Pessoas que gostam deste blog

Revista Conectar+ - Lição 13 - 25 de junho de 2017

Revista Conectar+ • 25 de junho de 2017

Lição 13 – Levita, sacerdote ou samaritano?

Texto de referência
Lucas 10.25-37

Versículo do dia
“Aparta-te do mal e faze o bem; e terás morada para sempre.” Sl 37.27

Objetivos da lição
Conhecer o que verdadeiramente é amor ao próximo.
Praticar o bem sem olhar se nos trará recompensa.
Entender que a nossa recompensa não consiste em bens materiais.

Para impactar
Não necessitamos de credenciais ou de reconhecimento para fazer o que é certo, só precisamos de um coração aberto e impulsionado pelo Espírito Santo.

Momento de oração
Que o Senhor Jesus possa moldar-nos segundo o Seu caráter para que a Sua luz resplandeça em nós e sejamos assim um instrumento de bênção para outras vidas dentro e fora da Igreja.

Leitura Semanal
Segunda      Terça             Quarta           Quinta           Sexta             Sábado
Tg 4.17          Gl 5.13           1Co 13.1       Pv 10.12        Cl 3.14           1Jo 3.16       

Introdução
A vida é formada por momentos e, na juventude, começamos a entender a chamada de Deus para nossa vida, iniciando a identificação de talentos, seja no louvor, no ensino, na liderança ou em outros campos. Porém, muitos jovens, por serem mal orientados, perdem o verdadeiro sentido de sua chamada e acabam tomando decisões errôneas na sua vida.

#Pontochave
“Analisando esta parábola conseguimos perceber que os três personagens veem a mesma cena e cada um olha a situação de uma maneira diferente.”

1. Uma bela parábola
1.1. Uma lição do Mestre
Para exemplificar isso temos uma parábola que identifica muito essas situações: O bom samaritano. A Bíblia relata que um doutor da Lei indagou a Jesus sobre como herdar a vida eterna, e o Mestre acaba lhe respondendo com outra pergunta: o que diz a Lei?
Depressa ele respondeu que deveria amar a Deus de todo o coração e ao seu próximo. Mais uma vez o doutor da Lei lhe pergunta: quem é meu próximo?

1.2. Jovem, quem é o seu próximo?
Fica claro que, aos olhos humanos, o nosso próximo é aquele que sempre está perto, o amigo da faculdade, nossos familiares, a namorada, o vizinho desde a infância, mas não podemos esquecer que a nossa ótica não é mais humana e sim sobrenatural, através do Espírito Santo.
O nosso próximo pode ser qualquer pessoa, seja ele um doutor ou um incauto, um milionário ou um mendigo, o que realmente importa para Deus é o quanto estamos dispostos a nos entregar e nos sacrificar pelo nosso próximo sem esperar reconhecimento, sem esperar gratidão, ou melhor, sem esperar nada, agindo simplesmente por amor.

#Pararefletireadorar
“Há maior número de pessoas dispostas a se afastar do pecador do que dispostas a se afastar do pecado.” D. L Moody.

2. Uma nova criatura
2.1. Duas posições, um olhar
Analisando esta parábola, conseguimos perceber que os três personagens veem a mesma coisa e cada um olha a situação de uma maneira diferente, pois cada um dos três coloca na balança se realmente valeria a pena ajudar alguém desconhecido, que não traria reconhecimento social e que, humanamente falando, estava à beira de um caminho, machucado, e que não teria condições de devolver a ajuda.

2.2. Olhar de levita
Levitas eram os descendentes da tribo de Levi, que era um dos doze filhos de Jacó. Essa tribo ficou conhecida no episódio do bezerro de ouro, quando Moisés voltou do monte Sinai e viu o povo adorando um ídolo. Terrivelmente irado, Moisés disse que o povo deveria se voltar para o Senhor e, nessa hora, os descendentes de Levi se levantaram para servir somente ao Altíssimo (Êx 32.26). Após esse episódio, os descendentes da tribo de Levi tornaram-se ministros de Deus e auxiliares dos sacerdotes, sendo responsáveis pelos utensílios do tabernáculo.
Talvez tenhamos olhado para as pessoas como este levita na parábola, nos considerando próximos de Deus por ter uma função na igreja, estarmos no meio dos grandes nomes ministeriais, cuidarmos dos utensílios, porém não estamos cuidando de pessoas, de almas, de vidas (1Jo 3.17).

2.3. Olhar de sacerdote
No livro de Josué vemos que os sacerdotes desempenhavam um papel mais importante que os levitas, somente os sacerdotes tinham a tarefa crucial de transportar a arca do Senhor. Vemos no decorrer das passagens bíblicas que o sacerdote era um representante dos homens perante Deus e, às vezes, um representante de Deus perante os homens. Talvez, diante desse cargo tão elevado, o sacerdote, vendo aquele moço machucado tenha pensado que alguém santo como ele não deveria tocar em alguém literalmente imundo. Às vezes achamos que somos santos demais para fazer algo relevante na vida de alguém irrelevante, porém a Bíblia diz em Romanos 3.10: “Não há um justo sequer”. Só nos tornamos diferentes quando aprendemos a cuidar dos iguais.

3. Um olhar diferente
3.1. Olhando como Jesus
O olhar do Samaritano – O credo samaritano consistia em seis artigos: crença em um único Deus, em Moisés, na Lei, no monte Gerizim como lugar indicado por Deus para sacrifícios, no dia do julgamento e na volta de Moisés, como Taheb (Restaurador). Eles tinham suas diferenças teológicas com os judeus, porém, quando viu aquele moço caído e precisando de ajuda, o personagem samaritano da parábola esqueceu qualquer diferença doutrinária, de crenças, de cultura, simplesmente agiu com misericórdia e fez exatamente como Jesus faria, fez e ainda faz na vida de cada um de nós. Adotou-nos sem olhar quem éramos, nosso histórico, nossas debilidades, Jesus ele simplesmente nos amou e nos acolheu sem que pudéssemos retribuir de alguma forma a tão sublime amor.

Subsídio para o educador
Peça aos seus alunos que digam um de cada vez, como é sua reação quando alguém pede ajuda na rua ou na frente do mercado ou em algum lugar público, até em sua própria casa. Depois de responderem, mostre-lhes que quando ajudamos alguém, Deus não está se atentando para quem pede, mas para quem ajuda. Um ditado oriental diz que rico não é aquele possui mais e sim aquele que tem maior capacidade de doar. “Porque tive fome, e destes-me de comer, tive sede e destes-me de beber, era estrangeiro e hospedastes-me, estava nu e vestistes-me, adoeci e visitastes-me, estive na prisão e fostes ver-me.” (Mt 25.35-36)

Conclusão
Para amar ao próximo não precisamos de cursos teológicos, conhecimentos em hermenêutica e tantos outros atributos, precisamos simplesmente olhar à nossa volta, ver os que precisam de nós, e nos perguntar: o que Jesus faria? (Rm 12.9-10).

#Ficaadica
Alguns estudos em institutos que cuidam da saúde humana revelaram que ser caridoso traz satisfação e faz com que o organismo libere serotonina, endorfina e dopamina, substâncias relacionadas ao prazer, diminuindo o cortisol, hormônio responsável pelo estresse. Quem faz o bem ao outro, faz bem a si mesmo, o corpo, a mente e a alma agradecem.

Referências Bibliográficas

Editora Betel - Conectar + - Revista da Escola Bíblica Dominical – 2º Trimestre de 2017 – Ano 1 – Nº 1.

Um comentário:

  1. Boa tarde a Paz do Senhor,
    o link da aula 01 Pentateuco esta abrindo a aula 13 do trimestre passado.

    ResponderExcluir

Online