Pessoas que gostam deste blog

Lição 07 - Paz: o prazer inefável da tranquilidade e serenidade

LIÇÃO 7 – 15 de maio de 2016 – Editora BETEL

Paz: o prazer inefável da tranquilidade e serenidade

SLIDES / Visualizar / Baixar


VÍDEO 1


VÍDEO 2

VÍDEO 3

VÍDEO 4

TEXTO ÁUREO

“E a paz de Deus, que excede todo o entendimento, guardará os vossos corações e os vossos sentimentos em Cristo Jesus.” Fp 4.7

VERDADE APLICADA

A verdadeira paz produz uma sensação de prazer indescritível na vida de quem recebe o fruto do Espírito.

OBJETIVOS DA LIÇÃO

Ensinar como encontrar a verdadeira paz;
Revelar como desfrutar de uma paz permanente;
Mostrar que a certeza de vida eterna produz a paz.

GLOSSÁRIO

Âmbito: Circuito, recinto, campo de ação; esfera;
Fadado: Predestinado;
Infovias: Conjunto de linhas digitais por onde trafegam os dados das redes eletrônicas.


TEXTOS DE REFERÊNCIA

Rm 5.1 - Sendo, pois, justificados pela fé, temos paz com Deus, por nosso Senhor Jesus Cristo;
Rm 5.2 - Pelo qual também temos entrada pela fé a esta graça, na qual estamos firmes; e nos gloriamos na esperança da glória de Deus.
Rm 5.3 - E não somente isto, mas também nos gloriamos nas tribulações, sabendo que a tribulação produz a paciência;
Rm 5.4 - E a paciência, a experiência; e a experiência, a esperança.
Rm 5.5 - E a esperança não traz confusão, porquanto o amor de Deus está derramado em nossos corações pelo Espírito Santo que nos foi dado.

HINOS SUGERIDOS

3, 178 e 245.

MOTIVO DE ORAÇÃO

Peça a Deus que levante pessoas que busquem a justiça e a paz, e não os próprios interesses.

A paz que excede todo entendimento
            Uma pequena palavra, mas com um significado tão importante e raro em nossos dias: paz. Como encontrar a paz em um mundo tão conturbado, com tantas informações conflituosas, onde impera o imediatismo, a busca incessante por status, poder, dinheiro, fama e outras coisas tão fúteis?
            Desde a queda, no Éden, a humanidade pouco mudou. Continua belicosa e servidora dos interesses do maligno, e isso tem distorcido a visão que temos de paz. Não basta a ausência de conflitos, de guerras, choque de interesses, paz é algo maior.
            Vem de dentro de nós, através da ação do Espírito Santo de Deus em nossas vidas. Pela graça do Senhor Jesus Cristo e pelo seu sacrifício, somos povo separado e consagrado ao serviço do Pai Celeste.
E é, a partir desse momento, quando nos desviamos do mundo e tomamos o rumo norteado pela Palavra de Deus que, através dessa atitude, começamos a tomar contato com a verdadeira paz.
            É a paz que excede todo entendimento, a paz verdadeira, que não se abala por más notícias, tribulações nem problemas pessoais que possam nos atingir, mas que está plantada pelo cultivo do fruto do Espírito em nossos corações, mentes e almas.
            Essa paz sublime resiste a tudo e a todos, firmemente inculcada em nós, cristãos verdadeiros, como boa dádiva e dom perfeito, pela vontade do Pai das luzes, em que não há mudança, nem sombra de variação (Tg 1.17).
            A nós, feitos seus filhos pelo sacrifício de Cristo Jesus, cabe receber essa paz, protegendo-a de toda e qualquer interferência externa, lapidando-a como joia preciosa, presente sublime de nosso Deus poderoso, prova concreta de Seu inexplicável amor por nós!
            Que essa Paz que excede todo entendimento alcance e contagie a todos os irmãos!
            Márcio Celso - Colaborador

Introdução
Nesta lição, estudaremos a característica do fruto do Espírito que produz um efeito profundo na vida do servo de Deus. A paz mantém o indivíduo sereno e tranquilo mesmo em meio às tribulações da vida.

1. Em busca da verdadeira paz
A partir do momento em que começa a desenvolver o amor e o gozo, o cristão passa a sentir uma imensa sensação de paz, característica do fruto do Espírito que a humanidade mais tem buscado nos dias atuais. Porém, só alcança esta paz quem tem a certeza de que desfruta de um perfeito relacionamento com o seu Criador. Sem esse relacionamento, o indivíduo anda vagueando pelas infovias em busca de alguma paz (Fp 4.7).

1.1. Paz além do nosso entendimento
Em um de Seus diálogos com os discípulos, Jesus os acalentou acerca da paz que tanto o homem busca. As palavras do Mestre visavam trazer um sentimento de tranquilidade para aqueles que puderam experimentar a companhia do próprio Deus durante o Seu ministério terreno (Jo 14.27). Mais adiante, em outro momento especial, Jesus apresenta como essa paz se faria presente em meio ao Seu povo (Jo 16.7). Em Seu discurso, o Senhor apresenta o Espírito Santo como o agente desta paz. Quando o indivíduo começa a trabalhar em busca do amadurecimento do fruto do Espírito Santo, ele conhece a paz que foi apresentada pelo apóstolo Paulo aos filipenses: a paz que excede todo entendimento (Fp 4.7).
Explique para os alunos que as infovias são um conjunto de linhas digitais por onde trafegam os dados das redes eletrônicas, possibilitando através delas o acesso a todo tipo de informação sem um controle central, ou seja, tudo pode ser acessado por todos de maneira global (Dn 12.4). Comente com os alunos que a busca descontrolada por alguma coisa que possa produzir paz acaba por apresentar ao indivíduo um mundo de informações que podem danificar a sua forma de viver, levando muitos a perderem a comunhão com Jesus Cristo, o único que fornece a verdadeira paz.

1.2. O Príncipe da Paz
No texto bíblico de Isaías 9.6, Jesus Cristo nos é apresentado como o Príncipe da Paz. Este poderia ser encarado como mais um dos tantos títulos maravilhosos que são devotados ao nosso Deus (Ap 1.8). Entretanto, neste título existe uma diferença em relação a todos os outros, pois ele nos mostra que não existe como ser participante da verdadeira paz se não estivermos em uma comunhão perfeita com o Filho de Deus. A paz que nos é fornecida pelo Príncipe da Paz não está atrelada a acontecimentos externos, mas vem direto do Pai das luzes na pessoa do Seu Filho.
Explique para os alunos que a sociedade tem cada vez mais tentado provar que paz é a ausência de guerras. A cada dia, os governos têm procurado criar meios de se associarem com a criação de grupos formados por países, buscando um comércio comum e um sistema financeiro unificado (vide União Europeia e Mercosul). Esclareça para os alunos que tais organizações buscam promover uma paz entre nações, buscando a garantia de que não colocarão o mundo em risco de guerras (Tg 3.18). Mais uma vez, estamos diante dos apelos midiáticos, que visam colocar a todos em um lugar comum.

1.3. Vivendo em paz em um mundo turbulento
Viver neste mundo é viver em um barril de pólvora. Por todos os lados ouvimos notícias de guerras e rumores de guerras. A cada dia surge um novo inimigo público, seja no âmbito das nações, com grupos terroristas que aterrorizam a todos, ou no âmbito social, com elementos que se apresentam como paladinos das populações menos favorecidas em prejuízo de todo o resto da sociedade. Como viver em paz diante de um cenário como este? O passo a ser dado é ter paz com o Criador (SI 91.10). Quando temos paz com Ele, passamos a experimentar, através de Sua infinita graça, este sentimento de bem-estar e satisfação que só se manifesta na vida de quem está na presença de Deus (Rm 5.1-2).
Explique para os alunos que quando o cristão vive uma vida dedicada às coisas concernentes ao Reino de Deus, não teme nada, pois, ao ter uma caminhada dirigida pelo Espírito, tem as suas emoções controladas, impedindo que viva uma vida permeada de ansiedade (1Pe 5.7), medo e preocupações, ou seja, este tipo de sentimento não tem como ser traduzido de forma racional (Fp 4.7). Comente com os alunos que não saber explicar este sentimento não o toma impossível de ser sentido, mas estar em comunhão com Deus produz um sentimento de confiança que é desenvolvido pelo amadurecimento do fruto do Espírito Santo.

2. Um descanso permanente
A paz é um sentimento íntimo e profundo de sossego vivenciado pelo indivíduo, independentemente dos acontecimentos que o rodeiam.

2.1. Paz: serenidade em meio às lutas
Quando o indivíduo escolhe viver uma vida de paz com Deus, ele começa a ser presenteado por Ele com uma intensa posição de serenidade em relação ao que recebe de informações negativas. Mesmo em meio à tempestade e o medo dos discípulos, Jesus não saiu da Sua posição e, quando solicitado, forneceu a Sua serenidade a todos (Mt 8.23-27). Paulo, em sua carta aos Colossenses, disse que fomos chamados por Deus para uma vida de paz, que será vivida por todos que fizerem parte do Corpo de Cristo. Logo, devemos ser agradecidos e buscar produzir o amadurecimento do fruto do Espírito, através do qual dominaremos os mais profundos sentimentos em nossos corações (Cl 3.15).
Comente com os alunos que hoje já virou um jargão em algumas pregações a seguinte frase: “é muito fácil ser cristão quando tudo vai bem”. No entanto, esclareça para os alunos que para o cristão verdadeiro nunca as coisas irão mal, pois, se estiver em Cristo, no momento da tempestade, basta clamar que Ele irá acalmá-la. Ressalte para os alunos que o servo fiel deve manter, sempre, uma posição de serenidade, pois não há mal que poderá se abater sobre a sua vida (Sl 91.10).

2.2. Para vermos a Deus, temos que ter paz com os homens
A paz do fruto do Espírito é algo que deve ser compartilhado com todos aqueles com quem nos relacionamos. Viver em comunhão é fazer parte de um mesmo corpo e não se pode fazer parte de um corpo vivendo em um ambiente sem paz. Em sua carta aos Romanos, o apóstolo Paulo orienta que sempre que for possível devemos buscar viver em paz com todos (Rm 12.18). Viver em paz na sociedade tem como efeito principal o processo de santificação, pelo qual todos devem passar se desejarem ver a Deus (Hb 12.14). Se não buscarmos o amadurecimento da paz do fruto do Espírito Santo em nós, estaremos fadados a nos afastar cada vez mais do Criador, pois, se não cultivarmos a paz com o homem, não poderemos ter paz com o Senhor.
Explique para os alunos que a sociedade atual não tem interesse em promover a paz entre os homens. Quando do nascimento de Jesus Cristo (Lc 2.11), Deus declarou que o Seu desejo era que houvesse paz na Terra. Para que isso viesse a se tornar realidade, Ele estaria disposto a demonstrar boa vontade para com os homens (Lc 2.14). Comente com os alunos que nesta declaração do Senhor fica claro que se dependesse d’Ele a paz seria uma constante no mundo. Entretanto, a sociedade religiosa da época tratou de interferir nos planos do Senhor, se colocando entre o Cristo e os homens.

2.3. O homem sem Deus não tem paz
Os sentimentos de paz, sossego e serenidade são características que fazem do servo do Senhor um indivíduo diferente. A Palavra de Deus afirma que os que não servem a Cristo não experimentam a paz íntima e verdadeira (Is 48.22). Viver em um mundo onde não se tem certeza de nada é algo terrível para muitos. Mas, para quem conhece a Jesus de forma íntima, esta falta de certeza veiculada pela mídia não assusta, pois experimenta uma paz que firma todas as suas emoções em Cristo. Desfrutar de paz é descansar nos braços do Senhor e ter a certeza de um sono tranquilo. Nenhuma ameaça vinda de pessoas será capaz de tirar a paz de um servo fiel (SI 56.11; 118.6).
Explique para os alunos que a paz tem sido responsável pela manutenção da esperança entre os servos de Deus, recebida pela virtude do Espírito Santo (Rm 15.13). Em momentos de tribulação, sabemos que a paciência se manifesta e com isso um crescimento de nossa experiência, que irá fortalecer a nossa esperança nas vitórias que virão das mãos do Senhor (Rm 5.3-4). Comente com os alunos que os momentos de tribulações são, na sua maioria, momentos que devem ser encarados com serenidade, pois a serenidade nada mais é do que um posicionamento de quem desfruta da verdadeira paz do Espírito em Cristo.

3. Lições práticas
A primeira seção do fruto do Espírito conta com três características (amor, gozo e paz) que garantem ao indivíduo o desfrutar de uma vida equilibrada, pois permitem uma condição de tranquilidade, onde os sentimentos estão protegidos pela ação do Espírito Santo.

3.1. Certeza de vida eterna produz paz
Ao ter a oportunidade de experimentar o amor de Deus e desenvolvê-lo em relação ao próximo, o indivíduo passa a viver pleno de gozo, isto é, alegre por poder simplesmente ter a alegria de desfrutar das coisas boas da vida. O amor aliado à alegria produzirá um sentimento de imensa paz interior, que só tem aquele que desfruta da certeza de uma vida eterna com Deus (Jo 14.1-2).
Explique para os alunos que, ao desfrutar deste intenso sentimento de prazer produzido pela paz interior, o indivíduo passa a ter condições de rejeitar os apelos midiáticos impostos pelos meios tecnológicos. Enfatize para os alunos que, mesmo em momentos de angústia, o cristão encontrará socorro naquele que sempre está ao seu lado em todos os momentos (Sl 46.1).

3.2. Deus destrói os planos do diabo
Todos os dias somos atacados com informações. Muitas vezes não são nem de origens confiáveis. São notícias que ferem nossos princípios religiosos, morais e espirituais (Mt 18.7). Parece existir uma ação orquestrada pelo inimigo visando desestabilizar a todos, mas nenhuma arma forjada contra o povo de Deus prosperará (Is 54.17a). Nenhuma notícia ou evento fictício irá tirar o servo do Senhor do centro de suas faculdades mentais, pois Deus garante uma paz que finaliza toda tentativa projetada pelo diabo.
Explique para os alunos que o inimigo de nossas almas não desiste de tentar destruir a tranquilidade da humanidade. Comente com os alunos que, para desespero do inimigo de nossas almas, existe no mundo um povo que foi escolhido por Deus para provar que ainda que Satanás viva se utilizando de todos os meios para influenciar a sociedade ele não conseguirá dominar a Igreja do Senhor, que permanecerá pregando a Palavra da verdade e provando que se pode, sim, viver uma vida em paz, mesmo em um mundo inundado pelo mal (1Jo 5.19).

3.3. Cristo restaura a paz perdida pelo pecado
Através de uma atitude inadvertida, Adão se deixou levar pelo apelo de Eva e, não medindo consequências, tomou parte do pecado proposto por ela. Este ato levou toda criação ao sofrimento (Rm 8.22). Ainda assim, o Criador providenciou um meio para que o homem pudesse ter resgatada a paz vivida pelos dois no jardim do Éden. Em Jesus Cristo podemos vivenciar o mesmo sentimento de paz que Adão experimentou no paraíso (Jo 14.27).
Explique para os alunos que, assim como o diabo conseguiu fazer com que Eva fosse usada como seu instrumento para operar a queda de Adão, hoje ele tem se utilizado dos meios de comunicação e da tecnologia para desviar o homem de sua comunhão com o Criador (1Co 1.9). Merece ser especialmente destacado para os alunos que é preciso que a Igreja de Cristo esteja atenta para identificar até onde o uso da tecnologia não é prejudicial e não visa abalar a paz do indivíduo com notícias devastadoras.

Conclusão
Ao estudar o amor, o gozo e a paz, percebemos que elas se referem aos sentimentos do homem consigo próprio, isto é, fazem com que o indivíduo tenha uma vida melhor. O amadurecimento desta primeira seção do fruto do Espírito proporcionará um bem-estar indescritível para o homem.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS:
Revista de Escola Bíblica Dominical • 2º Trimestre de 2016 – Ano 26 – Nº 99 - Professor

Um comentário:

  1. O que realmente tira nossa paz é o fato de guerrear contra os impedimentos, e dificuldades, que impede de nós seres humanos, atingir nossos objetivos favoráveis, quanto à sobrevivência terrena, ou seja, testes de sobrevivências, que nos levará a vivermos angustiados, inseguros, e com medo, indagando conosco mesmo; de como será o fim da nossa vida; pra onde vou, o que acontecerá conosco, nos colocando assim numa guerra travada, tirando assim a nossa paz; Mas tudo isto se originou, por causa da entrada do pecado no mundo, por um homem (Adão). Mas digo que assim como tudo ficou mais difícil, após a entrada do pecado no mundo, em Cristo, passam a serem solucionáveis todos os apertos na vida, porque Ele oferece para todos nós um Reino de paz, como está escrito em Isaías cap.9; 6, que Ele é o príncipe da paz. E explico mais baseado no versículo que segue: E a paz de Deus, que excede todo o entendimento, guardará os vossos corações e os vossos sentimentos em Cristo Jesus. “Fp” 4.7. Quem tem Jesus, tem paz, porque a paz que Ele dá nos garantirá entendimento para compreender as coisas que nos cercam, com o propósito de confiar Nele plenamente, e por ter essa confiança como diz o Salmista: Aqueles que confiam no Senhor serão como o monte de Sião, que não se abala, mas permanece para sempre, então digo; não limite sua vida somente aqui na terra, mas procure a cada dia se envolver no mundo espiritual de Deus, que é viver seu Reino, e vivendo o seu reino, estarás tudo sobre o controle Dele, e estando tudo em Seu controle, teremos nossas vidas preservadas conforme também diz a sua palavra em Sl 37; 5,6. Entrega o teu caminho ao Senhor; confia nele, e ele o fará.E ele fará sobressair a tua justiça como a luz, e o teu juízo como o meio-dia. Oh! Glória!

    ResponderExcluir

Online