Pessoas que gostam deste blog

Escola Dominical - Lição 13 - A fé que enfrenta as oposições

LIÇÃO 13 – 27 de dezembro de 2015 – Editora BETEL

A fé que enfrenta as oposições

SLIDES / Visualizar / Baixar

VÍDEO



TEXTO AUREO
“Portanto nós também, pois que estamos rodeados de uma tão grande nuvem de testemunhas, deixemos todo o embaraço, e o pecado que tão de perto nos rodeia, e corramos com paciência a carreira que nos está proposta.” Hb 12.1

Comentarista: Pastor José Fernandes Correia Noleto

VERDADE APLICADA
Não existem problemas insolúveis quando pessoas comprometidas se levantam na força de Deus para agir.

OBJETIVOS DA LIÇÃO
• Mostrar quem era Neemias, como se importava com seu povo e sua vida de oração;
• Ensinar como Neemias motivou o povo, como enfrentou a calúnia e o desprezo, e sua confiança em Deus;
• Revelar os três fatores que conduziram Neemias ao sucesso.

TEXTOS DE REFERÊNCIA
Ne 1.1 - As palavras de Neemias, filho de Hacalias. E sucedeu no mês de quisleu, no ano vigésimo, estando eu em Susã, a fortaleza,
Ne 1.2 - veio Hanani, um de meus irmãos, ele e alguns de Judá; e perguntei-lhes pelos judeus que escaparam e que restaram do cativeiro e acerca de Jerusalém.
Ne 1.3 - E disseram-me: Os restantes, que não foram levados para o cativeiro, lá na província estão em grande miséria e desprezo, e o muro de Jerusalém, fendido, e as suas portas, queimadas a fogo.

Entendendo sua missão
Nesta última lição de 2015, temos uma abordagem extremamente oportuna sobre o livro de Neemias.
Copeiro do rei da Pérsia, usufruindo de privilégios conquistados por sua dedicação e adaptabilidade a uma cultura estranha, Neemias, apesar disso, não se esquece de sua terra, de sua cidade, de seu povo e, sobretudo, do seu Deus. A partir do sombrio relato de Hanani, seu irmão, entra em desespero ao se inteirar do estado de abandono de Jerusalém e seus habitantes.
Nesse momento, nasce um novo homem, destemido, determinado, consciente de sua nova missão: reedificar os muros da cidade e, com isso, renovar as esperanças dos judeus sobreviventes ao exílio. Essa determinação lhe propicia que o próprio rei conceda as condições necessárias para sua empreita.
Encontra uma cidade semidestruída, quase desabitada e vulnerável. Inicia seus trabalhos, contando com o auxílio voluntário daqueles cidadãos combalidos, mas também movidos pela fé e determinação de mudar esse panorama.
Apesar dos adversários, sempre à espreita para destruir seu trabalho, ou até matá-lo, Neemias, com braço forte e a certeza de que Deus estava nesse projeto, reergue os muros e conserta as portas da cidade em apenas 52 dias.
Exemplo clássico de como é compensador sair de nossa zona de conforto e enfrentar um bom desafio. Sempre vale a pena. Sigamos, pois, imbuídos dessa mesma obstinação que guiou Neemias.
         Bom estudo e um abençoado 2016 para todos.

Introdução
Jerusalém estava em ruínas e opróbrio. Ao saber da situação, Neemias abandona sua privilegiada posição no palácio e parte em direção à cidade para auxiliar seu povo na reconstrução dos muros e portões (Ne 2.1-10).

1 Neemias, um homem de fé e atitudes
Neemias surge numa época em que a moral do povo estava baixa. Os ricos exploravam os pobres e os mesmos pecados que levaram o povo ao cativeiro estavam em vigor. Por fim, a depressão econômica e a ignorância espiritual acentuavam ainda mais a desunião do povo que, desestimulado e oprimido, não esboçava qualquer reação de melhora.

1.1. Neemias, o copeiro de rei
Neemias nos é apresentado como copeiro do rei, na província de Susã, a capital do império persa. Ele era um homem de oração e compromisso com Deus (Ne 1.1, 11). Neemias era um conselheiro pessoal do imperador e exercia ao mesmo tempo as funções de primeiro ministro e mestre de cerimônias (Ne 2.1; 5.14). A morte por envenenamento era comum na época dos reis e um copeiro de grande confiança era de vital importância. A função de Neemias era provar o vinho do rei, cuidar de seus aposentos, supervisionar toda a alimentação do palácio e, antes que o rei ingerisse qualquer comida ou bebida, ele o fazia. Isso tinha por fim demonstrar que nenhuma traição ocorrera e que, portanto, não havia perigo de envenenamento.
Informe para os alunos que em Jerusalém habitava apenas um remanescente do povo em Judá e esses poucos judeus passavam por grandes aflições e lutavam para sobreviver. Ressalte pare eles que, sem muros, o povo estava sem proteção e Neemias é o homem usado por Deus tanto para reconstruir os muros, quanto para reconstruir a identidade espiritual do povo (Ne 1.1-3). Acredita-se que Neemias tenha nascido durante o cativeiro e, mesmo crescendo num ambiente pagão, dominado pela idolatria, ele se manteve separado da malda-: de que o rodeava. Esclareça para os alunos que o remanescente judeu já havia passado quase um século em sua terra e Neemias poderia ter se juntado a eles, mas escolheu permanecer no palácio. Na verdade, Deus tinha uma missão para ele que não poderia ser cumprida em nenhum outro lugar. Deus colocou Neemias em Susã da mesma forma que colocou José no Egito e Daniel na Babilônia. Quando Deus deseja realizar uma obra, sempre prepara Seus servos e os coloca no lugar certo, na hora certa.

1.2. Neemias, um homem de oração
Ao ouvir sobre a miséria na qual seu povo se encontrava, Neemias se assentou e chorou (Ne 1.4). Aquela notícia sensibilizou sua alma e logo resolveu jejuar e orar, durante quatro meses, até que Deus não somente mudasse o quadro daquela situação, mas preparasse tudo para que ele mesmo fosse enviado a realizar aquela obra. As lágrimas de Neemias rolaram não somente pelas ruínas que a cidade sagrada se encontrava, mas porque o Deus de seus pais estava sendo escarnecido pelos inimigos. Neemias se preocupava tanto com o povo, quanto com a glória de seu Deus.
Explique para os alunos que Neemias tinha afinidade com os dois tronos (o do céu e o da terra). Reforce que Neemias buscou nos dois reinos os recursos para resolver os problemas do povo (Ne 1.4; 2.1-9). Comente com eles que a primeira reação de Neemias ao ouvir as notícias do povo que havia sobrado em Jerusalém foi assentar-se e chorar (Ne 1.3, 4a). Informe para eles que o choro coloca para fora a dor interna do coração, os sentimentos de tristeza e angústia e é uma reação natural do corpo para livrar-se de uma grande carga emocional. E terapêutico, alivia as tensões internas da pessoa e serve para acalmar a alma. Contudo, logo após a reação natural. Neemias mostra uma atitude nova: ele jejua e ora perante o Senhor (Ne 1.4b).

1.3. Neemias, um homem que se importava com seu povo
Neemias desfrutava de uma boa posição no palácio ao lado do rei, mas, seus sentimentos pelas coisas divinas o levaram a abandonar sua zona de conforto e seus privilégios para enfrentar os problemas de sua nação (Ne 2.1-3). Neemias tinha um coração sensível às necessidades do seu povo. A nobreza do palácio e o luxo que desfrutava não roubaram sua comunhão com Deus. Ele era um servo piedoso que se importava com aqueles que viviam na miséria. Ele tinha consciência de que o pecado e o afastamento da lei haviam derrotado seu povo e se colocou na brecha, assumindo que também era culpado (Ne 1.4-7). Neemias nos ensina que não existem problemas insolúveis quando homens comprometidos se levantam na força de Deus para agir.
Ressalte para os alunos que a eficácia de Neemias está totalmente alicerçada em sua forma de orar e consagrar-se a Deus. Os homens mais eficazes na obra de Deus são aqueles que têm o coração quebrantado e desfrutam da intimidade de Deus através do jejum e da oração.

2 Enfrentando oposições
Os desafios que Neemias enfrentaria não eram poucos, porque, além de motivar o povo a reiniciar uma obra que há cem anos estava parada, ainda deveria enfrentar os desmotivadores que, unidos, tramavam para impedir o sucesso da obra (Ne 2.10; 4.1, 7,8).

2.1. Motivação, a chave da reconstrução
Ao chegar a Jerusalém, Neemias encontrou pessoas derrotadas e apáticas, que viviam em meio aos escombros (Ne 1.3). Em questão de dias, Neemias conseguiu o apoio de toda a cidade, formou equipes e mobilizou o povo a reconstruir em cinquenta e dois dias uma obra que em quase cem anos ninguém havia conseguido. E como fez isso? Todos sabiam que havia chegado com cartas de autorização do rei e com escolta militar. Mas ele não disse nada, criando no povo expectativas e curiosidades (Ne 2.12,16). Ao terceiro dia, todos estavam interessados em escutar o que tinha a dizer. Assim, ele começou a restaurar a autoestima do povo e depois conduziu o povo a preocupar-se com a glória de Deus (Ne 2.17,18).
Esclareça para os alunos que, durante noventa anos, a construção não teve sucesso, o povo havia perdido a confiança e havia chegado a uma conclusão: “Não podemos”. Reforce para eles que a vida cristã é uma guerra contínua e sempre vamos encontrar oposições quando nos erguemos para fazer a obra de Deus. Neemias não se apresentou ao povo com uma mensagem negativa, nem culpou ninguém pelo fracasso (Ne 2.17). El? se identificou com a frustração e animou o povo a fazer uma sincera avaliação do problema. Ele simplesmente disse: “Sou um de vocês e esse problema é nosso”.

2.2. A atitude de quem tem visão de Deus
Sambalate, Tobias e Gesém foram três instrumentos usados por Satanás para desestabilizar Neemias e impedir que a obra se realizasse. Os artifícios usados foram: a zombaria, a calúnia e o desprezo (Ne 4.1-16). Por fim, vendo que a obra avançava, tentaram ceifar a vida de Neemias em uma emboscada (Ne 6.1-15). O que mais nos deixa intrigado é a reação de Neemias. Ele orava e não discutia. Ele trabalhava e ignorava a oposição. Neemias sabia que era inútil discutir porque sabia que a ideia da reconstrução vinha da parte de Deus.
Informe para os alunos que, antes de Neemias chegar a Jerusalém, já havia oposição contra o seu trabalho (Ne 2.10). Se nossos planos vêm de Deus, Ele pelejará em nosso favor. Sempre haverá pessoas em desacordo com a visão que Deus está nos dando, que irão se opor e criticar o que fazemos. Ressalte para eles que quando alguém ridiculariza nossos projetos é porque tem medo do nosso triunfo.

2.3. A confiança em Deus
Sem dúvida, a nossa natureza humana sente um desejo natural de responder com agressão aos ataques dos inimigos que julgam, intimidam, denigrem e prejudicam a realização de nossos projetos. Porém, sabemos que essa não é a atitude correta. Então, o que podemos fazer? Como devemos nos portar diante de tais circunstâncias? Em vez de se deixar enredar em uma competição de insultos, Neemias foi buscar apoio em Deus (SI 44.5, 6; Ne 4.4, 5).
Explique para os alunos que é normal que sintamos o desejo de atropelar nossos inimigos com palavras e atitudes. No entanto, o ensinamento de Neemias nos leva a colocar diante de Deus a situação e. logo em seguida, tomar medidas preventivas para que as ameaças de nossos adversários não prosperem. Ressalte para eles que Neemias ignorou as ridículas ofensas de seus adversários e seguiu adiante com seu objetivo. Essa é a melhor resposta que damos aos nossos inimigos, nós os ignoramos (Pv 26.4). A resposta de Neemias foi observada e seguida pelo povo. Eles viram que ele estava atuando e orando e fizeram o mesmo.

3 A poderosa mão de Deus em ação
Neemias era um homem simples, mas que nada fazia sem antes consultar a Deus. Sua sinceridade diante do rei e do povo lhe deu credibilidade tanto para reconstruir os muros quanto para trazer de volta a vida espiritual do povo.

3.1. Quando Deus nos governa, tudo dá certo
Neemias confortou o povo com o anúncio de que Deus o havia enviado e prosperado seu caminho. Ele confirmou com o seu testemunho e com a ajuda ilimitada que o rei lhe concedeu (Ne 2.8). E como prosperou? Ele foi sincero com o rei: “Minha cidade está em ruínas”. Neemias não inventou uma história para o rei lhe conceder o que necessitava. Ele orou até que Deus movesse o coração do monarca e inclinasse para ajudá-lo (Pv 21.1). Ao explicar com claridade todos os detalhes e os custos da construção, Deus interviu no projeto e lhe favoreceu (Pv 16.1-3; 22.11).
Merece ser especialmente destacado para os alunos os três fatores que conduziram Neemias ao sucesso: a mão de Deus, sua sinceridade e sua disposição. Reforce para eles que caminhar com a presença de Deus é o segredo de uma vida bem sucedida (Êx 33.15).

3.2. Neemias, um homem sincero e realista
As pessoas respondem de maneira positiva aos testemunhos da obra de Deus em nossas vidas. Neemias falou da bênção de Deus, da visão e da confirmação por meio das circunstâncias. O povo creu, sua fé foi desafiada pelo que havia ouvido e, a partir desse momento, o sonho passou a pertencer a todo o povo. Eles podiam ver o Espírito de Deus na vida de Neemias e estavam prontos a segui-lo (Ne 4.6). Neemias nos ensina que bons líderes devem expor com exatidão o que necessitam que as pessoas façam; que devemos animá-las e assegurá-las que com a ajuda de Deus tudo é possível alcançar (Ne 6.15, 16; Mc 9.23; Lc 18.27).
Conjecture com os alunos o seguinte, como se Neemias dissesse com todo o realismo: “Necessito de ajuda, não posso fazer isso sozinho”, e em seu otimismo também lhes dissesse: “Sei que podemos fazê-lo”.

3.3. Neemias, um homem disposto
Quando se necessitou de um líder, ele disse: “Eis-me aqui, envia-me a mim” (Is 6.8). Ele não era construtor, mas abandonou tudo e foi construir. Não possuía as habilidades necessárias para o trabalho, mas tinha um coração disposto. Deus o escolheu porque era sensível, de confiança e havia se colocado à disposição. Essas qualidades são uma questão de decisão. Talvez não tenhamos dons, talentos ou o intelecto necessário, mas esses não são os requisitos que Deus está à procura. Ele busca pessoas que possam crer em si mesmas; pessoas sensíveis às necessidades do povo; pessoas de caráter e dignas de confiança, nas quais Ele possa se apoiar.
Explique para os alunos que, quando Neemias se tornou governador, passou a ter uma grande quantidade de direitos. Ele havia se convertido no homem mais importante daquelas terras. A única pessoa a quem devia explicações era ao rei, o qual estava a mil e trezentos quilômetros de distância. Não obstante, ele não abusou de seu poder. Informe para eles que Neemias tinha o valor necessário para resistir às tentações porque era temente e reverenciava ao Senhor. Comente que Neemias amava o povo e disciplinou a própria vida para mirar somente as recompensas da eternidade (Ne 5.1-19).

Conclusão
Enquanto muitos se conformam com a situação atual, outros não querem assumir riscos; enquanto uns se limitam, outros não acreditam na esperança de algo novo. Neemias alcançou sucesso onde todos fracassaram. Ele não era somente um grande líder, mas alguém que compreendia os princípios da motivação.

REFERÊCIAS BIBLIOGRÁFICAS:
Editora Betel 4º Trimestre de 2015, ano 25 nº 97 – Jovens e Adultos - “Dominical” Professor – MATURIDADE ESPIRITUAL – Capacitando o cristão para cumprir os desígnios de deus com uma vida de fé e atitudes.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigado por nos visitar! Volte sempre!