Pessoas que gostam deste blog

Lição 13 - Os desafios de educar filhos



LIÇÃO 13 – 27 de março de 2016 – Editora BETEL

Os desafios de educar filhos

SLIDES / Visualizar / Baixar


VÍDEO 1


VÍDEO 2




TEXTO ÁUREO
“Instrui o menino no caminho em que deve andar, e, até quando envelhecer, não se desviará dele.” Pv 22.6

Comentarista: Pastor Valdir Alves de Oliveira

VERDADE APLICADA
Os pais não podem agir com coação, estupidez ou maus tratos com os filhos, pois, além de não ser a forma ideal, existem leis que preveem sanções aos pais infratores.

OBJETIVOS DA LIÇÃO
• Expor a dificuldade de se educar os filhos nos dias atuais;
• Mostrar que existem princípios bíblicos que nos direcionam na educação dos filhos;
• Lembrar que somos mordomos na criação dos filhos, pois eles pertencem a Deus.

TEXTOS DE REFERÊNCIA
Dt 6.6 - E estas palavras, que hoje te ordeno, estarão no teu coração;
Dt 6.7 - E as intimarás a teus filhos e delas falarás assentado em tua casa, e andando pelo caminho, e deitando-te, e levantando-te.
Sl 127.3 - Eis que os filhos são herança do Senhor, e o fruto do ventre o seu galardão.
Sl 127.4 - Como flechas na mão do valente, assim são os filhos da mocidade.
Ef 6.4 - E vós, pais, não provoqueis à ira a vossos filhos, mas criai-os na doutrina e admoestação do Senhor.
Cl 3.21 - Vós, pais, não irriteis a vossos filhos, para que não percam o ânimo.

HINOS SUGERIDOS
Hinos 4,33 e 467.

Desafiando o mundo.
Vivemos inseridos em uma sociedade imediatista, corrompida por valores falsos e conceitos perecíveis. Como criar nossos filhos dentro de um contexto tão complexo como esse?
Como ensinar à nossa posteridade os verdadeiros e eternos valores contidos na Palavra do Senhor?
Primeiramente, não é a sociedade quem cria nossos filhos, nem tampouco a escola que os educa nos preceitos sociais, morais e espirituais corretos, somos nós mesmos, seus pais.
Deus poderia ter escolhido outra maneira de trazer crianças ao mundo. Poderia ter criado a criança de forma a amadurecer e desenvolver-se após algumas semanas, como se dá com alguns animais e aves. Mas Ele preferiu que seu desenvolvimento fosse gradativo, dentro de um tempo mais prolongado, dando assim oportunidade para o desenvolvimento da sua personalidade, espírito, alma e corpo no ambiente do lar, onde nasceu. Deste modo, os pais foram dados por Deus aos filhos, para sustentá-los, guiá-los e orientá-los.
A família, o projeto de Deus para a formação de uma sociedade digna e justa, é o ponto de referência central para crianças e jovens. É dali que cada um de nossos pequenos retira seus conhecimentos e, principalmente, seus exemplos para tê-los como referência futura em sua vida.
Dessa forma, na maioria das vezes, nos deparamos com famílias desestruturadas cujos filhos mentem, se degradam nos vícios, caem na prostituição, abandonam a Igreja, enfim, tornam-se motivo de opróbio. Decerto faltou atenção redobrada na educação deles ou pior, os próprios pais deram exemplos negativos, o que os influenciou decisivamente na sua formação.
Para uma educação eficaz de nossos filhos, além de nos atualizarmos com o que ocorre à nossa volta para estarmos preparados, havemos que ter longanimidade, conhecimento de Palavra de Deus, respeito mútuo, muito amor e temor ao Senhor.
Essa última lição da revista da Escola Bíblica Dominical – 1º trimestre de 2016 nos ensina os passos primordiais para exercermos esse tão nobre ministério que Deus nos concedeu: o ministério de pais.
Uma excelente aula, na Paz do Senhor Jesus!
Márcio Celso - Colaborador

Introdução
Hoje, os nossos filhos tem mais informações do que tínhamos no passado. Por isso, os pais também devem acompanhar o desenvolvimento e o progresso tecnológico para ajudar os filhos a crescerem sem prejuízo. 
1. Filhos, herança do Senhor
Os filhos são herança do Senhor e o fruto do ventre o seu galardão (Sl 127.3). A responsabilidade recai sobre os pais, que deverão cuidá-los bem, da melhor maneira possível, pois os pais são apenas mordomos cuidando daquilo que não é deles. Tanto é que os filhos nascem, crescem, se casam e vão embora constituir novas famílias.

1.1. Presente de Deus aos pais
Os filhos são recompensas da parte de Deus. São bens ativos e não dívidas. O Senhor espera que sejamos bons despenseiros na criação e educação dos filhos. Eles são privilégios dados a nós. É uma bênção usufruirmos durante a vida da companhia, do carinho e do amor dos filhos. Não podemos abrir mão da missão deliciosa que Deus nos confiou.
Saliente para os alunos que as dádivas do Eterno Deus são tão despretensiosas como são milagrosas (Sl 127.3-5). Essas verdades são ilustradas com clareza no primeiro e no último parágrafo do capítulo 11 de Gênesis, onde o homem edifica para a glória e a segurança, e acaba conseguindo nada mais do que um fiasco, enquanto Deus foi silenciosamente dando para Terá um filho (Abraão), cujas bênçãos têm proliferado desde então. Alerte os alunos para o fato de que a passagem bíblica de Salmos 127.3-5 nada fala acerca de riquezas monetárias ou de posição. No entanto, o texto destaca que uma família temente ao Senhor é riqueza e honra suficiente.

1.2. Responsabilidade dos pais
Os pais têm a responsabilidade de ensinar aos filhos “no” caminho em que devem andar (Pv 22.6). Não adianta mostrar a porta, há necessidade de entrar por ela. Os pais não devem mandar os filhos para a igreja, devem ir juntos. Não adianta querer o filho na igreja se a mãe fica assistindo novela ou o pai assistindo futebol. Além dos pais serem guias, sacerdotes e provedores, também deverão dar as suas vidas como exemplo aos filhos.
Comente com os alunos que, para educar os filhos na presença de Deus, os pais também precisam estar na presença de Deus. Reforce para eles que os pais não devem só ensinar a ser honesto, mas ser honesto também. Não apenas ensinar a não falar palavras feias, mas não falar também. Não apenas ensinar contra os vícios, mas não ser viciado em nada também. Não apenas ensinar a não mentir, mas não mentir também. Não apenas ensinar a não xingar, mas não xingar também.

1.3. Pais, espelhos dos filhos
Muitos filhos querem imitar os pais, inclusive na profissão. Cuidado com os maus exemplos, pois os filhos poderão copiá-los. Alguém, certa feita, disse: “As palavras comovem, mas o exemplo arrasta”. A maior herança que deixamos para os nossos filhos não são os estudos nem os bens patrimoniais, mas um nome limpo, uma vida honrada e digna, um exemplo a ser seguido. Infelizmente, alguns pais pensam que os filhos são bobos e que não estão de olho nas suas atitudes.
Esclareça para os alunos que os pais são espelhos para os filhos. Por isso é necessário tomar muito cuidado com as palavras que não edificam, com o vocabulário baixo, torpe, com as atitudes insensatas e os exemplos negativos. Ressalte para eles que os pais não devem fazer nada que os seus filhos não possam copiar. Um filho aprende mais observando as atitudes do pai do que o pai falando para ele fazer. O que os nossos filhos estão vendo em casa? Você fala uma coisa e faz outra?

2. Limites: quem manda em sua casa?
Aceitar os filhos mandarem nos pais é negativo e fora dos princípios da Palavra de Deus (Hb 12.8). A Palavra de Deus afirma em 1Timóteo 3.4-5 que o obreiro (mas esse princípio vale para todos) precisa governar bem a própria casa, tendo seus filhos sob disciplina, com todo respeito, pois se alguém não sabe governar a sua própria casa, como cuidará da Igreja de Deus? Com essa palavra, o apóstolo Paulo nos dá prova suficiente sobre quem deve mandar na casa.

2.1. Limites estabelecidos por Deus
Os filhos devem obedecer e honrar os pais porque é um mandamento com promessa, além de ser extremamente agradável ao Senhor (Ef 6.1-3; Cl 3.20). No entanto, os pais também não podem provocar a ira dos filhos, para que não percam o ânimo (Ef 6.4; Cl 3.21). Os filhos precisam de normas para serem obedecidas, pois onde não há regras nem regulamentos vira bagunça (Pv 29.17). Os pais devem estabelecer limites justos e lógicos. Não devem exagerar nos limites. Devem elogiar quando cumprirem os horários e os limites pré-estabelecidos. Não devem colocar limites inatingíveis para evitar desgastes. Nunca punir injustamente. Devem corrigir sempre com justiça. Jamais disciplinar os filhos com as emoções afloradas.
Explique para os alunos que mesmo o melhor treinamento não pode injetar a sabedoria. Somente pode encorajar a escolha no sentido de procurá-la (Pv 2.1). Um filho pode ter um conceito tão grandioso de si mesmo que pode recusar aprender (Pv 13.1; 17.21). Ressalte para eles que os pais devem estabelecer os limites, mas a decisão de cumprir ou não é dos filhos.

2.2.    Limites, um ato de amor
Quem ama ensina e coloca limites. Os pais devem ensinar aos filhos a ouvir e aceitar o “sim” e o “não”. Deve-se sempre educar os filhos sob o princípio de que na vida não se pode fazer somente o que se quer (Pv 29.15). Ensinar que não se pode ter tudo que quer. Desejar tudo que quer é uma ilusão perigosa. Ensinar que nem tudo que se acha bonito é bom, pois nem tudo que reluz é ouro. Ensinar que não precisa experimentar de tudo na vida para saber que não vale a pena, pois algumas coisas não são legítimas nem boas, além de serem prejudiciais à saúde física e à vida espiritual.
É digno de nota salientar para os alunos que a atitude de um filho a respeito da sabedoria (Pv 2.2:29.3), o consentimento dele diante de uma tentação, tanto aceitando quanto recusando (Pv 1.10), que determina os seus caminhos. Ressalte para eles que o contrário da vergonha da família é a alegria que um filho sábio providencia (este é o tema da porção central do livro de Provérbios).

2.3. Disciplina à luz da Bíblia
A Palavra de Deus afirma em Hebreus 12.7-8 que é para disciplina que suportamos a correção, pois o nosso Deus nos trata como filhos. E faz uma simples pergunta: “Que filho há a quem o pai não corrige?”. Logo após, dá uma célebre resposta: “O filho que fica sem disciplina, da qual todos devem ser participantes, passa a ser bastardo e não filho”. Assim como somos corrigidos constantemente por Deus para o nosso próprio bem, visto que somos Seus filhos (Jo 1.12), mediante a fé (Ef 2.8-9), não devemos retirar a disciplina dos nossos filhos (Pv 23.13), mas devemos ter o cuidado para não os espancar. É uma atitude que necessita de moderação. Disciplina o teu filho e ele te dará descanso; dará delícias à tua alma (Pv 29.17). Mais do que nunca, é preciso que os pais entendam que o caráter, através do qual a sabedoria se expressa, é uma planta que cresce com mais força após ser podada (Pv 5.11-12; 15.32-33; Hb 12.11) - e isto desde os dias da infância (Pv 13.24; 22.6). No caso da criança entregue a si mesma, o único resultado que se pode prever é a vergonha para os seus pais (Pv 29.15).
Chame a atenção dos alunos para o fato de que a disciplina gera sabedoria, mas o filho entregue a si mesmo envergonha sua mãe (Pv 29.15). “O que retém a vara odeia seu filho, mas o que o ama, a seu tempo o disciplina” (Pv 13.24). Comente com eles que disciplina não é espancamento nem maus tratos, não é tirar sangue ou deixar uma cicatriz, é mostrar que não se pode ficar sem regras e correção. Reforce para eles que os pais precisam usar de sabedoria para corrigi-los. Não faça na rua, na igreja ou perto dos amiguinhos, isso pode envergonhá-los e marcar uma atitude nada conveniente dos pais.

3. Educar versus treinar
Ao educar nossos filhos, estamos passando valores éticos, morais e cristãos, mas, com o mundo agonizando por falta desses elementos, se torna uma missão dificílima, pois o que eles enxergam na sociedade, e às vezes até dentro das igrejas, são comportamentos totalmente desvirtuados dos conceitos bíblicos e valores cristãos. Mesmo com todas as dificuldades, precisamos preparar os filhos para o futuro, torná-los hábeis e capazes de vencer na vida.

3.1. Educar à luz da Bíblia
Os filhos precisam ser educados na disciplina e admoestação do Senhor (Ef 6.4). A Bíblia recomenda ensinar a criança no caminho em que deve andar e, ainda quando for velho, não se desviará dele (Pv 22.6). Não podemos deixar de transmitir os valores cristãos (teoria e prática) desde cedo. Inculque nos filhos a Palavra do Senhor desde criança, assentado em casa, andando pelo caminho, ao deitar e ao levantar (Dt 6.6-7).
Merece ser especialmente destacado para os alunos que, ao educar o filho, os pais precisam ter um Tratamento de educação, respeito e verdade. Nunca minta para o filho, pois, ao descobrir uma mentira sua, ele questionará todas as suas ações. Também não desqualifique o seu filho com palavras de maldição, como: “Você não será nada na vida” ou “Esse menino só nos traz problemas” (Tg 3.10).

3.2. Educar é treinar para a vida
Educar é um desafio diário e essa tarefa compete aos pais e não à igreja ou escola. Educar filhos para a vida é educar embasado no amor, equilíbrio emocional, limites e diálogo. Isso propiciará qualidade aos ensinamentos. Educar é, acima de tudo, dar exemplos. Invista tempo com seus filhos, ouça-os, ame-os incondicionalmente, não abra mão da disciplina, desenvolva diariamente a autoestima deles e nunca deixe de ensinar a amar a Deus e a Sua Palavra (Pv 22.6). Pais, Deus deu essa missão a vocês!
Não queira que o seu filho já tenha a sua experiência e a sua maturidade. Mostre para os alunos o seguinte versículo bíblico: “Quando eu era menino, falava como menino, sentia como menino, discorria como menino, mas, logo que cheguei a ser homem, acabei com as coisas de menino” (1Co 13.11). Diga para eles que ninguém nasce sabendo. Ninguém adquire experiência de um dia para o outro. Os nossos filhos vão sendo treinados aos poucos. Lembre para eles que uns podem demorar mais do que os outros.

3.3. A família e o comportamento infantil
O ser humano precisa de outras pessoas para se desenvolver, pois é um ser social. Na infância, há necessidade de a criança reproduzir o ambiente familiar onde vive. Através dos gestos, falas e atitudes, pode-se notar indicadores da relação familiar com a qual a criança está inserida. Como a família é um modelo cultural, social e emocional, a criança extrairá dele o aprendizado. É nessa fase de formação da personalidade que esse meio estabelece vínculos afetivos e construções de aprendizagens para toda vida. É necessário que a família esteja atenta às atitudes, formas e conteúdos que estão repassando, de forma indireta, às suas crianças.
Esclareça para os alunos que, quando um homem ama ao Senhor de maneira total, obedece totalmente às Suas palavras, que estão gravadas no coração. Comente com eles que o livro de Deuteronômio dedica importância especial à tarefa de ensinar a família (Dt 4.9; 6.20-25; 11.19). As exigências da aliança do Senhor devem ser o assunto da conversa a todo o tempo, em casa, no caminho, de noite e de dia. Instigue os alunos que já possuem filhos a dedicarem tempo do seu dia para falar de Deus a eles, para ler a Bíblia juntos, para ensinar os caminhos da oração. Diga para eles que ainda não são pais que se preparem para este grande momento. Precisamos amar a Palavra de Deus em todo o tempo. Nossos filhos certamente contemplarão os nossos hábitos e crescerão amando as Sagradas Escrituras.

Conclusão
Educar filhos nos dias de hoje é um desafio. Os pais devem se conscientizar de que não se pode criar filhos hoje como fomos criados no passado. A cada década, precisamos nos atualizar a respeito de como educar os nossos filhos. Não dá para pararmos no tempo e ignorarmos a evolução e a modernidade.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS:
Editora Betel 1º Trimestre de 2016, ano 26 nº 98 – Jovens e Adultos - “Dominical” Professor – CASAMENTO E FAMÍLIA – Projetos de Deus para o bem-estar da sociedade.

2 comentários:

  1. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  2. Educar os filhos é demasiadamente uma tarefa muito difícil, porque eles são seres sociais e que vive numa esfera tridimensional; Ex. família, escola, e sociedade. Então nós como pais, não podemos de forma alguma negligenciar a tarefa que Deus nos comissionou para nós fazermos, que é educá-los no caminho do Senhor, Provérbios: 22;6. Então digo que precisamos crer, que se fizermos a coisa certa, certamente não teremos com que nos culpar, se nossos filhos saírem da presença de Deus, acredito que da duas uma, ou eles obedece o que esta sendo ensinado para alcançar as bênçãos, e que seus dias sejam prolongados, ou vai pagar um preço muito caro, como aconteceu com o filho pródigo, que precisou perder tudo para valorizar o que tinha, e o que aprendeu com o pai, porque se os pais ensinarem aos filhos no caminho que devem andar jamais será esquecido, caberá a decisão de cada um, por isso que aquele provérbio em Israel foi mudado, onde o filho não poderá levar a culpa do pai, nem o pai levar a culpa do filho, porque a responsabilidade passou a ser pessoal, só isentamos do resultado desfavoráveis se não faltarmos com nossas responsabilidades, o que é para nós fazer tem que ser feito, mas quando sai das nossas diretrizes, será eles com o Senhor. Fato!

    ResponderExcluir

Obrigado por nos visitar! Volte sempre!