Pessoas que gostam deste blog

Lição 11 - Enfrentando o sentimento de rejeição

escola dominical

LIÇÃO 11 – 15 de junho de 2014 – Editora BETEL

Enfrentando o sentimento de rejeição

TEXTO AUREO

“E o Senhor, Deus de Israel, deu a Seom com todo o seu povo na mão de Israel, e os feriram; e Israel tomou por herança toda a terra dos amorreus que habitavam naquela terra.” Jz 11.21

VERDADE APLICADA

Por mais que não nos sintamos valorizados ou amados, devemos lembrar que o Amor do Nosso Pai e Sua Graça nos alcançam diariamente.

OBJETIVOS DA LIÇÃO

Definir o que é o sentimento de rejeição;
Explicar como surge esse sentimento;
Mostrar como podemos vencer esse sentimento.

TEXTOS DE REFERÊNCIA

Jz 11.5 - Aconteceu, pois, que, como os filhos de Amom pelejassem contra Israel, foram os anciãos de Gileade buscar Jefté na terra de Tobe.
Jz 11.6 - E disseram a Jefté: Vem e sê-nos por cabeça, para que combatamos contra os filhos de Amom.
Jz 11.7 - Porém Jefté disse aos anciãos de Gileade: Porventura, não me aborrecestes a mim e não me repelistes da casa de meu pai? Por que, pois, agora viestes a mim, quando estais em aperto?
Jz 11.8 - E disseram os anciãos de Gileade a Jefté: Por isso mesmo tornamos a ti, para que venhas conosco, e combatas contra os filhos de Amom, e nos sejas por cabeça sobre todos os moradores de Gileade.

Estes versículos apresentam-nos Jefté, o oitavo juiz de Israel. Ele era um guerreiro poderoso, mas filho de uma união entre Gileade, neto de Manassés (Nm 26.29,30), e uma prostituta cujo nome não é mencionado. Uma vez que o pai de Jefté também teve filhos com sua esposa legítima, estes compeliram seu meio-irmão a sair de casa quando ficou mais velho. Ele foi deserdado por sua família (2) e habitava em Tobe (3). Este nome significa ‘‘bom, agradável, doce, formoso, belo”. Pode ter sido et-Taiyibeh, a cerca de 24 quilômetros a leste de Ramote-Gileade. Ali ele se tornou o chefe de homens levianos, renegados, como no caso de Davi, mais tarde (1 Sm 22.1,2), a quem ele levava às festas. Foi desta maneira que Jefté ganhou a experiência e a reputação de homem valente e valoroso (1).
Jefté Chega ao Lar, (11.4-11)
Mais tarde, quando os amonitas invadiram Israel (10.17), os anciãos de Gileade correram à terra de Tobe. “Venha e seja o nosso líder para que possamos nos defender”, imploraram eles a Jefté. Este lembrou aos anciãos o tratamento ruim que recebera anteriormente. “Por que vocês me procuram, agora que estão com problemas?”, perguntou ele. Por isso mesmo tornamos a ti (8) foi a resposta deles, talvez com este sentido: “Percebemos que o tratamos injustamente e é por isso que viemos: para que possamos mostrar-lhe nossa confiança tendo-o por cabeça” (8; esta palavra significa “general”, talvez “ditador”).
Quando Jefté quis se certificar do que lhe era oferecido, mais uma vez os anciãos afirmaram que, se ele os livrasse, então seria colocado como chefe e cabeça. Desta vez selaram seu acordo com um juramento religioso: O Senhor será testemunha entre nós, e assim o faremos conforme a tua palavra (10). O voto foi reafirmado quando Jefté falou todas as suas palavras perante o Senhor, em Mispa (11).
Fonte: Comentário Beacon

Introdução
A enfermidade da alma que iremos estudar nesta lição é o sentimento de rejeição. Embora tenha o nome parecido, não se trata de medo da rejeição, assunto que já estudamos anteriormente. No caso do sentimento de rejeição, o individuo pensa que não é valorizado pelas pessoas com quem se relaciona. A partir daí, torna-se extremamente carente e se contenta com o mínimo que alguém lhe ofereça para se sentir bem. Porém, em alguns momentos, essa pessoa pode se tornar perigosa já que é capaz de fazer qualquer coisa para ser notado.

OBJETIVO
Definir o que é o sentimento de rejeição;

1. O que é o sentimento de rejeição
A rejeição é uma das feridas emocionais mais comuns. A sensação de ser rejeitado, assemelha-se a ser jogado na lata do lixo da vida, é algo que machuca e deixa marcas que perseguem o indivíduo ao longo dos anos, condenando-o a um estado permanente de medo, tristeza e isolamento (Gn 3.9-10). O sentimento de rejeição pode ter origens em diversas situações: convivência familiar, escola, amizades, trabalho, relação amorosa, etc. Basicamente, a rejeição nasce em situações de decepção (especialmente com pessoas valiosas para nós) nas quais nos sentimos desvalorizados, injustiçados, como se não se importassem com nossos sentimentos nem reconhecessem nossos esforços.
Ressaltar, com os alunos, o quanto a raiz do sentimento de rejeição está na frustração de nossas expectativas sobre os outros.

1.1. A rejeição na história de vida da pessoa
Muitas pessoas sofrem com sentimentos de rejeição originados durante a infância, por situações como, por exemplo, o favoritismo (real ou imaginário) de um dos pais ou dos dois, por um filho, em detrimento de outro(s) (Gn 25.28 E amava Isaque a Esaú, porque a caça era de seu gosto; mas Rebeca amava a Jacó.). Se exacerbado, esses sentimentos podem causar insegurança e carência afetiva e ainda podem ser reforçados ao longo do desenvolvimento do sujeito (Gn 37.3 E Israel amava a José mais do que a todos os seus filhos, porque era filho da sua velhice; e fez-lhe uma túnica de várias cores.). Assim, os sentimentos de rejeição acompanham a pessoa em seus relacionamentos interpessoais, ela sente dificuldade em sentir-se amada, aceita e valorizada. Cada pessoa reage de forma distinta e peculiar aos elementos que constituíram sua história (Jz 11.1-6). A pessoa que se sente rejeitada, por exemplo, pode canalizar o sentimento em duas direções distintas: uma interna e outra externa.
Ressaltar que o mais importante para a origem do sentimento de rejeição é a interpretação que a pessoa faz de estar sendo rejeitada (exemplo do irmão mais velho do filho pródigo) e não necessariamente, ela estar realmente sendo preterida (exemplo dos filhos de Jacó).

1.2. Rejeição internalizada
Embora nem toda pessoa tímida ou introvertida tenha histórico de rejeição, há pessoas que internalizam o sentimento de rejeição e de não aceitação, gerando diversos outros sentimentos, como culpa e baixa autoestima. Outras consequências possíveis são timidez, complexo de inferioridade e dificuldade de se expressar ou expor sua opinião, gerando sofrimento para a pessoa (Jó 32.6 E respondeu Eliú, filho de Baraquel, o buzita, e disse: Eu sou de menos idade, e vós sois idosos; arreceei-me e temi de vos declarar a minha opinião.).

1.3. Rejeição externalizada
Entretanto, o sentimento de rejeição também pode ser externalizado. Nesse caso, a pessoa canaliza agressividade para fora, como um mecanismo de defesa. Isto é, para defender-se da carência afetiva causada pela rejeição, a pessoa adota comportamento agressivo e arredio, justamente como estratégia para não mostrar sua fragilidade. Muitos são os exemplos de pessoas agressivas, soberbas, maledicentes ou aproveitadoras que, na realidade, encontraram nessas atitudes que humilham, agridem ou tiram vantagem do outro uma forma de lidar com seus próprios sentimentos de rejeição (Gn 37.18-20).
O raciocínio que se quer explicar aos alunos é de que a rejeição possui múltiplas faces e de que, mesmo pessoas “problemáticas”, podem também ser vítimas de seus sentimentos de rejeição.

OBJETIVO
Explicar como surge esse sentimento;

2. A história de Jefté
Jefté era rejeitado e aparentemente destinado a ser infeliz. Ele era um homem valoroso, filho de um cidadão influente, porém sua mãe era prostituta. Portanto, seu nascimento não estava nos planos de seus pais. Ainda no ventre de sua mãe, já carregava o estigma de ser filho ilegítimo e nada poderia mudar esse fato. Mesmo antes de nascer Já fora rejeitado (Jz 11.1).
E importante ressaltar que embora o feto não seja capaz de falar ou pensar e ainda não tenha sido totalmente formado, segundo estudiosos, já é capaz de perceber os sentimentos e expectativas que seus pais nutrem em relação a ele. Durante a gravidez, mãe e filho compartilham, não apenas do mesmo alimento e do mesmo ar, mas de sensações, desgostos e sobressaltos comuns.

2.1. Jefté e seus irmãos
Além de ser rejeitado pelos pais e pela sociedade antes mesmo do seu nascimento, Jefté enfrentou mais um momento difícil. Quando era jovenzinho, foi expulso por seus irmãos mais novos (Jz 11.2), e os moradores da cidade, movidos pelo preconceito, apoiaram tal decisão. Ninguém moveu uma palha em seu favor.

2.2. As consequências da rejeição na vida de Jefté
Na vida de Jefté, aos traumas antigos somavam-se os novos. Era rejeição sobre rejeição, empurrando-o na direção perigosa de uma vida dominada pela revolta. A Bíblia diz que ele fugiu para a terra de Tobe (Jz 11.3). Os sucessivos golpes haviam transformado Jefté num homem revoltado. Ele enveredou pelo caminho do crime. Formou um bando com outros tão amargurados quanto ele.
Várias pessoas, ao sentirem-se rejeitadas, abandonam a família, os amigos e a igreja, passando a frequentar lugares perigosos e deprimentes, achando em seu interior que não merecem coisas boas.

2.3. Dificuldade em lidar com a autoridade
Os que sofrem de sentimento de rejeição geralmente têm um comportamento negativo em relação à autoridade e costumam se revoltar contra alguém que lhes tenta impor algum limite, pois entendem isso como sendo mais um ato de rejeição a seu respeito. Em nenhum momento, Caim aceitou que o Senhor tinha rejeitado a sua oferta, porque suas obras eram más (lJo 3.12 Não como Caim, que era do maligno e matou a seu irmão. E por que causa o matou? Porque as suas obras eram más, e as de seu irmão, justas.), mas entendeu que estava sendo rejeitado, irando-se fortemente (Gn 4.5 Mas para Caim e para a sua oferta não atentou. E irou-se Caim fortemente, e descaiu-lhe o seu semblante.), não reconhecendo a autoridade do Senhor em sua vida. Em nossas igrejas, quase sempre nos deparamos com pessoas que agem dessa forma, não aceitando a autoridade dos pastores e líderes (Gn 4.7-8).
O mais maravilhoso na história da vida de Jefté é que sua situação mudou radicalmente. De um fora da lei, tornou-se um herói nacional e juiz de Israel. E ainda com direito a fazer parte da seleta “Galeria da Fé” (Hb 11.32). Nosso Deus é aquele que joga por terra todas as previsões, diagnósticos, prognósticos e expectativas humanas. E assim como Jefté todos que se sentem rejeitados podem modificar a sua situação com a ajuda divina.

OBJETIVO
Mostrar como podemos vencer esse sentimento.

3. O sentimento de rejeição na Igreja
O sentimento de rejeição tende a aflorar em momentos em que nos sentimos confrontados com alguma situação que nos faça sentir preteridos ou menosprezados em relação a algo ou a alguma pessoa. Esse sentimento tem afligido muitos cristãos. Alguns se têm esquecido de que são filhos de Deus e que nada os poderá afastar do grande amor que o Senhor expressou por eles (Rm 8. 39 nem a altura, nem a profundidade, nem alguma outra criatura nos poderá separar do amor de Deus, que está em Cristo Jesus, nosso Senhor!). Esses irmãos tentam, de todas as maneiras, serem notados, e buscam o reconhecimento, muitas vezes, com atitudes que prejudicam a outros; e visam à glória humana, esquecendo-se de que quem nos glorifica e exalta é o Senhor.
Não é o lugar que faz a pessoa, mas a pessoa curada que faz seu lugar. Do mesmo modo, viver dentro de uma igreja não nos tornará saudáveis se nossos problemas existenciais não forem encarados, reconhecidos e resolvidos.

3.1. O sentimento de rejeição pode ser perigoso
Em alguns casos, o sentimento de rejeição pode se tornar uma arma perigosa, visto que o indivíduo, por se achar rejeitado, pode entrar em disputa contra aquele que ele pensa que o rejeitou (Lc 15.28 Mas ele se indignou e não queria entrar. E, saindo o pai, instava com ele.). No entanto, nem sempre a disputa é maldosa: ao se colocar em disputa com alguém, o indivíduo pode não estar querendo, conscientemente, prejudicar alguma pessoa, mas sim apresentando um sintoma de sentimento de rejeição, tentando ser notado a qualquer preço (Lc 15.29 Mas, respondendo ele, disse ao pai: Eis que te sirvo há tantos anos, sem nunca transgredir o teu mandamento, e nunca me deste um cabrito para alegrar-me com os meus amigos.). Assim, o sujeito acaba por ferir sentimentos de algumas pessoas que estão à sua volta e que são prejudicadas por seus atos (Lc 15.31 E ele lhe disse: Filho, tu sempre estás comigo, e todas as minhas coisas são tuas.).

3.2. Deus nunca se esquece
Através do profeta Isaias, o Senhor nos dá a certeza de que nunca se esquecerá do seu povo. O profeta usa a figura da mãe para exemplificar a profundidade do amor de Deus em relação ao seu povo (Is 49.15 Pode uma mulher esquecer-se tanto do filho que cria, que se não compadeça dele, do filho do seu ventre? Mas, ainda que esta se esquecesse, eu, todavia, me não esquecerei de ti.). Jamais seremos esquecidos ou desamparados. Assim, não há razão para nos sentirmos rejeitados. O caminho para a cura está em crermos que Deus se importa conosco, apesar das nossas imperfeições, Ele nos ama profundamente. Antes de sermos concebidos no ventre materno, fomos gerados no coração de Deus.

3.3. Como combater o sentimento de rejeição?
A rejeição é um dos males emocionais mais comuns em nossa sociedade. Vivemos num mundo agitado, desumano, materialista e consumista, que trata os indivíduos como se fossem mercadorias. Ainda que todos rejeitem uma pessoa, ou não percebam seu valor, Deus valoriza o homem criado à sua imagem e semelhança e não desiste, pois acredita em seu potencial e tem projetos maravilhosos para sua vida. Quando a pessoa se afasta, isola-se, poderá ocorrer uma evolução para um quadro de depressão, que poderá levá-lo(a) a uma prostração total em relação à vida. O sentimento de rejeição no crente deve ser combatido com oração e comunhão com Deus e a igreja (SI 133), além de orientação psicológica. É importante ressaltar que Jesus sabe o que é ser rejeitado por todos os homens (Is 53.3 Era desprezado e o mais indigno entre os homens, homem de dores, experimentado nos trabalhos e, como um de quem os homens escondiam o rosto, era desprezado, e não fizemos dele caso algum.) e até mesmo sabe o que é sentir-se abandonado por seu Pai (Mt 27.46 E, perto da hora nona, exclamou Jesus em alta voz, dizendo: Eli, Eli, lemá sabactâni, isto é, Deus meu, Deus meu, por que me desamparaste?).
Cabe ressaltar a importância dos irmãos da igreja no aconselhamento aos crentes que manifestam atitudes derivadas de sentimentos de rejeição. Paralelamente, pode ser necessário encaminhá-los a um profissional competente, para que se possa ter um diagnóstico preciso. Dessa forma, ficará mais fácil para o indivíduo fortalecer a sua comunhão com Deus.

Conclusão
O sentimento de rejeição pode ser provocado por diversos motivos, alguns deles foram citados nesta lição. Contudo nenhum deles é suficiente para vencer o poder de Deus na vida do servo fiel, que tem certeza das promessas de Jesus (Mt 11.28). Com uma orientação profissional terapêutica, o indivíduo obterá os meios necessários para ficar firme na presença de Deus.

QUESTIONÁRIO

1. Cite pelo menos duas situações que dão origem ao sentimento de rejeição?
R. Convivência familiar, no trabalho, na escola, etc.
2. Por que Jefté foi expulso por seus irmãos?
R. Porque ele era filho de outra mulher (Jz 11.2).
3. Como deve ser combatido o sentimento de rejeição no crente?
R. Com comunhão e oração, pois somos mais que vencedores (Rm 8.37).
4. O que pode acontecer com as pessoas que estão à volta de quem sofre de sentimento de rejeição?
R. Podem ter os sentimentos feridos.
5. Quais as duas formas de canalizar o sentimento de rejeição?
R. Internalizando e externalizando.

REFERÊCIAS BIBLIOGRÁFICAS:
Editora Betel 2º Trimestre de 2014, ano 24 nº 91 – Jovens e Adultos - “Dominical” Professor – ENFERMIDADES DA ALMA Identificando os distúrbios emocionais e confrontando-os com soluções divinas e bíblicas.



5 comentários:

  1. Bela explanação sobre a rejeição. Cristo tomou sobre si as nossas dores. Um abraço fraterno.

    ResponderExcluir
  2. Bem, gostaria de complementar apenas.
    Por amor ao evangelho sofreremos REJEIÇÃO também do mundo através das pessoas, estendo a parentes amigos etc ok, então, ao menos, esse tipo de rejeição uma vez sentido, saibamos que é algo bom, pois somente assim cumpri João 15 em nossas vidas.
    ´Paz

    ResponderExcluir
  3. O subitem 3.3 da revista na lição 11, próxima, coloca Cristo com problema de rejeição ao clamar o Pai e esse não agir para intervir !!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!! Meu Deus!
    Vamos lá, de novo:
    Deus é Santo certo? Ele aprova o pecado??? Não!, Ele pune-o. O Senhor não tinha pecado em si mas levou a culpa de nossos pecados sobre si mesmo. O que o Juiz de toda terra faria em seguida? teria que intervir? NÃO! De fato Ele nunca o abandonou e tão pouco Cristo teve problemas com os quais deveriam segundo a conclusão da lição 11, ajuda profissional terapêutica.
    OLHA,
    quem sente a rejeição de João 15, ou seja, por amor a Cristo, não precisa se preocupar nem se isolar, pois o que é ser rejeitado por pessoas e aceito por Cristo por toda eternidade?
    CCCCCCCCCCCHHHHHHHHHEEEEEEEGA, cansei.

    ResponderExcluir
  4. T.Mendes a cada comentário seu,eu o admiro mais.Tu és um homem de fibra....Deus o abençõe.

    ResponderExcluir
  5. A rejeição é perigosa na vida daquele que sofre por ela, comprometendo o convívio humanista, passando a viver o seu mundo, formado em coisas erradas, tornando-o revoltado, não só com a vida, mas também com as pessoas. Embora muitas vezes, por falha nossa, deixamos de levá-los a ser uma nova Criatura em Cristo. Se levarmos a sério o propósito divino, no convívio humanista; o egoísmo terá seu fim. Tudo inicia, quando os desvalorizamos-os; criando situações de inimizade e ódio. É fato que todos são iguais, e todos têm o direito de encontrar o seu valor em Deus. O trabalhar de Deus é melhorar a situações, para assim beneficiar, e melhorar, aquele que é rejeitado e desprezado, utilizando-o para ser útil e honrado; por aqueles que o rejeitaram. A lei de Cristo promove o resgate na vida daqueles que, estão afastados e rejeitados neste mundo, fazendo-os sofrer menos; Como no caso de Jefté; que se tornou um malfeitor, e poderia ser diferente; se o egoísmo fosse banido de sua família, impedindo-o de sentir o amor de Deus. Como sempre digo: que nós sempre erramos, e Deus sempre acerta. Tudo seria melhor, se obedecêssemos à palavra de Deus; este mundo seria diferente, onde há tanta injustiça e desprezo, entre as pessoas; devido a este ditado: Cada um para si, e Deus para todos. Vamos mudar este ditado: Cada um por todos, e todos por Deus; Façamos valer, o título de Cristão, para que aqueles que estão sendo rejeitados, e humilhados, enxerguem em nós, o valor deles em Deus, e passem a fazer o bem; Porque o caminho da rejeição é sem volta; sendo que o melhor caminho é estar do lado de Deus; Ele não nos decepciona. Neste caminho desfrutaremos o amor de Deus. (Jesus Cristo). Jo. Cap. 3: 16; Ro. Cap. 5:8; Ro. Cap. 3. 22, 23 e 24.

    ResponderExcluir

Obrigado por nos visitar! Volte sempre!