Pessoas que gostam deste blog

Lição 03 - 16 de julho de 2017

Revista Conectar+ • 16 de julho de 2017

Lição 03 – A queda do homem

Texto de referência
Gênesis 3.1-24

Versículo do dia
“Porque, assim como todos morrem em Adão, assim também todos serão vivificados em Cristo.” 1Co 15.22

Objetivos da lição
Entender por que o homem caiu.
Reconhecer a nossa dependência em Deus.
Aprender que o Senhor prefere um coração arrependido a uma justificativa infundada.

Para impactar
            A queda do homem foi a porta que se abriu, para o pecado entrar, acomodar-se e fazer morada, até que o verdadeiro dono da casa chegou e colocou o pecado no seu devido lugar: “Para fora”!

Momento de oração
            Que a nossa oração seja de gratidão ao Senhor Jesus, lembrando-nos de que Ele levou sobre si aquilo que pertencia a nós: o pecado e a condenação.

Leitura Semanal
Segunda      Terça             Quarta           Quinta           Sexta             Sábado
Gn.3.12         Gn 3.17         Rm 5.14         1Co 15.45     Jó 31.33        Os 6.7           

Introdução
Nesta lição veremos o primeiro contato do homem com o pecado, suas consequências a curto, médio e longo prazo. Adão diante da sua atitude descobriu que o pecado gera um triste sentimento em Deus: “a decepção”.

#Pontochave
“O pecado nada mais é do que a transgressão das ordens de Deus, desta forma, ele faz com que a inocência comece a dar lugar a malícia, a pureza dê lugar a maldade e a vida dê lugar a morte”.

1. A queda
Segundo o dicionário Aurélio, queda quer dizer cair, prostrar-se. Foi exatamente o que aconteceu com Adão diante do pecado, ele caiu.

1.1. A ordem de Deus
A Bíblia relata que tendo o Senhor criado o homem, trouxe-lhe algumas ordenanças a serem seguidas. A primeira regra foi que o homem deveria dominar os animais sobre a terra, caracterizando-o assim como um ser intelectual e dominador (Gn 1.26).
            A segunda regra era que Adão deveria cuidar do Jardim do Éden, lavrando e guardando (Gn 2.15). Já a terceira regra, a mais importante, abordava que Adão poderia comer tudo aquilo que o jardim tinha a lhe oferecer, exceto a árvore do conhecimento do bem e do mal (Gn 2.17).
Entendamos que na terceira ordem, o Senhor acrescenta que uma sentença diante da regra: “no dia em que dela comeres, certamente morrerás”.

1.2. Desobedecendo a ordem
A história bíblica nos relata que Deus fez uma companheira para o homem, Eva. Viviam felizes, até que Satanás através da serpente entra na história, para mudar todo o rumo da raça humana.
            A Bíblia relata que a serpente conversa com Eva, e a mulher se mostra conhecedora das regras que o Senhor havia imposto (Gn 3.3).
            Então a serpente usa uma metodologia de convencimento da qual é dominante, a mentira (Gn 3. 4-5).
            A mentira da serpente convenceu Eva a experimentar o fruto, que não ficou satisfeita em comer sozinha, oferecendo-o a seu marido, que também o comeu. A partir desse momento se instalava na humanidade algo que mudaria todo o curso da raça humana, o pecado.
O pecado nada mais é do que a transgressão das ordens de Deus, desta forma, ele faz com que a inocência dê lugar a malícia, a pureza dê lugar a maldade e a vida dê lugar a morte.

#Pararefletireadorar
“O pecado é um desafio à justiça de Deus, um roubo à sua misericórdia, um zombar de sua paciência, um desprezo ao seu poder e um desdém ao seu amor.” John Bunyan.

2. Tentando se esconder
Agora manchados pelo pecado e conhecedores do bem e do mal, Adão e Eva percebem que suas emoções e sua comunhão com Deus mudam de forma drástica.

2.1. Sentindo o pecado
Diante do livre arbítrio, ou seja, da livre escolha, o primeiro casal do mundo começa a sentir na pele os sintomas do pecado.
            1º - Sentiram vergonha da sua nudez (Gn 3.7).
            2º - Temeram encontrar Deus (Gn 3.10).
            3º - Descobriram que o pecado traz consequências terríveis (Gn 3.13-20).

2.2. Perdendo o privilégio
Ter comunhão com Deus é um grande privilégio, pois somos protegidos, consolados, exortados e amados por Ele; porém o pecado nos afasta desses privilégios, nos leva a um caminho de trevas e retira toda nossa proteção, é como caminhar de olhos vendados em uma estrada cheia de pedras, espinhos e obstáculos, onde a linha de chegada é um grande abismo e a recompensa é a morte.
“Eis que todas as almas são minhas; como a alma do pai, também a alma do filho é minha; a alma que pecar, essa morrerá” (Ez 18.4).

3. Justificar não é reconhecer
Há uma grande diferença entre reconhecer o erro e justificá-lo, sendo que o primeiro necessita de arrependimento e o segundo apenas de sagacidade.

3.1. Tentando justificar
Quando Deus foi passear no jardim, viu que Adão e Eva tentavam se esconder, mas como se esconder de um Deus Onisciente, Onipotente e Onipresente? Era simplesmente impossível, e o Senhor pergunta a Adão: “Onde estás?” Parecendo inclusive uma brincadeira de esconde-esconde entre pai e filhos.
            Esse questionamento Deus fez simplesmente, para que confessassem que haviam descoberto sua nudez través do pecado, mas o que aconteceu depois deste momento foi crucial para a história da raça humana, ao invés de reconhecer o erro Adão o justificou (Gn 3.12).

3.2. Reconhecer é o melhor remédio
O reconhecimento é fundamental no processo do perdão, pois primeiro reconhecemos o erro, e depois nos arrependemos de tê-lo praticado, e por último somos perdoados.
            Adão quis jogar a culpa do pecado em Eva, mas a quem foi dada à ordem de guardar o jardim?
            E a sentença do homem deixa claro o tamanho de sua responsabilidade: “Maldita é a terra por causa de ti” (Gn 3.17).

Subsídio para o educador
Professor, nesta lição tratamos sobre o pecado, e aprendemos que justificar não é o melhor caminho. Apresente aos alunos a diferença entre as pessoas na Bíblia que tentaram se justificar e os que realmente se arrependeram, mostre a seus alunos o fim de cada um deles e encerre questionando se é melhor justificar-se ou se arrepender.
            Ex.: Pedro, depois de negar a Jesus, arrependeu-se, e o resultado disto foi o fato de ter se tornado um grande ganhador de almas.
            Adão quis se justificar, foi expulso do jardim.
            Davi se arrependeu de ter pecado com Bate-Seba, e foi perdoado.
Saul quis se justificar a Samuel, explicando por que havia queimado o holocausto, e o reino dele não subsistiu.

Conclusão
Adão errou em pecar, Errou mais ainda em querer justificar o seu pecado, trazendo a maldição do pecado sobre a terra, mas naquele mesmo dia Deus disse que da semente da mulher viria àquele que venceria satanás, a morte e o pecado, JESUS.
“Porque, como pela desobediência de um só homem, muitos foram feitos pecadores, assim, pela obediência de um, muitos serão feitos justos” (Rm 5.19).

#Ficaadica
Logo após um erro, o sentimento que nos toma é a frustração, este é o mesmo sentimento de quando pecamos. Mas, como nos levantar diante das frustrações?
            A pesquisadora Carol Dweck fez um teste com mais de 400 crianças, trabalhando a inteligência delas através de problemas matemáticos, fez elogios a eles, a algumas crianças pelo esforço e a outras pela inteligência, os que foram reconhecidos pelo esforço não se frustraram com os erros, mas pensavam em melhorar, já as crianças inteligentes tinham medo de errar e se frustrar.
Se o pecado te fez cair, se esforce, continue em frente sem medos e apenas confiante em Deus.

Referências Bibliográficas

Editora Betel - Conectar + - Revista da Escola Bíblica Dominical – 3º Trimestre de 2017 – Ano 1 – Nº 2 – Servos na Lei, amados na Graça.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Online