Pessoas que gostam deste blog

Lição 02 - Os perigos da febre das redes sociais



LIÇÃO 2 – 10 de abril de 2016 – Editora BETEL

Os perigos da febre das redes sociais

SLIDES / Visualizar / Baixar




VÍDEO 1


VÍDEO 2


VÍDEO 3


TEXTO ÁUREO

“Buscai ao Senhor enquanto se pode achar, invocai-o enquanto está perto.” Is 55.6

VERDADE APLICADA

Não podemos permitir que nada seja mais suficiente para nós do que uma vida verdadeira em Cristo.

OBJETIVOS DA LIÇÃO

• Ensinar como surgiram as redes sociais;
• Mostrar que as redes sociais não são totalmente ruins;
• Revelar que o que perdemos por nossos erros podemos recuperar em Cristo.

TEXTOS DE REFERÊNCIA

SI 128.1 - Bem-aventurado aquele que teme ao SENHOR e anda nos seus caminhos.
SI 128.2 - Pois comerás do trabalho das tuas mãos; feliz serás, e te irá bem.
SI 128.3 - A tua mulher será como a videira frutífera aos lados da tua casa; os teus filhos, como plantas de oliveira, à roda da tua mesa.
SI 128.4 - Eis que assim será abençoado o homem que teme ao SENHOR.
SI 128.5 - O SENHOR te abençoará desde Sião, e tu verás o bem de Jerusalém em todos os dias da tua vida.
SI 128.6 - E verás os filhos de teus filhos e a paz sobre Israel.

Redes sociais: como usá-las?
Se nos reportarmos ao início da era das telecomunicações, nos primeiros anos do século XX, observaremos que sempre existiu uma necessidade premente de unir distâncias através dos meios tecnológicos de emissão de mensagens. Podemos constatar também que todos os sistemas de comunicação, o telégrafo, o telefone, o rádio, a televisão e a internet, depois de criados foram aperfeiçoados para, cada vez mais, atingir a simultaneidade entre interlocutores, isto é, o homem sempre quis reproduzir o que Deus criou só que cobrindo distâncias cada vez maiores.
A língua falada cumpre de forma natural esse propósito, mas já a escrita, quando concebida, teve o objetivo de registrar as ideias formuladas e não podia ser transmitida de forma simultânea.
Vemos hoje uma necessidade cada vez maior de interlocução instantânea e isso foi proporcionado primeiramente pelo telégrafo, depois pelo telefone e finalmente pelo advento da internet. Temos uma quase perfeita junção dos conceitos de texto e imagem através das diversas redes sociais tais como Facebook, Twitter, Instagram, WhatsApp e outros. Podemos conversar também com nossos interlocutores através da rede mundial de computadores usando ferramentas como o Skype e o MSN, por exemplo.
Esses são os benefícios da modernidade. Quando sonharíamos há cinquenta anos atrás que, ao invés de conseguir uma ligação interurbana ou mesmo internacional caríssima e complicada para falar com nossos familiares distantes, bastaria um clique no mouse para estar “tête-à-tête” com eles?
Tudo muito bom se usado com critério. Mas tudo muito perigoso quando pensamos no nível de exposição a que somos submetidos na internet. Já parou para pensar nisso? É sobre esse tema que vamos nos debruçar nesta lição.
Um excelente e proveitoso estudo na Paz do Senhor Jesus!
Márcio Celso - Colaborador

Introdução
Nos últimos anos, as redes sociais se transformaram no maior meio de contato virtual. Porém, também contribuíram para o afastamento de muitos do seu convívio social. Abordaremos nesta lição este polêmico, mas real, tema.

1. O começo de tudo
O conceito de redes sociais teve seu início na segunda metade dos anos 90 do século XX com a criação dos chamados chats de bate papo. As pessoas começaram a se relacionar via Internet e a se conhecerem virtualmente. Em meados de 1995, foi criado o Mirc, site com a proposta de colocar as pessoas em contato através da rede mundial de computadores. A partir daí, foi dada a largada ao que chamamos de relacionamentos virtuais. O Mirc viria a ser substituído no início da década seguinte pelos chamados mensageiros instantâneos, como o MSN.

1.1. As primeiras redes sociais
Ao contrário do que muitos pensam, as redes sociais, como conhecemos hoje, não são algo novo, elas também tiveram as suas primeiras inserções na rede em meados de 1990. Na segunda metade da década, surgiu aquele seria considerado o precursor do Instagram, o Fotolog. Assim como a popular rede social de hoje, o Fotolog era utilizado para postagens de fotos com pequenos textos e também começava a tornar populares aqueles que criavam o seu perfil naquela rede. Nesta época, surgiu também o Flogão e ainda as páginas pessoais gratuitas, como Geocities, HPG e Kit Net. A grande diferença hoje é a exposição instantânea, devido ao acesso acelerado dos smartphones e à internet móvel.
Explique para os alunos que, com a chegada da internet móvel e o avanço da tecnologia dos aparelhos de telefone celular, as redes sociais ganharam grandes aliados, pois os usuários de tais meios de comunicação puderam ter um acesso quase que imediato à Internet. Comente com eles que, na época do Fotolog e Flogão, o usuário tinha que tirar as fotos em máquinas fotográficas, levá-las até um computador e assim colocá-las em seu perfil ou página. Isso, dependendo de cada usuário, poderia levar dias ou até semanas. A internet rápida aumentou a possibilidade de exposição imediata, fazendo crescer a procura pelas redes sociais.

1.2. Adolescentes e uma opção contra timidez
Ainda falando dos anos noventa, podemos destacar que a grande novidade desta época eram as salas de bate-papo, pois elas proporcionavam contato rápido com parceiros virtuais. Isso foi uma grande oportunidade para adolescentes tímidos que tinham dificuldade de se relacionar, principalmente com adolescentes do sexo oposto. Em 1996, surgiu o ICQ que, em menos de um ano, já contava com mais de um milhão de usuários, se tornando o veículo de mensagem rápida preferido desta faixa etária de internautas. O ICQ se manteve na liderança até o início dos anos 2000, depois de conquistar cerca de 160 milhões de usuários, quando perdeu a primazia para o MSN.
Explique para os alunos que as salas de bate-papo e os sites de relacionamentos não serviam apenas para encontros amorosos. Antes das grandes redes sociais serem criadas, estes meios de contato foram largamente utilizados por muitos empresários como espaço para realização de negócios. Muitos professores se utilizaram deles para darem aulas particulares a alunos com necessidade de reforço escolar e também serviu como porta de entrada de muitas igrejas no mundo virtual. Ressalte para eles que a utilização destes meios de comunicação não é de todo ruim.

1.3. Influenciando comportamentos
Ao longo das últimas três décadas, o comportamento humano vem sendo modificado pela influência deste tipo de acesso à Internet. Entretanto, foi na primeira década do século XXI que a exposição virtual apresentou um maior impulso. Em 2004, chegou à rede aquele que seria o grande inovador do conceito de rede social, o outrora maior site de relacionamentos da web, o Orkut. Este site, durante 10 anos, dominou o inconsciente dos internautas, tendo sido extinto pelos seus criadores em setembro de 2014, pela vertiginosa perda de espaço para redes que ofereciam melhores opções de acesso: o Twitter e o Facebook.
Mostre para os alunos como o Orkut influenciou os comportamentos e os relacionamentos durante os dez anos que permaneceu no ar. Através desta rede social, os indivíduos começaram a se expor, postando fotos e comentários em seu perfil e deixando transparecer sua maneira de pensar. Outros postavam coisas que não condiziam com sua verdadeira personalidade, criando assim, uma ideia falsa a seu respeito. Comente com eles que o Orkut influenciou até no vocabulário diário das pessoas, criando novas palavras e dando significados diferentes a outras já existentes.

2. O bem e o mal
Nosso estudo não tem a intenção de demonizar nem a Internet, nem as redes sociais, mas mostrar o que de bom e ruim temos tanto em uma, quanto em outra, já que essas têm servido de maneira satisfatória à pregação do Evangelho. O problema está no exagero.

2.1. A infelicidade nas redes sociais
Pesquisas realizadas por universidades através do mundo comprovam que o tempo de exposição às redes sociais vem causando infelicidade em muitos indivíduos. Alguns usuários têm se desesperado em busca de atenção nas redes e são capazes de divulgar os mais terríveis posts em busca de curtidas. Fotos extravagantes, e até mesmo íntimas, têm povoado a timeline (linha do tempo) de muitos internautas. Só isso já é suficiente para refletirmos sobre que tipo de valores têm permeado a nossa família e sociedade.
É importante mostrar para os alunos que alguns testes são realizados pelas redes sociais. Estes testes visam descobrir até onde os indivíduos podem ser afetados por aquilo que é colocado em sua “timeline”. A ideia é saber se há algum tipo de mudança no comportamento diante de determinado conteúdo. Isso é medido por aquilo que eles irão postar depois de expostos a conteúdos positivos ou negativos. Ressalte para eles que é uma espécie de teste de Pavlov virtual.

2.2. Comunhão com Deus em risco
Pesquisas comprovam que os brasileiros chegam a passar quatro horas diariamente nas redes sociais. Isso tem sido tremendamente nocivo para o seu crescimento individual, pois, quando confrontados acerca do porquê não estudar ou esforçar-se mais em busca de uma melhora profissional, muitos alegam falta de tempo. Esse tempo cedido às redes sociais pode, inclusive, afetar o nosso crescimento espiritual. Parte desse tempo poderia ser utilizada com a meditação da Palavra e contemplação das bênçãos recebidas do Senhor. O texto de Isaías 55.6 nos adverte a buscar o Senhor enquanto está perto. O uso exagerado das redes sociais promove o nosso afastamento de Deus, afetando a nossa comunhão com Ele.
Explique para os alunos que o grande mal que as redes sociais têm provocado está na mudança radical do comportamento humano. Muitos têm se tomado narcisistas, agindo desrespeitosamente em relação à opinião dos outros e, com um comportamento extremamente reativo, repleto de respostas prontas. Essa nova maneira de se relacionar tem se tornado, em alguns casos, um tanque de roupa suja. Reforce para os alunos que, infelizmente, essa mudança de comportamento tem provocado algumas desavenças entre os próprios irmãos em Cristo. Estamos deixando de observar as Escrituras (1Co 6.1-11).

2.3. O risco das invasões de perfis
Uma vida de fantasia tem levado muitos indivíduos a um estado de depressão. Geralmente, quando descobrem algumas farsas plantadas por sites inescrupulosos, ou então têm suas intimidades expostas por pessoas que outrora tinham como íntimas, passam a ter uma vida reclusa, com medo da discriminação da sociedade. Esse tipo de atitude, a exposição de intimidades, tem se multiplicado, causando a infelicidade de muitos usuários, pois inocentes têm tido seus perfis invadidos. A invasão de perfis tem sido responsável por muitas desavenças. Ao acessar a rede, os menos avisados podem se tornar presas fáceis para invasores, que irão utilizar seus perfis para fins promíscuos, como divulgar pornografia infantil, por exemplo.
Explique para os alunos que existe uma rede gigantesca especializada na prática de invasão de perfis e que qualquer um que acesse a Internet está sujeito a um ataque de hackers (invasores). Ressalte para eles que se receberem de alguém qualquer tipo de conteúdo suspeito, antes de julgar, procure informar-se com tal amigo para não fazer juízo temerário. As redes sociais podem sim criar muitas armadilhas, principalmente para quem não tem um bom domínio do uso da Internet. Por isso, é sempre bom buscar ajuda de quem tem conhecimento.

3. Lições práticas
O uso contínuo das redes sociais vem, ao longo do tempo, comprometendo os relacionamentos. Hoje em dia, temos um número sem fim de amigos nas redes, mas com quantos poderíamos contar em caso de real necessidade?

3.1. Um novo conceito de amizade
As redes sociais criaram um novo conceito acerca de amizade. Hoje, muitas amizades são pautadas em relacionamentos superficiais, os quais não oferecem nenhuma segurança. Em busca de amigos virtuais acabamos por perder a amizade de Jesus, o nosso melhor amigo (Jo 15.15).
Explique para os alunos que relações insípidas e impessoais promovem um vazio interior, pois o indivíduo acaba descobrindo que ninguém está realmente se importando com ele. Infelizmente, o que tem valido cada vez mais é o individualismo. O que parece ser maravilhoso, ter muitos amigos na rede, termina com uma grande sensação de abandono, levando muitos a sofrerem com a depressão.

3.2. O comprometimento do casamento
Muitas crises conjugais têm sido atribuídas às redes sociais. “Amizades” entre homens casados e moças solteiras têm causado muitas brigas entre casais. O esfriamento do contato com o cônjuge também tem sido a reclamação de muitas pessoas, principalmente as mulheres, que se sentem abandonadas por seus esposos. A Bíblia ensina que o homem deve deixar pai e mãe e unir-se a sua mulher, fazendo com ela uma só carne (Gn 2.24; Mc 10.7; Ef 5.31). Então, por que não deixar um pouco de lado os relacionamentos virtuais e valorizar o casamento, que Deus criou para realização de Seu maior projeto: a família? Em muitos casos, vemos a atenção aos filhos sendo negada em favor de uma vida voltada para o contato diário nas redes. Lembre-se de que os filhos são herança do Senhor e o cuidado deles é nosso compromisso (SI 127.3).
Esclareça para os alunos que a Internet não pode ser totalmente culpada pelo término de um casamento, mas que ela pode funcionar como desculpa. Então devemos vigiar para que não sejamos traídos por nossas ações. O apóstolo Paulo nos adverte a não abandonarmos nosso cônjuge em longos períodos de oração e consagração (1Co 7.5). Entretanto, muitos têm abandonado seus cônjuges por longas horas na Internet. Cuidado, a atenção negada pode ser oferecida por um enviado do diabo.

3.3. O resgate da perda
Podemos ter acesso a todas as coisas, entretanto não podemos nos deixar dominar por elas (1Co 6.12). Quando percebermos que o uso das redes sociais está fugindo do nosso controle, invadindo a nossa privacidade, afastando do nosso cônjuge e da nossa família, devemos imediatamente buscar o amadurecimento do fruto do Espírito, que nos garantirá o retorno a uma perfeita comunhão com o Senhor e esse retorno resgatará o que tivermos perdido.
Ressalte para os alunos que, quanto mais nos aproximarmos do Senhor menos interesses teremos em querer saber o que está “rolando” nas redes sociais. Uma comunhão perfeita com Deus produz em nós um desejo de ter uma vida real, com relacionamentos reais e duradouros. “O que Deus ajuntou não separe a Internet”.

Conclusão
Muitos relacionamentos têm sofrido pelo mau uso dos meios de comunicação, contudo, pudemos observar que existem meios de controlar esse uso e nos mantermos ligados à modernidade, sem nos afastar do que realmente tem valor para o homem: Deus e a família.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS:
Revista de Escola Bíblica Dominical – Betel – 2º Trimestre de 2016 – Ano 26 – Nº 99 - Professor

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Online