pois, Raquel que não dava filhos a Jacó, teve Raquel inveja de sua irmã e disse a Jacó: Dá-me filhos, senão morro. Então, se acendeu a ira de Jacó contra Raquel e disse: Estou eu no lugar de Deus, que te impediu o fruto de teu ventre?). Alguns especialistas afirmam que tal postura é uma virtude individualista. No entanto, vale ressaltar que alimentar esse tipo de sentimento é extremamente perigoso, porque se corre um alto risco de o invejoso estendê-lo a outros objetos ou situações, tornando, portanto, algo incontrolável, sem domínio (Gn 4.7 Se bem fizeres, não haverá aceitação para ti? E, se não fizeres bem, o pecado jaz à porta, e para ti será o seu desejo, e sobre ele dominarás.); ou, por que não dizer, um invejoso destrutivo. Segundo a Palavra de Deus, ela é podridão para os ossos (Pv 14.30 O coração com saúde é a vida da carne, mas a inveja é a podridão dos ossos.).
Explique que para o Cristianismo, ao contrário da psicologia, nenhum tipo de inveja pode ser considerada construtiva ou positiva. Biblicamente a inveja é tratada como um sentimento faccioso e destruidor (Tg 3.14-16) que, assim como um câncer.; nasce no interior do homem e espalhando-se o contamina completamente (Mt. 7.22-23; Pv 14.30).

1.2. Inveja destrutiva
A inveja destrutiva tem resultados extremamente danosos ao homem. O invejoso, em muitos casos, por não conseguir ter o que o outro possui, procura insanamente destruir aquele que é o alvo da sua inveja. A história relata um caso muito conhecido de dois homens brilhantes dentro de suas especialidades: Salieri e Mozart. Ambos foram músicos habilidosos e admirados por muitos. Porém, Salieri, ao perceber a incrível criatividade musical de Mozart, conhecido em sua época, como um gênio da música, desenvolveu em si um extremo desejo de destruí-lo. Movido por esse sentimento destrutivo, Salieri se esqueceu de sua tremenda capacidade musical, deixando de aplicar e investir melhor em seu talento. Provavelmente se o músico tivesse tido outra postura, hoje, assim como Mozart, também seria lembrado com destaque.
Exemplifique biblicamente com o episódio ocorrido entre Saul e Davi. Saul, por inveja, ficou tão concentrado em destruir Davi que se esqueceu do reinado (ISm 18.9 NVI). Destaque que a inveja é um sentimento anticristão (ICo 3.3). Que só pode ser eliminado quando o amor de Deus irradia no nosso dia a dia (Tg 3.3-8).

1.3. Os malefícios da inveja
A inveja é uma grave enfermidade que pode destruir muitas vidas, já que os invejosos patológicos não medem as consequências de seus atos. Infelizmente, em meio aos cristãos, há situações em que ministérios brilhantes são destruídos em decorrência da inveja. Tais ministérios são interrompidos por invejosos patológicos que, muitas vezes, não precisam ter o que outro possui, até porque já detêm mais do que o invejado. Todavia, permitem serem tomados por este terrível mal. O sábio Salomão classificou a inveja como “podridão dos ossos” (Pv 14. 30), tal classificação determina que este mal comece a corroer o indivíduo de dentro para fora agindo como um câncer silencioso e incrivelmente destruidor. O tratamento deve ser buscado imediatamente para que se possam evitar danos maiores.

OBJETIVO
Explicar os malefícios da inveja;

2. Casos bíblicos diversos
A Bíblia descreve a história de José, um jovem que sofreu grandemente pela inveja de seus irmãos. Podemos afirmar ser esse o maior caso de inveja patológica das Escrituras. Casos ainda, como o ocorrido com Moisés, um líder escolhido por Deus para retirar o povo de Israel do Egito e Davi, um rei chamado e aprovado por Deus para estar à frente do povo de Deus, foram descritos para despertar a cada um de nós quanto aos perigos e consequências de um coração invejoso.

2.1. José, invejado por seus irmãos
Na história de José, vemos que o tratamento diferenciado de Jacó, em relação aos seus irmãos, desencadeou o sentimento maléfico da inveja (Gn 37.4 Vendo, pois, seus irmãos que seu pai o amava mais do que a todos os seus irmãos, aborreceram-no e não podiam falar com ele pacificamente.). José sofreu as mais duras perseguições e desmandos por ter de seu pai uma deferência especial em detrimento de seus irmãos (Gn 37.3 E Israel amava a José mais do que a todos os seus filhos, porque era filho da sua velhice; e fez-lhe uma túnica de várias cores.). Pode ser que a atitude de Jacó tenha contribuído para agravar o ódio e o ciúme dos seus demais filhos para com José, seu filho amado. O próprio José também contribuiu para o crescimento desse sentimento, quando revelou seus sonhos aos irmãos (Gn 37.5-9). Ele acendeu, ainda mais, a ira e o ódio no coração deles. Por isso, é preciso cautela ao revelarmos nossos sonhos àqueles que não possuem a visão de Deus. Pois, às vezes somos responsáveis em acentuar a inveja desferida contra nós, uma vez que não tomamos cuidado com o que falamos.
É natural, em alguns casos, nos quais um ou outro irmão, ao se destacar no ministério, passe a sofrer algum tipo de ação de invejosos. No relato da vida de José, fica clara a preferência de seu pai, logo, caso haja algum tipo de preferência por parte de um líder por um de seus liderados ele poderá, sim, sofrer com este tipo de ação. O líder deve ter sabedoria suficiente para administrar a situação, sem que isso fique visível aos olhos de outros, evitando assim maiores prejuízos para o seu escolhido.

2.2. A insubordinação de Arão e Miriã gerados pela inveja
Insubordinação (Dic. Aurélio)
Desobediência: espírito de insubordinação.
A história de Moisés apresenta semelhança com a de José quanto à inveja, pois os mesmos são seus próprios irmãos: Arão e Miriã. Após ser chamado por Deus para libertar o povo de Israel do julgo de Faraó, retornou ao Egito e cumpriu o mandamento que o Senhor lhe houvera ordenado. A princípio, contou com o apoio de seus irmãos Miriã e Arão. Porém, após o casamento de Moisés com uma mulher cuxita (Nm 12.1 E falaram Miriã e Arão contra Moisés, por causa da mulher cuxita, que tomara; porquanto tinha tomado a mulher cuxita.), enfrentou terríveis perseguições. Arão e Miriã se levantaram contra o irmão, afirmando serem também usados por Deus (Nm 12.2 E disseram: Porventura, falou o SENHOR somente por Moisés? Não falou também por nós? E o SENHOR o ouviu.). Na verdade, a insubordinação de Miriã e Arão era reflexo da inveja destrutiva existente em seus corações. Moisés havia sido escolhido por Deus para liderá-los, e eles achavam que também poderiam ser como ele. Os dois irmãos tentaram diminuir o valor do líder de Deus perante o povo, apresentando-se também como pessoas usadas pelo Altíssimo.
“O casamento de Moisés não era ilegal nem imoral diante de Deus, tudo não passava de pretexto para encobrir a inveja que Arão e Miriã nutriam devido à autoridade de Moisés. (V. 2)” (Bíblia Pentecostal CPAD pág. 252. Comentário Nm 12.1).

2.3. A inveja de Saul contra Davi
Após as muitas vitórias de Davi, contra o gigante Golias e o exército dos Filisteus, o rei Saul deixou se levar por um forte sentimento de inveja (ISm 18.7-8 E as mulheres, tangendo, respondiam umas às outras e diziam: Saul feriu os seus milhares, porém Davi, os seus dez milhares. Então, Saul se indignou muito, e aquela palavra pareceu mal aos seus olhos; e disse: Dez milhares deram a Davi, e a mim somente milhares; na verdade, que lhe falta, senão só o reino?). Sendo Davi um homem segundo o coração de Deus, ficava claro para Saul que os seus dias de reinado estavam contados. Cego pela inveja, Saul não foi capaz de concluir que a sua desobediência era a verdadeira causa da rejeição de Deus ao seu reinado (ISm 13.14 Porém, agora, não subsistirá o teu reino; já tem buscado o SENHOR para si um homem segundo o seu coração e já lhe tem ordenado o SENHOR que seja chefe sobre o seu povo, porquanto não guardaste o que o SENHOR te ordenou.). Passando com isso, a perseguir ferozmente o jovem Davi. Lamentavelmente, há pessoas que ao perceberem estar próximo seu tempo de liderança, passam a buscar motivos para destruir aquele que está próximo no processo de sucessão. Por diversas vezes, Saul buscou matar Davi por invejar a sua comunhão com Jeová (ISm 24.2 Então, tomou Saul três mil homens, escolhidos dentre todo o Israel, e foi à busca de Davi e dos seus homens, até aos cumes das penhas das cabras monteses.).
Uma posição de comunhão com Deus pode também ser motivo de perseguição e inveja, entretanto não pode ser motivo para o invejado mudar asma conduta em relação ao Criador, pelo contrário deve este se aproximar mais de Deus para que possa ser protegido (Sl 34. 7).

OBJETIVO
Mostrar como Deus vê e age perante esta enfermidade.

3. Ação de Deus
Após entendermos o conceito e os muitos males causados pela inveja, mostraremos, a partir de então, como Deus direcionou e tratou dos casos de José, Moisés e Davi. E, ainda, como Ele está sempre apto a tratar e a receber, com perdão, aqueles que estão dispostos a libertarem-se deste terrível mal.
O que é preciso deixar bem claro é que, em Cristo, encontramos o cumprimento de todas as promessas de Deus para vida do homem. Destarte temos que sempre nos aproximar o máximo Dele, para que sentimentos como este não venham entrar em nossos corações e, com isso, venhamos caminhar para destruição.

3.1. A surpresa dos invejosos
Após levarem seus atos até as últimas consequências, os irmãos de José, em nenhum momento, pensaram no mal que estavam fazendo (Gn 37.31-34 Então, tomaram a túnica de José, e mataram um cabrito, e tingiram a túnica no sangue. E enviaram a túnica de várias cores, e fizeram levá-la a seu pai, e disseram: Temos achado esta túnica; conhece agora se esta será ou não a túnica de teu filho. E conheceu-a e disse: É a túnica de meu filho; uma besta-fera o comeu, certamente foi despedaçado José. Então, Jacó rasgou as suas vestes, e pôs pano de saco sobre os seus lombos, e lamentou a seu filho muitos dias.). Porém Deus transformou o mal em uma grande bênção, tanto para toda a sua família quanto para a preservação do povo de Deus (Gn 45.5 Agora, pois, não vos entristeçais, nem vos pese aos vossos olhos por me haverdes vendido para cá; porque, para conservação da vida, Deus me enviou diante da vossa face.). De um adolescente desprezado, escravo a governador de todo o Egito (Gn 41.38-45 E disse Faraó a seus servos: Acharíamos um varão como este, em quem haja o Espírito de Deus? Depois, disse Faraó a José: Pois que Deus te fez saber tudo isto, ninguém há tão entendido e sábio como tu. Tu estarás sobre a minha casa, e por tua boca se governará todo o meu povo; somente no trono eu serei maior que tu. Disse mais Faraó a José: Vês aqui te tenho posto sobre toda a terra do Egito. E tirou Faraó o anel da sua mão, e o pôs na mão de José, e o fez vestir de vestes de linho fino, e pôs um colar de ouro no seu pescoço. E o fez subir no segundo carro que tinha, e clamavam diante dele: Ajoelhai. Assim, o pôs sobre toda a terra do Egito. E disse Faraó a José: Eu sou Faraó; porém sem ti ninguém levantará a sua mão ou o seu pé em toda a terra do Egito. E chamou Faraó o nome de José Zafenate-Paneía e deu-lhe por mulher a Asenate, filha de Potífera, sacerdote de Om; e saiu José por toda a terra do Egito.). Isso provou a seus irmãos que a inveja não pôde afastar e nem impedir as bênçãos de Deus para José (Gn 45.1-5 Então, José não se podia conter diante de todos os que estavam com ele; e clamou: Fazei sair daqui a todo varão; e ninguém ficou com ele quando José se deu a conhecer a seus irmãos. E levantou a sua voz com choro, de maneira que os egípcios o ouviam, e a casa de Faraó o ouviu. E disse José a seus irmãos: Eu sou José; vive ainda meu pai? E seus irmãos não lhe puderam responder, porque estavam pasmados diante da sua face. E disse José a seus irmãos: Peço-vos, chegai-vos a mim. E chegaram-se. Então, disse ele: Eu sou José, vosso irmão, a quem vendestes para o Egito. Agora, pois, não vos entristeçais, nem vos pese aos vossos olhos por me haverdes vendido para cá; porque, para conservação da vida, Deus me enviou diante da vossa face.). Os irmãos de José puderam ver o quanto ele era amado pelo Deus de Abraão de Isaac e de Jacó e se curvaram diante da vontade deste grandioso Deus.

3.2. Punição para os invejosos
Na história de Moisés, vemos que Deus não se agradou das palavras de Miriã e Arão (Nm 12.4-5 E logo o SENHOR disse a Moisés, e a Arão, e a Miriã: Vós três saí à tenda da congregação. E saíram eles três. Então, o SENHOR desceu na coluna de nuvem e se pôs à porta da tenda; depois, chamou a Arão e a Miriã, e eles saíram ambos.). E os confrontou dizendo que, com eles, falava por visão e sonhos, no entanto, com Moisés, seu servo, falava boca a boca (Nm 12.7-8 Não é assim com o meu servo Moisés, que é fiel em toda a minha casa. Boca a boca falo com ele, e de vista, e não por figuras; pois, ele vê a semelhança do SENHOR; por que, pois, não tivestes temor de falar contra o meu servo, contra Moisés?). No momento em que se viu confrontado e se deparou com Miriã leprosa (Nm 12.10 E a nuvem se desviou de sobre a tenda; e eis que Miriã era leprosa como a neve; e olhou Arão para Miriã, e eis que era leprosa.), Arão reconheceu o seu erro e pediu misericórdia a Moisés que intercedeu por ele ao Senhor (Nm 12.11 Pelo que Arão disse a Moisés: Ah! Senhor meu! Ora, não ponhas sobre nós este pecado, que fizemos loucamente e com que havemos pecado!). Embora a inveja possa atingir e prejudicar a pessoa invejada, sua ação, na maioria das vezes, causa maiores danos ao invejoso.

3.3. A vitória daqueles que não são vencidos pelo sentimento de inveja
Após as muitas investidas de Saul contra Davi, Saul foi derrotado e o jovem Davi coroado rei sobre Israel (2Sm 5.1 Então, todas as tribos de Israel vieram a Davi, a Hebrom, e falaram, dizendo: Eis-nos aqui, teus ossos e tua carne somos.). De todos os relatos tratados nesta lição, é nítido a ação e o controle de Deus sobre toda e qualquer situação contrária contra os filhos seus. Os irmãos de José viram se cumprir os sonhos dele e ficaram sob o seu governo. Arão e Miriã viram que o poder de Deus continuava operando através de Moisés e Saul por desobediência limitou seus dias sobre a Terra. A inveja traz inúmeros males a todos os que se veem cercado por ela, entretanto é claro que o maior prejuízo virá sobre a vida daquele que não reconhecer suas ações maléficas e, cegos pelo pecado, não externar arrependimento, pois só assim alcançará libertação. O texto sagrado nos assegura que estamos protegidos pelo Senhor, e a estes que nos invejam está garantida uma recompensa “Eis que, envergonhados e confundidos serão todos os que se indignaram contra ti; tornar-se-ão em nada, e os que contenderem contigo, perecerão.” (Is 41.11).

Conclusão
Inveja é um sentimento desprovido de amor, por isso, jamais deve habitar o coração dos servos de Deus. Visto que ela é a fonte de muitos males e ainda um atributo de Satanás. Logo somente em Cristo Jesus o homem encontra forças para libertar-se deste terrível mal (Gl 5.25-26).

QUESTIONÁRIO

1. Segundo a psicologia científica, quais são os tipos de inveja?
R: A inveja construtiva e criativa e a inveja destrutiva.
2. Por que os irmãos de José o invejavam?
R: Por causa do amor de Jacó por ele (Gn 37.3).
3. Que fato levou Miriã a revelar a sua inveja por Moisés?
R: O casamento com a mulher cuxita (Nm 12.1).
4. Que acontecimento levou Saul a demonstrar sua inveja por Davi?
R: As vitórias contam os Filisteus (ISm 18.7-8).
5. Como Arão demonstrou o seu arrependimento?
R: Chamando Moisés de senhor (Nm 12. 11).

REFERÊCIAS BIBLIOGRÁFICAS:
Editora Betel 2º Trimestre de 2014, ano 24 nº 91 – Jovens e Adultos - “Dominical” Professor – ENFERMIDADES DA ALMA Identificando os distúrbios emocionais e confrontando-os com soluções divinas e bíblicas.



5 comentários:

  1. Inveja, é desejar ter algo, ou alguém, por maldade; e também ser alguém, ou melhor, que outrem; por pura vaidade e orgulho. Aqui veremos os três pecados na inveja; E é preciso vencê-la, através da Biblía; que contém os propósitos de Deus, para todos, conforme o favor de Deus . A Primeira: A maldade; se o nosso coração desejar o mal, para aqueles que, sobressaêm em suas vidas, sem antes, analizar cada caso, corremos o risco de pecar; sem antes saber, como o tal se evoluiu, o que ele passou, ou até mesmo, o preço que pagou, por estar numa dimensão favorável; fazendo-nos pecar por ignorância; melhor é ficar com a Bíblia: Se alegrai-vos com aqueles que se alegram, e chorai-vos com os que choram; e assim cumpriremos a lei de Cristo. A Segunda: A vaidade; nos impedirá de sentir a plenitude do Espirito de Cristo em nós, e alcançar uma vida Bem-Aventurada; o melhor é ter em nossa vida o pefume de Cristo, isso sim, será uma uma beleza extremamente maior; em cada ser; passando a conquistar o que é de direito, ao ser simples, e humildes. Mt. cp. 5: 1,2,3. A Terceira: O Orgulho, na Bíblia; Temos o contrafator de Deus, que por inveja de Deus caiu, ao julgar ser maior que o Criador; E aí entendo que, cada um estará no seu devido lugar; conforme o esforço de cada um, sem ser preciso, atropelar os estágios da vida, o importante é descansar no Senhor, e certamente no seu devido tempo, Ele nos exaltará; Medite em: Salmo 37: 1,2,3. Não se preocupe com os malfeitores, nem inveja deles; pois terão cedo o seu fim, como a erva; e murcharão como a verdura. Confia no Senhor, e faze o bem; e habitarás na terra, e serás alimentado.

    ResponderExcluir
  2. Belo texto e explicação sobre a inveja, bem edificante. Inveja é sempre inveja, concordo com o texto quando diz que não existe inveja construtiva. Qual tipo de inveja se não tratada destrói a alma como um câncer. Parabéns pelo blog

    ResponderExcluir
  3. Quem acompanha a inveja? O tal do orgulho
    Quem acompanha a inveja? O tal da competitividade
    Quem acompanha a inveja? O tal do ciúme
    Portanto, NÃO É PATOLÓGICO, e sim OBRA DA CARNE NÃO MORTIFICADA!
    só falta afirmar que precisa de um especialista rsrsrs

    ResponderExcluir

  4. Atos 5.17,18 O Sumo Sacerdote e os Saduceus foram tomados de inveja dos apóstolos porque mais e mais Judeus estavam aceitando a Cristo;
    Atos 13.44,45 Judeus de Antioquia se encheram de inveja de Paulo e Barnabé porque grandes multidões se reuniram para ouvir a pregação de Paulo;
    Pais invejam pais quando seus filhos são melhores alunos ou de melhores empregos; Durante anos João vende muito na empresa e ganha prêmios. Em seguida aparece um jovem mais capacitado e talentoso e ultrapassa as vendas de João - ou seja, daqueles que não tem o reconhecimento que é Deus que nos concede talentos, habilidades e dons espirituais e que é Deus que nos abriga na soberania, que é ELE que humilha e exalta, e que nós cristãos somos um só corpo em Cristo e finalmente que "prefiramos dar honra aos outros mais do que a nós mesmos (Romanos 12.10) ao invés de termos inveja daqueles que levam alguma vantagem sobre nós, continuaremos a sermos tentado pela inveja de alguém.

    Vocês sabiam que existem invejas que não são só materiais tais como a casa do vizinho é mais bela, o carro novo e as roupas, não. Dentro da igreja, obreiros e pastores invejam alguns professores de escola bíblica dominical, por ganharem a confiança e a alegria dos membros. Pessoas dedicadas que trazem sempre algo a mais que edifica quando não, exortam e corrigem o que está errado e herético. Estudam , aplicam-se, enfim "dedicam-se ao ensino". É feio né.
    paz

    ResponderExcluir
  5. A inveja pode sim influenciar tanto na vida daquele que a tem, e na vida daquele que é invejado; porque nela se envolve o mundo obscuro do contrafator de Deus, que ao mesmo tempo que esta prejudicando o invejoso, como também fará de tudo para que o invejado tropeçe e caia, podemos assemelhao-as como uma macumba. Mas em Cristo temos a proteção e paz, porque Ele é o todo poderoso, o importante é estar no esconderijo do Altíssimo, e agir na simplicidade; para que este mal, não venha nos dominar, e influenciar-nos também, pois ira produzir duas mortes espirituais, matar e morrer. Salmo 91.

    ResponderExcluir

Online