Pessoas que gostam deste blog

Escola Dominical - Lição 4 - Ataques constantes contra a família

LIÇÃO 4 – 24 de janeiro de 2016 – Editora BETEL

Ataques constantes contra a família

SLIDES / Visualizar / Baixar

TEXTO AUREO

“Porque tudo o que há no mundo, a concupiscência da carne, a concupiscência dos olhos e a soberba da vida, não é do Pai, mas do mundo.” lJo 2.16

Comentarista: Pastor Valdir Alves de Oliveira

VERDADE APLICADA

Devemos preservar os nossos lares para impedir que não seja desqualificado o que foi criado por Deus.

OBJETIVOS DA LIÇÃO
• Mostrar os perigos dos meios de comunicação;
• Ressaltar os constantes ataques que a família vem sofrendo;
• Expor os prejuízos causados pela democratização e vulgarização do casamento.

TEXTOS DE REFERÊNCIA
ICo 6.19 - Ou não sabeis que o vosso corpo é o templo do Espírito Santo, que habita em vós, proveniente de Deus, e que não sois de vós mesmos? 
ICo 6.20 - Porque fostes comprados por bom preço; glorificai, pois, a Deus no vosso corpo e no vosso espírito, os quais pertencem a Deus. 
ICo 10.23 - Todas as coisas me são lícitas, mas nem todas as coisas convêm; todas as coisas me são lícitas, mas nem todas as coisas edificam. 
2Co 13.5 - Examinai-vos a vós mesmos se permaneceis na fé; provai-vos a vós mesmos. Ou não sabeis, quanto a vós mesmos, que Jesus Cristo está em vós? Se não é que já estais reprovados.

A família sob alvo do inimigo
            Hoje estamos sendo bombardeados diuturnamente por uma enxurrada de informações, de todas as procedências, de todos os lugares e de todos os tipos possíveis.
            Há elementos que nos são necessários para que tenhamos uma visão panorâmica de nosso entorno social, político, econômico e cultural, que pode representar acréscimo importante ao nosso conhecimento, apesar de serem possivelmente descartáveis.
            Interessante lembrar que, no século XX, para que estivéssemos informados dos acontecimentos mais proeminentes, tínhamos os jornais escritos, o rádio e, depois, a televisão. O volume de informações assimiladas por uma pessoa esclarecida, durante todo um ano, naquela época, equivale ao que assimilamos hoje em poucas horas.
            A transformação exercida pelas mídias eletrônicas em nossas vidas foi tão surpreendente que não percebemos a quantidade absurda de lixo que entra pelos nossos olhos e ouvidos. O aperfeiçoamento da televisão, com a sofisticação da propaganda massiva e consumista, o advento da internet, uma inegável ferramenta de conhecimento, mas também um território sem lei, com todo o tipo de apelo pecaminoso, os celulares que, de telefones se transformam em plataformas poderosas para veiculação nas mídias sociais, tudo isso conspira de forma sistemática e teimosa contra todos os princípios da família cristã.
            Não fazemos nossas refeições sentados à mesa com nossos familiares, não conversamos com nossos amigos e parentes. Não lemos um livro sequer, o que dirá a Bíblia.
            Falta tempo, diriam alguns. Tempo para quê? Para correr atrás de dinheiro? Para ir ao shopping fazer compras? Para levar seus filhos ao colégio de tempo integral? Para assistir à novela? Ao futebol? É, falta tempo para tantas futilidades que o mundo nos oferece de bandeja.
            Mas, será que ainda teremos tempo para a comunhão com a família? Teremos tempo para a comunhão com os irmãos da Igreja? Teremos tempo para a comunhão com Deus?
            Fica a pergunta.
            Uma excelente e proveitosa lição a todos, na Paz do Senhor!

Introdução
Os desafios da família cristã frente aos ataques constantes e diretos ao casamento e à família trazem uma ruptura dos valores e quebra de princípios que precisam ser enxergados com muito cuidado.

1. Meios de comunicação e redes sociais
A tecnologia entrou nos lares trazendo lucros e prejuízos incalculáveis. Consequentemente, a sociedade moderna mudou o conceito de família e desqualifica os valores da instituição criada por Deus.

1.1. A televisão
A televisão tem afastado os membros da família, que não se alimentam mais juntos à mesa. As novelas fazem apologia e ensinam infidelidade conjugal, bigamia, poligamia, o sexo antes do casamento, o fim da virgindade e o homossexualismo. A licenciosidade, leviandade e irresponsabilidade têm trazido decadência moral para a família. Muitos programas indecentes de pessoas inescrupulosas têm tirado a atenção dos crentes, que faltam cultos para ficar na frente da televisão. As mensagens subliminares, que são apresentadas por meio de palavras, objetos, desenhos animados, filmes, jogos, músicas, gestos e figuras, como se fossem ingênuas e inofensivas, têm sido trabalhadas na mente das pessoas, naquilo que são os seus alvos, influenciando inclusive nas atitudes dos filhos.
Explique para os alunos que a televisão é um importante instrumento para a evangelização, mas deve ser usada com muita cautela, pois os filmes violentos e os programas que mexem com o psicológico das nossas crianças, adolescentes e jovens podem causar desvios e danos à formação da personalidade. Destaque para eles que são efeitos negativos que prendem as pessoas e as escravizam, viciando-as e tornando-as alienadas. Comente com eles que a televisão ainda tem um poder influenciador de modas e de produzir consumidores compulsivos, por meio de propagandas, que são bombardeadas o tempo todo na mente das pessoas, levando-as a comprarem coisas que não precisam e a se endividarem além das suas possiblidades financeiras. Infelizmente, há muitas pessoas sem escrúpulos e que estão a serviço de Satanás nesse meio.

1.2. A Internet e as redes sociais
Através também das redes sociais, a Internet está viciando os jovens e adolescentes, e até as crianças. Muitos ficam por horas na frente do computador e celular, entre outros. São filhos que estão precisando de acompanhamento psicológico pelo vício que causa depressão e dependência. Os pais estão perdendo o controle sobre os filhos porque muitos deles se isolam nos quartos e acessam programas não convenientes para menores de idade. E uma grande dor de cabeça para os pais, porque muitos não têm acesso à rede e não sabem nem como funciona.
Comente com os alunos que a pornografia, a pedofilia e o envolvimento com pessoas desconhecidas, através das redes sociais, estão concentrando um perigo iminente para os nossos jovens, que marcam encontros sem nunca ter visto um ao outro e muito menos conhecem a família. Reforce para eles que os jovens, que começam a namorar via internet, precisam tomar cuidado e conhecer os antecedentes e a família dos pretendentes e procurar não realizar encontros escondidos. Diga para os alunos que os desafios da família cristã frente aos ataques constantes e diretos ao casamento e a família trazem uma ruptura dos valores e quebra de princípios que precisam ser enxergados com muito cuidado, tanto pelos filhos quanto pelos pais. Ressalte para eles que a Igreja tem um papel fundamental, que é alertar as pessoas quanto ã conduta a ser adotada diante de um mundo que jaz no maligno.

1.3. O avanço tecnológico e a globalização
Por mais que tenhamos a sensação de avanço e progresso tecnológico que chegou aos nossos lares, vemos um veneno mortífero que aos poucos está tentando destruir a formação moral e ética dos nossos filhos, fazendo com que percam os valores cristãos. Quando não é bem utilizada, a tecnologia traz embutida a iniquidade (Mt 24.12). Todo cuidado é pouco, porque vem entrando sorrateiramente nos nossos lares.
Relembre aos alunos que estamos vivendo o século XXI. A pós-modernidade chegou a todo vapor, o progresso é patente aos nossos olhos, a globalização é real, a informação navega velozmente pelos canais de fibras óticas e pelos satélites de última geração. No entanto, esclareça para os alunos que, diante do avanço tecnológico, há a necessidade de colocar limites. Reforce para eles que, enquanto os filhos estão sob a tutela dos pais e os pais conseguem frear os seus impulsos, se faz necessário colocar limites, além, é claro, de educá-los sobre o perigo de toda ferramenta de informação e tecnologia.

2. Evoluções, ocupações e amizades
As evoluções são benéficas ou maléficas? Depende de como as usamos em nossas vidas. Para que elas sejam bênção e não maldição, as evoluções precisam ser confrontadas com a Palavra de Deus, pois não podemos abandonar os valores cristãos.

2.1. Choque de gerações entre pais e filhos
O choque de gerações é uma realidade. O que não se praticava antigamente, hoje está passando a ser normal. Os pais precisam entender que os filhos não vão viver a sua geração, mas também os filhos precisam entender que muitos pais não alcançarão os níveis que eles chegaram. Neste caso, o equilíbrio é a saída. Só a compreensão de ambas as partes para se chegar a um acordo. O diálogo, a aproximação, o respeito e a amizade entre os pais e filhos diminuirão os prejuízos destas evoluções.
Separe esse momento da aula para fazer uma oração pelas famílias. Seja guiado pelo Espírito Santo ao escolher um dos alunos para realizar tal tarefa. Peça para o aluno que utilize como base o “motivo de oração” descrito no início desta lição.

2.2. Individualismo: a falta de tempo para a família
Com a correria dos grandes centros urbanos e o trânsito, as pessoas passam duas ou mais horas dentro de um veículo particular ou transporte coletivo. Quando sobra um tempinho para a família, este tempo é preenchido com as academias, pescarias e os encontros sociais e a família vai ficando em segundo plano. A necessidade de estudar, se aperfeiçoar para a concorrência no mercado de trabalho também é outro agravante. Muitos pais só têm contato com os filhos nos finais de semana, o que é pouco para quem precisa de mais atenção, carinho e educação.
Aconselhe e incentive os alunos a dedicarem mais tempo para as suas famílias. Insista com eles sobre a importância de reservar um momento para passearem juntos, conversarem mais, entre outros.

2.3. Jugo desigual com os ímpios
As amizades do mundo não podem interferir no casamento e na família (2Co 6.14). Quando aceitamos a Cristo, o nosso ciclo de amizades precisa mudar. Muitas amizades conseguidas através das redes sociais têm sido uma dor de cabeça para os pais e um estrago para as famílias. Muitos jovens cristãos ao namorar com descrentes pensam que depois de casados conseguirão levá-los para a igreja. Isto raramente acontece, é uma exceção. O que parecia uma bênção pode virar uma maldição ao abrir as portas e ceder para o jugo desigual.
Faça as seguintes perguntas para os alunos: “Quem são seus amigos?”; “Com quem você anda?”; “Com quem, você se relaciona no trabalho, na escola?”. Estas são \ perguntas que devem ser respondidas por todos os cristãos. Se você está debaixo de algum jugo desigual com algum infiel, você está correndo risco. Comente com os alunos o que a Palavra de Deus diz em ICoríntios 15.33 “Não vos enganeis as más conversações corrompem os bons costumes”.

3. Novas leis concernentes à família
Há projetos de leis circulando nas comissões, gabinetes e plenários do Parlamento que são contra os princípios cristãos. A sociedade pós-moderna tem recebido uma enxurrada de leis que favorecem as práticas pecaminosas, tão combatidas pela Palavra de Deus. Precisamos ficar atentos e não nos conformarmos com este mundo cheio de iniquidades (Rm 12.2).

3.1. O tratamento dado ao menor de idade
Pela compreensão do Estatuto da Criança e do Adolescente, os pais estão quase impedidos de disciplinar os filhos, conforme ensina a Palavra de Deus (Pv 23.13; 29.15, 17). É claro que tudo deve ser feito dentro de parâmetros aceitáveis, não se pode tirar sangue dos filhos, mas também não se pode retirar a disciplina da correção. O serviço dado aos menores de idade é considerado trabalho infantil, mas os filhos precisam ganhar interesse pelo trabalho desde cedo. A coerência e o equilíbrio precisam prevalecer.
Merece ser especialmente esclarecido para os alunos que a palavra “disciplina”, no original em hebraico, é reservada tão somente para descrever a punição que Deus impõe para ensinar e corrigir o Seu povo (Pv 29.15). Outra palavra comum para indicar disciplina na Palavra de Deus, especialmente no livro de Provérbios, é instrução (Pv 19.20). Comente com os alunos, principalmente para os que são pais, que a boa fama de uma pessoa depende também da maneira pela qual consegue reger sua família (Pv 31.23; lTm 3.2-5).

3.2. Aborto, união de pessoas do mesmo sexo e legalização da prostituição
Quem aceita o aborto simplesmente porque acha que foi um descuido se engravidar, ou porque acha que não é hora de se ter um filho, e manda retirar o feto, já é considerado criminoso (SI 139.16). A Bíblia diz: “Não matarás” (Êx 20.13; Rm 13.9). O aborto não pode ser considerado caso de saúde pública. Uma gravidez deve ser encarada com dignidade e respeito à criança, e também como um mandamento bíblico (Gn 1.28). Os direitos humanos têm defendido o casamento de pessoas do mesmo sexo. No entanto, o homossexualismo é combatido de forma veemente pela Palavra de Deus (Rm 1.26-27). A possível legalização da prostituição é uma afronta à família e aos princípios cristãos. A profissionalização da venda do corpo, defendida por uma parte dos legisladores, é uma depravação e uma coisa perniciosa para as famílias de bem e a sociedade como um todo. A Bíblia mostra a vontade de Deus para o cristão, isto é, abster--se da prostituição e saber possuir o próprio corpo em santificação e honra (lTTs 4.3-4).
Aproveite este momento da aula e mostre para os alunos os seguintes versículos: “Nem impuros, nem efeminados, nem sodomitas herdarão o Reino de Deus” (ICo 6.9); “Com homem não te deitar ás, como se fosse mulher; é abominação” (Lv 18.22). Comente com eles que há um forte desejo de mudar a Constituição Federal do Brasil de 1988, Artigo 226, que fala que o casamento é entre um homem e uma mulher. Ressalte para os alunos que, no caso da legalização da prostituição, assinar a carteira de trabalho, ter direitos trabalhistas e aposentadoria no exercício da prostituição é uma aberração sem precedentes.

3.3. União estável e contratos temporários
Pode ser concedida a regulamentação do concubinato “união estável”, lavrada em cartório, para divisão de herança e reconhecimento dos filhos. A Igreja precisa preservar o casamento civil, que é definitivo e não pode ter quebra de acordo, conforme diz a Bíblia (ICo 7.39). Os contratos temporários, também aceitos pelas autoridades, mais parecem um teste de adaptação, que, quando não dão certos, são descartáveis, e, no final do contrato, cada um segue a sua vida. O casamento não é em caráter experimental, mas definitivo.
Converse com os alunos que, de acordo com o escritor Leon Morris, a indissolubilidade do casamento, a não ser pela morte, está na base deste texto de 1 Coríntios 7.39. Uma mulher está ligada ao seu marido, enquanto este viver. Se ele morrer, ela fica livre para se casar, se quiser. Ressalte para eles que, no casamento, como em tudo mais, o cristão deve estar cônscio de que age como membro do Corpo de Cristo.

Conclusão
Vivemos os últimos dias da Igreja aqui na Terra. As instituições estão sendo fragilizadas e vulgarizadas diante das inovações e conceitos de homens sem o temor de Deus. Cabe a Igreja pregar contra estas práticas e não concordar com este mundo, que a cada dia fica mais distante de Deus


REFERÊCIAS BIBLIOGRÁFICAS:

Editora Betel 1º Trimestre de 2016, ano 26 nº 98 – Jovens e Adultos - “Dominical” Professor – CASAMENTO E FAMÍLIA – Projetos de Deus para o bem-estar da sociedade.

4 comentários:

  1. Irmãos à Paz do Senhor! O título da lição está errado, é o mesmo da 3ª Lição!

    ResponderExcluir
  2. Deus continue falando a homens de coragem que não se curvem diante de tantos, que querem deturpar a palavra d Deus, para se posicionarem contra os tais e no nome de Jesus nos vamos vecer.... Parabéns ao Pastor comentarista destas lições, se valente e o inimigo será derrotado abraço.

    ResponderExcluir
  3. Deus continue falando a homens de coragem que não se curvem diante de tantos, que querem deturpar a palavra d Deus, para se posicionarem contra os tais e no nome de Jesus nos vamos vecer.... Parabéns ao Pastor comentarista destas lições, se valente e o inimigo será derrotado abraço.

    ResponderExcluir
  4. Hj o que é mais prejudicial as famílias, a TV ou a Internet?

    ResponderExcluir

Online