Pessoas que gostam deste blog

Revista Conectar+ Lição 12 - Chegando na casa do Pai

Revista Conectar+ • 18 de junho de 2017

Lição 12 – Chegando na casa do Pai

Texto de referência
Colossenses 3.12-17

Versículo do dia
“Todo o que o Pai me dá virá a mim, e o que vem a mim de maneira nenhuma o lançarei fora.” Jo 6.37

Objetivos da lição
Entender o que é ser uma nova criatura.
Aplicar os princípios do amor ao próximo no trato com todos.
Apoiar os novos convertidos em suas necessidades.

Para impactar
Deus convida a todos para fazer parte de sua família, porém alguns já fazem parte a um bom tempo, outros são recém-chegados e a estes devemos mostrar o verdadeiro amor cristão, pois a Bíblia diz que o amor é paciente.

Momento de oração
Que possamos servir ao Senhor com alegria e devoção em todo o tempo e que possamos prosseguir pela sua gloriosa luz.

Leitura Semanal
Segunda      Terça             Quarta           Quinta           Sexta             Sábado
Mc 2.17          Rm 8.30         1Co 1.9          Cl 3.15           1Pe 1.15        1Pe 2.9         

Introdução
A lição de hoje trará a lembrança a história de vida de muitos alunos, que vieram ao mundo perdidos, arrasados pelo pecado e que encontraram a gloriosa luz de Cristo, mudando toda a trajetória da nossa, até então, miserável vida. Compreender o novo convertido é a melhor forma de ajudá-lo e firmá-lo na fé em Cristo Jesus.

#Pontochave
“Pensar no próximo demonstra um caráter moldado em Cristo e faz com que olhemos as pessoas além de suas aparências externas, como elas realmente são.”

1. Na casa do Pai
1.1. Restaurando o lar
No princípio Deus havia criado uma casa para o ser humano, linda, amigável e perfeita, porém, o pecado entrou nesta casa e mudou o curso da história (Rm 5.12). Deus, em sua infinita misericórdia, restaurou esta casa através do sangue de Jesus derramado na cruz do Calvário. Esta casa chama-se comunhão (Rm 6.23). Quando o novo convertido chega à casa do Pai, tudo para ele é novo, tudo que ele vai viver confrontará aquilo que ele foi até a sua conversão. “Mas vós sois geração eleita, o sacerdócio real, a nação santa, o povo adquirido, para que anuncieis as virtudes daquele que vos chamou das trevas para a sua maravilhosa luz.” (1Pe 2.9).

1.2. Dando o devido valor
A parábola do filho pródigo (Lc 15.11-32) deixa muito claro como o novo convertido chega à casa do Pai, ele chega com fome, sedento e sujo do pecado e, muitas vezes, desesperado por uma oportunidade de mudar sua vida. Nós temos que mostrar e falar a estes pródigos que o Pai sempre os estará esperando, não para ser um jornaleiro, mas sim, para chama-los de filhos.
“Levantou-se, pois, e foi para seu pai. Estando ele ainda longe, seu pai o viu, encheu-se de compaixão e, correndo lançou-se ao pescoço e o beijou.” (Lc 15.20).

#Pararefletireadorar
“Há uma doce teologia do coração que só se aprende na escola da renúncia.” A. W. Tozer.

2. Uma nova criatura
2.1. O processo de conversão
As pessoas que se convertem a Cristo passam por um processo ao qual o próprio Jesus se referiu em Mateus 16.24: “Então disse Jesus aos seus discípulos: Se alguém quiser vir após mim, renuncie-se a si mesmo, tome sobre si a sua cruz, e siga-me;”.
Renunciar é um processo de purificação, tomar a cruz é santificação e seguir a Jesus é a busca pela perfeição (Fp 3.12).

2.2. Não é tão simples
Se tornar uma nova criatura não significa que não passará por dificuldades, frustrações e decepções, mas sim, entender que já não está mais sozinho e que agora está acompanhado pelo Espírito Santo e pelos irmãos que serão peças importantes neste processo de caminhada espiritual.

3. O verdadeiro amor cristão
3.1. Aprendendo com o Mestre
Nos dias de hoje é muito comum ouvirmos mensagens sobre amor, porém, muito se ouve e pouco se pratica. A vida secular nos envolve de maneira avassaladora, faculdade, trabalho, namoro, cursinho e tantas outras coisas. Acabamos esquecendo aquilo que se demonstra como essência nas Escrituras Sagradas, o amor ao próximo. Um certo dia, Jesus foi questionado por um moço sobre como herdaria a vida eterna; Jesus lhe disse que, cumprindo os mandamentos, e ele respondeu que, desde a infância já os praticava. No entanto, ele não sabia o que viria após. O Mestre lhe diz que deveria vender tudo o que tinha, repartir entre os menos favorecidos e segui-lo, porém aquele jovem se entristeceu e foi embora. A verdade é que esta passagem deixa claro que nossa vida cristã está firmada em boas obras, e não as fazemos para sermos salvos, as fazemos porque somos salvos.

3.2. Curando a solidão
Pensar no próximo demonstra um caráter moldado em Cristo e faz com que olhemos as pessoas além de suas aparências externas, como elas realmente são. Em se tratando do novo convertido, esses cuidados são muito importantes, pois muitas vezes ele vem do mundo do pecado, marcado pela solidão, desprezo, angústia e tantos sentimentos destrutivos que só podem ser tratados pelo Espírito Santo e pelo amor dos irmãos. Mas, como sabemos que estamos andando no caminho certo? Quando ajudamos sem esperar reconhecimento e méritos. Quando apenas um sorriso ou um muito obrigado já nos satisfaz, ou quando simplesmente nos colocamos diante de Cristo e dizemos: eis-me aqui, Senhor!

Subsídio para o educador
A conversão tem sua eficácia instantânea como diz 2Co 5.17, porém, o que pode muitas vezes confundir esse novo membro do corpo de Cristo são as consequências pelas decisões erradas de uma vida inteira antes de sua conversão. Um exemplo típico e a situação do jovem que vive uma vida ilícita, mata, rouba, furta e faz tantas outras coisas erradas, até que é alcança do pelas mãos de Deus e se converte ao Senhor. Sua mudança é imediata, mas as consequências de seus atos passados poderão trazer-lhe alguns prejuízos (é a lei da semeadura e da colheita), como ser preso. Todavia, ele não estará só nessa colheita, pois Cristo agora é seu companheiro, tornando seu fardo mais leve e o seu jugo suave (Gl 6.14-15).

Conclusão
Todos temos que compreender e amar os novos convertidos, porque, assim como eles, Deus foi paciente conosco, sempre nos amou e nunca desistiu de nós, mesmo quando estávamos no lamaçal do pecado. Por isso, o nosso tratamento para com os que estão chegando agora pode ajudar a definir quem eles serão diante dos homens e de Deus por toda a vida.

#Ficaadica
Para a psicologia, resiliente seria alguém capaz de se tornar uma pessoa melhor depois de uma situação traumática, ou seja, ao invés de se entregar ao sofrimento e dor, transforma o trauma em um aprendizado para ajudar outros que passam pela mesma situação.
O primeiro passo do pródigo seria perceber e superar o comportamento ou trauma do passado, pois após o arrependimento, nenhuma condenação há para os que estão em Cristo.
Em segundo lugar, ele precisará sentir-se amado e novamente inserido na casa do Pai e, por último, terá oportunidade de se tornar uma pessoa de sucesso, ajudando outras pessoas, através de suas experiências, em seu meio de convívio.

Referências Bibliográficas

Editora Betel - Conectar + - Revista da Escola Bíblica Dominical – 2º Trimestre de 2017 – Ano 1 – Nº 1.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Online