Pessoas que gostam deste blog

Lição 05 - Atributos indispensáveis de um profeta

Lição 05 – 30 abril de 2017 – Editora BETEL

Atributos indispensáveis de um profeta

SLIDES VISUALIZAR / BAIXAR

HINOS SUGERIDOS
Hino 306


Hino 322


Hino 505


VÍDEO 1


VÍDEO 2


VÍDEO 3


VÍDEO 4


TEXTO ÁUREO
Comentarista: Pastor Clementino de Oliveira Barbosa

“Não tomarás para ti mulher, nem terás filhos nem filhas neste lugar.” Jr 16.2

VERDADE APLICADA
O cerco a Jerusalém causou uma carnificina, eliminando famílias inteiras. Jeremias foi poupado da dor de perder a esposa e os filhos.

OBJETIVOS DA LIÇÃO
Aceitar os planos de Deus para as nossas vidas;
Conscientizar-se a assumir nossas responsabilidades diante de Deus;
Compreender que devemos falar a verdade sempre.

GLOSSÁRIO
Afrontar: Encarar de frente, pelejar, desprezar;
Diluir: Desfazer, dissolver em um líquido, tornar mais fraco, menos concentrado;
Hostil: Adverso, inimigo, provocante, que procura dar batalha.

LEITURAS COMPLEMENTARES
Segunda:                 Terça:                       Quarta:
Jr 16.3                        Jr 16.4                      Jr 16.6
Quinta:                      Sexta:                      Sábado:
Jr 16.7                       Jr 16.9                       Jr 16.11

TEXTOS DE REFERÊNCIA
Jr 16.2  Não tomarás para ti mulher, nem terás filhos nem filhas neste lugar.
Jr 16.5  Porque assim diz o SENHOR: Não entres na casa do luto, nem vás lamentar, nem te compadeça deles; porque deste povo, diz o SENHOR, retirei a minha paz, benignidade e misericórdia.
Jr 16.8  Nem entres na casa do banquete, para te assentares com eles a comer e a beber.
Jr 16.14  Portanto, eis que dias vêm, diz o SENHOR, em que nunca mais se dirá: Vive o SENHOR, que fez subir os filhos de Israel da terra do Egito.


MOTIVOS DE ORAÇÃO
Clame a Deus para que se dissipe qualquer obstáculo que impeça a pregação do Evangelho.

Introdução
Nesta lição, veremos que o profeta Jeremias só teve uma opção: falar a verdade! Seja qual for a palavra pronunciada por Deus, ela jamais cairá por terra e se cumprirá fielmente (Nm 23.19).

Firmes propósitos
Ao longo de seu ministério, Jeremias teve que enfrentar dura perseguição por mostrar-se fiel ao Senhor (Jr 15.15). Nesse aspecto ele não estava sozinho. Outro profeta chamado Urias também falou contra as políticas e práticas dos líderes de Jerusalém. Por causa disso, este foi sentenciado à morte, mas fugiu para o Egito. No entanto, o rei Jeoaquim conseguiu que o profeta fosse extraditado para Jerusalém, onde Urias foi executado (Jr 26.20-23).
Mais tarde, os líderes se voltaram contra Jeremias, iniciando uma campanha de ataques verbais contra ele e tentando encontrar maneiras de destruí-lo (Jr 18.18). Por fim, levaram-no a julgamento por falar contra Jerusalém, uma acusação pela qual exigiram a pena de morte (Jr 26.10-11). Felizmente, um oficial chamado Aicão interveio e foi capaz de poupar a vida do profeta (Jr 26.24). Mesmo assim, Jeremias foi aprisionado por causa de suas mensagens. Por fim, foi vingado quando suas predições de que Jeoaquim não morreria em paz em Jerusalém (Jr 22.18-19) se cumpriram por volta de 598 a.C. (2Cr 35.5-6).
A própria vida de Jeremias se tornou um ato simbólico representando o esforço de sua própria nação para calar sua voz profética. No início do capítulo 16 percebe-se uma mensagem autobiográfica vinda do Senhor, que evidencia o conhecimento do profeta. Ela é elaborada com base em três proibições feitas a Jeremias (Jr 16.2, 5, 8), cada uma delas seguida por explicações a respeito do povo, concluídas com um oráculo de julgamento padrão contra os rebeldes e idólatras.
A proibição contra o casamento era tanto um sinal para a nação e um ataque contra a reputação do profeta entre o povo. O celibato era incomum; famílias numerosas eram sinal da bênção de Deus sobre os indivíduos. Jeremias encarava a vida tendo Deus como seu único consolador.
A proibição de Deus contra a participação nos atos costumeiros do luto revela a natureza incomum da vida de Jeremias. Os três termos para tristeza – luto, lamentar, compadecer – são seguidos por três termos que se referem ao cuidado fiel de Deus – paz, benignidade e misericórdia – os quais Judá estava impedido de receber.
A casa do banquete era um salão de reuniões geralmente utilizado para festas de casamento. Jeremias era impedido de participar de qualquer cerimônia familiar significativa. A vida de Jeremias era um símbolo da condição de Israel e do afastamento entre Deus e Judá.
Jeremias não só entregou a mensagem preconizada por Deus para a nação de Judá, através de suas profecias, pregações e admoestações, como também adotou um padrão de vida completamente alheio ao costume da sociedade de então.
Tornou-se exemplo vivo do que Deus queria para os seus, indo de encontro a todas as convenções sociais da época. Essa atitude radical serviu para tornar evidente ao povo, aos dirigentes e sacerdotes de Judá, que o caminho que trilhavam não era o correto e que não havia como misturar-se com aquela sociedade corrompida.
Mais do que um profeta, Jeremias foi submisso e obediente servo na mão do Senhor, colocando a vontade do Altíssimo acima de quaisquer padrões de comportamento impostos pela corrupta Judá.
Casar-se poderia significar colocar-se em jugo desigual, frequentar o luto era chorar pelos mortos com os mortos, participar de festejos não era adequado para quem sabia que não haveria alegria alguma após a manifestação da ira de Deus.
Nada de diferente em nossa sociedade atual. Ou fazemos a diferença, tornando o mundo um lugar melhor através do ide do Senhor (Mc 16.15-16), preparando o Reino de Deus aqui mesmo na terra enquanto o Senhor não vier, ou nos misturamos à corrupção de um mundo decaído e sem futuro algum, perdendo nossa possibilidade de salvar os outros a nós próprios.
Não nos conformarmos com este status quo que reina na atualidade é mandamento (Rm 12.2), profetizar sobre as nações é promessa (Mt 28.18-19), viver diferentemente, confundindo sábios e fortes é privilégio (1Co 1.27-29). Tomemos posse, pois, de nosso chamado. Jesus está à porta (Ap 3.20).
Uma semana abençoada para todos, na Paz do nosso amado Senhor Jesus Cristo!
Márcio Celso - Colaborador

1.         Coragem: atributo indispensável
Jeremias foi preso covardemente após se recusar a profetizar o que o Senhor não lhe havia mandado. Após ser solto pelo rei, é posto em uma cisterna, onde não havia água senão lama, e Jeremias se atolou na lama (Jr 38.6). Para cumprir bem a missão transmitida por Deus, é necessário passar por alguns sofrimentos e aflições.

1.1.        Vai e fala aos ouvidos de Jerusalém
As ordens de Deus, num primeiro momento, parecem descabidas de amor ao povo de Judá. No entanto, se formos observar cada juízo que Deus transmitiu a Jeremias, percebemos que tinham como objetivo fazer com que o povo obedecesse e voltasse seu coração a Ele. Deus é justo e o povo sofreu as consequências dos seus atos. A rebeldia, ingratidão e autossuficiência do povo levaram-no a passos largos para a destruição. Jeremias não teve prazer nestas mensagens. Ele é conhecido como o profeta que chorava, pois sofria profundamente ao ver a angústia do povo, mesmo sabendo que o castigo era merecido. Obedecer a Deus é a melhor coisa que podemos fazer na nossa vida. Somente um profeta obediente à vontade de Deus, em meio à intensidade de tamanha desgraça, poderia anunciar a salvação e graça no juízo divino (Jr 29.4, 7).
Pessoas comuns dizem o que você quer ouvir, o verdadeiro profeta diz o que você precisa ouvir. O mais importante é não retroceder (Jo 16.33). Obedecer a Deus é sempre a melhor escolha a ser feita. Ele é Fiel e Justo e cumpre sempre o que diz. A despeito de todas as bênçãos divinas, Judá as ignorou, desprezando a promessa feita a Abraão (Gn 17.7), buscando outros deuses e se entregando ao engano (Jr 7.9). A adoração a Baal foi um dos mais graves pecados do povo de Israel, desde os tempos remotos. Eles ergueram cultos nos terraços das casas, nas ruas de Jerusalém e em todas as cidades de Judá (Jz 2.13; 1Rs 16.31-32; Jr 7.9; 11.13; 32.29). Por esta razão, os israelitas seriam dissolvidos como um pote de barro despedaçado (Jr 19.10-11). Jeremias, como boca de Deus, não tinha outra opção a não ser denunciar o seu povo (Jr 6.10). Por esse motivo, a porta de extermínio e infortúnio espiritual estava aberta.

1.2.     Uma genuína submissão
As narrativas históricas indicam que Jeremias foi submisso à vontade de Deus em tudo. O Senhor deu algumas ordens árduas ao profeta, como não casar (Jr 16.1-4); não entrar em funeral (Jr 16.5, 7); não entrar numa festa (Jr 16.8-9); pregar no portão da cidade (Jr 17.19, 21); ir à casa de um oleiro para vê-lo trabalhando (Jr 18.1, 6); comprar uma botija e fazer uma representação (Jr 19.1, 3). Jeremias sabia que para ter comunhão autêntica com Deus ele precisaria se submeter à Sua vontade. O aspecto importante que aprendemos com o profeta é que quando seguimos a Deus os resultados são duradouros e eficazes.
Submeter-se ao senhorio de Jesus Cristo é um dos ensinamentos centrais do cristianismo. A Bíblia relata em Lucas 14.27: “E qualquer que não levar a sua cruz, e não vier após mim, não pode ser meu discípulo”.

1.3.     Assumindo responsabilidades
Jamais desista de sua chamada. Jeremias em certo momento pensou em gerenciar uma pousada no deserto em vez de cumprir sua chamada (Jr 9.2). Jeremias havia se esquecido de que o Senhor o separou para ser um valioso profeta perante as nações. Entretanto, Deus explicou a Jeremias o que Ele queria que fosse feito: “Assim diz o Senhor: Põe-te no átrio da casa do Senhor, e dize a todas as cidades de Judá, que vêm adorar na casa do Senhor, todas as palavras que te mandei que lhes dissesses; não esqueças nem uma palavra.” (Jr 26.2).
A relutância à verdade varia largamente nos dias de hoje. Alguns escutaram os profetas que falam a verdade e deixaram seus maus caminhos. Outros, com seus corações endurecidos pela ação enganadora do pecado, não abriram mão de seus deleites. O profeta Jeremias nos ensinou que a nossa missão é clara. Não devemos abrir mão da verdade. Temos que ser impetuosos e nos recusarmos a diluir a Palavra de Deus. A cruz não é para os que duvidam.

2.         Uma única missão: falar a verdade
Quando o Senhor escolheu a Jeremias, era para que ele alertasse aos que estavam em pecados a abandonarem e se converterem ao Senhor de todo o coração, que deixassem de ser apenas religiosos. Esta é a verdadeira missão de um profeta: falar a verdade (Jr 26.3).

2.1.     Abandonado pelos próprios amigos
Nos dias de hoje, assim como nos dias de Jeremias, existe uma geração cruel, que não sabe ouvir a voz do Senhor. Os profetas são alvos de escárnio por confrontarem a mentira com a verdade. Os negócios pessoais estão acima da fé cristã. Jeremias foi desprezado pelos amigos (Jr 20.10). Jeremias era um homem solitário e abandonado, mas isso não impediu que o seu ministério tivesse êxito. Ele foi um dos mais ousados e destemidos profetas do Antigo Testamento.
Sob a direção de Deus, o profeta Jeremias condenou repetidas vezes aqueles que eram perversos, injustos e desonestos. Ele também chamou de imorais todos aqueles que tinham abandonado a adoração pura do Senhor, caindo na desgraça da idolatria. Ele exortou o povo de Judá a deixar estas práticas (Jr 18.11). Diante destas palavras, até seus “amigos” se afastaram (Jr 12.6).

2.2.     Como Jeremias levava a vida
Querendo ou não, um homem como Jeremias incomodava muita gente. A atitude de muitos era dar risadas do profeta (Jr 20.7). Outros o perseguiam (Jr 11.21; 18.18). Outros, ainda, o amaldiçoaram (Jr 15.10). Por causa da sua missão, ele não casou, não ia a festas e nem a velórios (Jr 16.5, 7-8). Ele realizou várias ações simbólicas, como comprar um cinto e escondê-lo até apodrecer (Jr 13.1, 11); comprar um pote e quebrá-lo logo em seguida (Jr 19.1, 15); andar com uma canga nas costas pelas ruas de Jerusalém (Jr 27.2; 28.10, 14). Vivia como um estranho (Jr 23.9).
Quanto mais o profeta Jeremias se empenhava, o povo não abandonava seus pecados. Jeremias percorria a rua da Santa Cidade, isto é, Jerusalém, e constatava o estado de abandono ao Senhor nas praças (Jr 5.1).

2.3.     Contaminados pelo adultério
A imaginação do povo de Judá estava pautada em adultérios generalizados. A fantasia sexual afastava o reino de Judá do Senhor com seus pensamentos lascivos (Jr 5.7-8; 13.27; 23.10, 14; 29.23). Com estas práticas, o caminho da destruição era questão de dias, haja vista que a miséria espiritual estava intensa neste momento. Judá descia cada vez mais a ladeira da perversão, esquecendo-se do Senhor, buscando um prazer desenfreado no sexo, que os afastava do verdadeiro Deus. Jeremias, ao pregar contra esta prática insana, foi rejeitado por todo o povo, que preferiu continuar em suas desordens espirituais.
O profeta Jeremias, como descendente de sacerdotes, sabia muito bem que a prática de adultério era condenada pelo Senhor (Êx 20.14). O sexo fora do casamento continua sendo pecado. O adultério na Palavra de Deus é considerado crime, pois é contrário à Lei de Deus. Não devemos cobiçar, imagine tocar em uma mulher que não é nossa (Êx 20.17). Em Levítico 20.10 foi instituído que, caso advenha um adultério, o adúltero e a adúltera serão punidos com a morte. Que possamos vigiar e estar atento às ciladas de nosso adversário.

3.         Assumindo os riscos
Jeremias foi um profeta admirável, prova disso foi que Deus notou nele alguém que seria leal à Sua missão (Jr 1.7-8). Por quarenta anos, Jeremias teve a responsabilidade de profetizar como porta-voz do Senhor. Em tempo de idolatria, impurezas e luxúria sem comparação, o profeta deveria servir de exemplo a vida e no caráter, adorando ao verdadeiro Deus de Israel.

3.1.     Deus está no controle
Quando os sacerdotes, profetas e a população ouviram a mensagem a respeito da ruína do templo e a destruição de Jerusalém, eles ficaram furiosos e levaram o profeta na presença dos príncipes para ser morto (Jr 26.8). Jeremias repetiu novamente suas palavras aos príncipes (Jr 26.12-14), que não viram mal algum nelas (Jr 26.16). O Senhor quer apenas que confiemos n’Ele e o mais Ele fará. Ele sempre envia alguém para nos socorrer. Não duvidemos. Creiamos somente (Êx 23.20).
Em meio a todos os profetas do Antigo Testamento, o mais hostil e, ao mesmo tempo, mais amoroso para anunciar o chamado ao arrependimento do povo de Judá foi Jeremias, cumprindo assim a sua missão de ser a boca de Deus aos homens de sua nação. Por permanecerem fora da presença do Senhor Deus, os sacerdotes de Judá não perceberam que Jeremias era um profeta enviado de Deus para a nação. Nos dias de hoje não é diferente, pois muitas pessoas agem do mesmo modo. Que triste! Quando abrirem os olhos, poderá ser tarde demais.

3.2.     O valor de um sábio conselho
Jeremias em meio ao abandono de todos, continua a falar com firmeza que toda aquela destruição era culpa do próprio povo de Judá e de seus líderes, que deveriam admitir suas responsabilidades pelos seus pecados. Assim como no reino do Norte, que havia sido derrotado pelos assírios em 722 a.C., o povo de Judá sofreria uma derrota esmagadora, se tentasse afrontar a Babilônia. Neste momento, Jeremias aconselha a se render a esta potência para não sofrer um dano maior (Jr 27.11-12). O povo, obstinado por seus pecados, não ouviu seus conselhos. A situação da liderança era tão grave que Deus disse que nenhum dos filhos diretos de Joaquim, rei de Judá, se assentaria no trono de Davi (Jr 22.30).
De modo óbvio, Jesus não é filho, literalmente falando, de Davi, que viveu cerca de 1000 anos antes que Jesus surgisse na cidade de Belém. Jesus é retratado na Bíblia como filho de Maria, concebido por obra do Espírito Santo, como lemos nos evangelhos. O título “filho de Davi” é dado a Jesus por causa de sua genealogia, isto é, ele é parente de Davi, descende de Davi, sem sombra de dúvida.

3.3.     A destruição de Judá era uma questão de tempo
Jeremias faz uma análise da realidade, criticando em sua totalidade o povo por sue pecados (Jr 9.14; 17.19, 27; 22.1). Jeremias enumera uma série de atos cometidos pelo povo de Judá: desonestidade, assassinatos, injustiças com os pobres, transgressão do sábado, perseguições aos verdadeiros profetas, etc. Pecados deste tipo eram vistos com bons olhos pela população da época, mas decididamente não eram normais aos olhos do Senhor. Se eles pudessem antevir o que estava para acontecer, as coisas seriam diferentes. A destruição deste povo para Deus era uma questão de tempo.
A Palavra de Deus nos admoesta a não sentarmos na roda dos escarnecedores. A nação de Israel caiu em um enorme engodo do diabo, isto é, acreditar que Deus nos isenta de nossa culpa (Gl 6.7). Deus nos escolheu para sermos santos e irrepreensíveis (1Pe 1.16). O abandono das leis de Deus impeliu o povo para andar em uma terra de heresia, induzindo-os a caminhar em pecado. Este colapso social da nação de Israel é uma decorrência do abandono da verdade divina (Jr 2.6).

Conclusão
A mensagem do profeta Jeremias é impregnada de palavras árduas ao povo de Judá. Percebemos ainda assim que suas pregações foram rejeitadas por um povo rebelde, que insistiu em caminhar para o castigo divino: a destruição pelas mãos dos babilônios.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS:
Editora Betel 2º Trimestre de 2017, ano 27 nº 103 – Revista da Escola Bíblica Dominical - Jovens e Adultos – Professor – Jeremias – Deus convoca Seu povo ao arrependimento – Pr. Clementino de Oliveira Barbosa.
Sociedade Bíblica do Brasil – 2009 – Bíblia Sagrada – João Ferreira de Almeida – Revista e Corrigida.
Sociedade Bíblica do Brasil – 2007 – Bíblia do Obreiro – João Ferreira de Almeida – Revista e Atualizada.
Editora Vida – 2014 - Bíblia Judaica Completa – David H. Stern, Rogério Portella, Celso Eronildes Fernandes.
Editora Vida – 2014 – Bíblia de Estudo Arqueológica – Nova Versão Internacional.
Editora Central Gospel – 2010 - O Novo Comentário Bíblico – Novo Testamento – Earl D. Radmarcher, Ronald B. Allen e H. Wayne House – Rio de Janeiro.
Editora Vida – 2004 – Comentário Bíblico do Professor – Lawrence Richards.

Editora Central Gospel – 2005 – Manual Bíblico Ryken – Um guia para o entendimento da Bíblia – Leland Ryken, Philip Ryken e James Wilhoit. 

5 comentários:

  1. otima explanacao.me ajudou muiti.Deus abcoe

    ResponderExcluir
  2. muito bom...
    Deus lhe de cada dia mais conhecimento.

    ResponderExcluir
  3. Gostei, Deus continue te usando!

    ResponderExcluir
  4. Amém! Louvado seja Deus pelos vasos que se dispõem para expansão do Reino!

    ResponderExcluir
  5. Quando somos injustiçados por andar na verdade e apregoar ela, e não ser compreendido, por meio carnal na verdade não subsistiremos, mas, quando a chama arde de dentro para fora, para obedecer o que tem que ser feito, de forma correta, nos levará a entender que seremos alcançado pelo premio que virá da mão de Deus, no dia da sua vinda, não espere recompensas somente aqui, mas a que vem de Deus, que é muito melhor e especial . OH! GLÓRIA!

    ResponderExcluir

Online