Pessoas que gostam deste blog

Lição 08 - Apresentando ao Senhor nossos questionamentos

Lição 08 – 24 de maio de 2020 – Editora BETEL

Apresentando ao Senhor nossos questionamentos

SLIDES VISUALIZAR / BAIXAR

HINOS SUGERIDOS

Hino 3

Hino 4

Hino 5

VÍDEO

Sobre os nossos questionamentos perante o Senhor
O Livro III dos Saltério consiste em dezessete salmos, do 73 ao 89. Todos têm títulos indicando nomes pessoais: onze são de Asafe, três de Corá, um de Davi, um de Hemã e um de Etã. Todos os tipos de salmos estão representados, com exceção do salmo de penitência; seis salmos de lamentação, cinco de culto, adoração, louvor e ações de graça; três de sabedoria, um imprecatório, um litúrgico e um messiânico. Alguns dos salmos mais admiráveis e preciosos do Saltério estão nessa seção.
Salmo 73: O Problema dos Ímpios que Prosperam, 73.1-28
Tipificado como literatura sapiencial, o Salmo 73 é o primeiro de um grupo de onze ligados a Asafe pelo título ou sobrescrito. Ele trata do mesmo tema abordado pelos Salmos 37 e 49: Por que um Deus justo permite que o ímpio prospere e o justo sofra e seja afligido? Uma boa parte da literatura sapiencial no AT reflete essa questão. Os provérbios ressaltam a bênção dos justos e a miséria dos transgressores. Jó examina essa tese do ponto de vista de um homem justo que sofreu muito. Eclesiastes trata desse tema tendo como referência um homem um tanto vaidoso e cínico que não era “demasiadamente justo” (Ec 7.16), mas que, mesmo assim, “tinha tudo” no que diz respeito à riqueza, cultura, prazer e luxo.
Muitos estudiosos têm comentado acerca da semelhança entre o Salmo 73 e o livro de Jó. Robinson diz: “O autor do Salmo 73, por exemplo, semelhantemente ao grande poeta que escreveu o livro de Jó, deparou com a questão do sofrimento e suas consequências, e nos leva a participar da sua própria batalha espiritual”. Oesterley comenta: “Em certo sentido, esse salmo é um resumo e símbolo do livro de Jó [...] ele lida com o mesmo problema, segue a mesma linha de pensamento e oferece um dos poucos esboços do AT acerca da genuína doutrina da imortalidade [...] Surge um problema no pensamento religioso, assim como ocorre na ciência, por conta de um choque aparente entre teoria e fato. Ou a teoria precisa ser abandonada ou outros aspectos da verdade precisam ser elucidados para alinharem os fatos discordantes no plano universal. A teoria aqui é o caráter de Deus, conforme revelado pelos grandes profetas; o fato conflitante é a aparente injustiça e desigualdade da retribuição divina.
1. O Problema dos Justos (73.1-3)
Os primeiros três versículos relatam, de maneira sucinta, o problema espiritual do salmista. Sua fé afirma o fato de que Deus é bom para com Israel [...] para com os limpos de coração (1). Os puros de coração certamente são abençoados (Mt 5.8). O salmista parte dessa fé e retorna a essa mesma fé. Mas antes disso, certos fatos devem ser trazidos para o foco certo. Ele viu seus pés espirituais quase se desviarem (2) e disse: Eu tinha inveja dos soberbos, ao ver a prosperidade dos ímpios (3). Os homens sempre serão levados a lutar com os problemas apresentados pelo sucesso aparente e a prosperidade dos ímpios e de homens sem escrúpulos, e o sofrimento e as privações suportados por aqueles “dos quais o mundo não era digno” (Hb 11.38). Muitos permitem que suas perguntas se transformem em dúvidas prejudiciais em relação à justiça e bondade de Deus.
2. A Prosperidade dos ímpios (73.4-12)
A riqueza, o orgulho e a prosperidade dos ímpios são descritos em termos vívidos. O fato de isso não ocorrer com todos os injustos não obscurece a realidade de ser verdade para muitos. Não há apertos na sua morte, mas firme está a sua força (4) pode ser traduzido como: “Eles não passam por sofrimento e tem um corpo saudável e forte” (NVT). Eles parecem estar livres de “canseiras” (5; ARA), seguros na sua soberba e incontrolados na sua violência ou conduta sem escrúpulos (6). No meio de um povo primitivo que sempre está à beira da fome, os ímpios têm mais do que o seu coração deseja (7). Sua conversa é cínica e perversa, presunçosa e blasfema (8-9). Os versículos 10-11 são traduzidos de maneira mais clara por Moffatt: “Por isso o povo se volta para eles e não vê nada de errado neles, pensando: ‘Quanto Deus se importa? Acaso, há conhecimento no Altíssimo?’” Apesar da sua impiedade, esse povo prospera e os seus habitantes estão sempre em segurança, e se lhes aumentam as riquezas (12).
3. Progresso rumo à Solução (73.13-20)
A luz do que havia observado, o salmista foi levado a questionar se ele havia em vão purificado o seu coração e lavado as suas mãos na inocência (13). Se os ímpios “progridem”, por que se preocupar em ser bom? Na verdade, castigo e aflição têm sido sua sorte (14). O versículo 15 mostra que, mesmo que tenha pensado essas coisas, ele não expressou suas dúvidas em voz alta — porque ao fazê-lo “teria traído os teus filhos” (NVI). Ele havia guardado as suas dúvidas para si mesmo. Mesmo assim, a sua ponderação era dolorosa: Fiquei sobremodo perturbado (16).
Finalmente a luz invade a escuridão quando ele entra no santuário de Deus (17). Então ele vê que o Senhor não acerta imediatamente as contas com todos. De modo súbito, ele entende que o ímpio que prospera, a quem ele havia insensatamente invejado, foi colocado em lugares escorregadios (18) e destinado à destruição (18). Desolação e terrores são o seu destino (19). Como tudo muda em um sonho (20) no momento em que se acorda, assim ocorrerá quando Deus “acordar” para julgar; tudo será invertido, como ocorreu com o rico e Lázaro (Lc 16.19-31). Desprezarás a aparência (“imagens”, Berkeley) deles.
Lawrence Toombs expressou, de modo eloquente, a seguinte percepção: “Não raras vezes, como no caso do salmista, a situação é vista de uma maneira diferente no santuário do que quando se está no mundo. O salmista sentiu que a dificuldade estava no seu ambiente. No santuário ele percebeu que a dificuldade estava nele mesmo [...] No santuário, o centro da vida do salmista foi mudado de si próprio para Deus [...] A mudança de foco possibilitou uma revelação surpreendente. Mesmo na sua pobreza e opressão, ele possuía a única coisa no mundo digna de valor: a presença de Deus em sua vida (23). Estar com Deus, ter sua orientação e conselho e ser o herdeiro das suas promessas (24) é um tesouro que, em comparação com as posses das pessoas do mundo, é de maior valor [...] A prosperidade dos ímpios era um sonho. A presença de Deus era a realidade.
4. A Perspectiva da Eternidade (73.21-28)
A nova percepção trouxe uma confissão imediata e humilde (21-22; cf. Jó 42.3-6). Os rins (21) simbolizavam os sentimentos ou a consciência. Muitas vezes, quando surge uma nova luz, nós nos perguntamos: Por que não vi isso antes? A presença contínua de Deus era o maior tesouro que a vida podia oferecer (23). A orientação aqui e a glória no futuro são a certeza dos santos (24). Quem poderia desejar mais? No céu ou na terra, nada podia ser melhor do que a presença do próprio Senhor (25). Embora o corpo se torne fraco e finalmente desvaneça, Deus será a sua porção para sempre (26). Os comentaristas discordam em relação à clareza que o salmista tinha ao visualizar a glória além-túmulo. Certamente o que Oesterley observa é verdadeiro: “Aqui mais uma vez se expressa a condição primária para a vida no futuro: comunhão com Deus. Mas nesse salmo podemos perceber, de forma mais completa, o resultado dessa comunhão. A união com o Deus eterno e imutável não pode ser interrompida pela morte. Como durante a vida nesta terra Deus está com o seu servo, assim no mundo vindouro Deus estará com ele. Na presença de Deus há vida”.
Os versículos 27-28 apresentam um resumo claro acerca do destino final totalmente diferente dos ímpios e dos justos: Eles perecerão e serão destruídos (27). Mas, para mim, bom é aproximar-me de Deus; pus a minha confiança no Senhor Deus, para anunciar todas as tuas obras (28). A expressão: apostatando, se desviam de ti (27) descreve a infidelidade espiritual contra o Amante das suas almas.
Salmo 77: Canção em vez de Pesar, 77.1-20
Este é um salmo de lamentação que, como tantos outros do seu tipo, começa na sombra da tristeza e termina com um cântico de alegria. Acerca dos termos do título veja: “Jedutum”, Introdução do Salmo 39 e “Asafe”, Introdução do Salmo 50. A caracterização desse Salmo por Morgan é significativa:
O versículo 10 é o pivô desse salmo, passando da descrição de uma experiência de escuridão e tristeza para a descrição de alegria e louvor. A primeira parte relata uma tristeza que está esmagando a alma. A segunda descreve um cântico que é o resultado de uma visão que apagou a origem da tristeza. Na primeira parte, uma grande enfermidade ou debilidade obscurece o céu, e não se ouve nenhum cântico. Na segunda parte, vemos o irromper de um grande cântico, e a tristeza é esquecida. A diferença está entre um homem que se preocupa com as dificuldades e um homem que vê Deus entronizado lá no alto. Na primeira parte, o ego predomina. Na segunda, Deus é visto em sua glória. Um aspecto muito simples desse salmo deixa isso perfeitamente claro. Nos versículos 1 a 9, o pronome pessoal da primeira pessoa ocorre vinte e duas vezes, e há onze referências a Deus por nome, título e pronome. Na segunda parte, há apenas três referências pessoais e vinte e quatro menções de Deus.
A mensagem do salmo é que focar na tristeza deixa a pessoa quebrada e desanimada, enquanto olhar para Deus faz com que a pessoa cante mesmo no dia mais escuro. Quando nos conscientizamos de que nossos anos estão nas mãos dele, encontramos luz por toda parte e nosso cântico se eleva”.
Visto que o salmo é basicamente um lamento pessoal, nenhuma ocasião histórica pode ser encontrada. Uma indicação possível da data da composição é a semelhança entre os versículos 16-20 e Habacuque 3.10-15. Embora a opinião entre os estudiosos difira, a prioridade do salmo parece clara. Sendo assim, ele seria datado antes de 600 a.C. Outros veem na referência a “Jacó” e “José” (15) uma indicação de que o Reino do Norte (José) ainda existia e preferem uma data antes de 722 a.C.
1. Tristeza (77.1-3)
Dia e noite o salmista buscava o Senhor zelosamente em oração. Ele estava profundamente angustiado. A KJV traduz a primeira parte do versículo 2 da seguinte forma: “Minha chaga me afligia de noite”. Isso sugere uma enfermidade física como uma das fontes da sua tristeza. No entanto, a ARC segue uma tradução mais natural do texto hebraico: a minha mão se estendeu de noite e não cessava, indicando os braços estendidos em súplica. Qualquer que seja a causa da sua profunda tristeza, sua alma recusava ser consolada, conforme Gênesis 37.35, em que Jacó se recusou ser confortado quando recebeu a notícia da suposta morte de José. ANVI traduz com propriedade o versículo 3: “Lembro-me de ti, ó Deus, e suspiro; começo a meditar, e o meu espírito desfalece”. Selá (3): cf. comentário em 3.2.
2. Busca (77.4-9)
Ao chegar no seu limite, o salmista inicia sua busca por Deus. Ele lembra bênçãos passadas, e sua alma irrompe em uma agonia de questionamentos. A memória de dias melhores no passado intensifica a dor do estado presente. O sono foge dos seus olhos e suas tristezas o fazem ficar sem fala (4). Os anos dos tempos passados (5) seriam “os anos de longa data (passado)”. A miséria do momento traz à memória tempos passados quando havia um cântico de noite (6; cf. 42.8; Jó 35.10). Meu espírito investigou por algum raio de luz no meio da escuridão.
A direção da busca do salmista é mostrada por meio de seis perguntas que saem dos seus lábios. Esses são gritos genuínos do coração e, não obstante, retóricos, no sentido de que eles claramente requerem uma resposta negativa. Deus não o rejeitará para sempre (7); Ele não deixará de se tornar favorável novamente; sua benignidade (“graça”, ARA; “amor”, NVI) não cessou para sempre (8); sua promessa não acabará; Ele não se esqueceu de ter misericórdia (9); Ele não encerrou (refreou) as suas misericórdias na sua ira.
3. Entrega (77.10-15)
As perguntas são seguidas de uma série de compromissos indicados por repetidas promessas de entrega (10-12). O salmista começa a tirar a atenção de si mesmo e voltar-se ao Salvador e encontra na memória da fidelidade passada a fé para o cumprimento futuro. Isto é enfermidade minha (10) provavelmente significa: “Esta é a minha provação, que Deus tem colocado sobre mim”. A última parte do versículo é de difícil interpretação e tem sido entendida de várias formas: “Esta é minha tristeza: que o Altíssimo já não tem mais a força que tinha” (Moffatt); “Isto é a minha aflição; mudou-se a destra do Altíssimo” (ARA); “Isto é a minha aflição; a mão direita do Altíssimo muda” (Berkeley). Aqui o salmista alcança o ponto mais baixo. A única saída do fundo do poço é para cima, e dessas profundezas de dúvida o salmista começa sua ascensão (cf. Int. do salmo).
A memória das obras do Senhor (11), as obras de Deus, os seus feitos (12), o seu caminho (13) compelem à conclusão por meio de outra pergunta retórica: Que deus é tão grande como o nosso Deus? O teu caminho [...] está no santuário tem sido traduzido de várias formas: “Teus caminhos [...] são santos” (NVI); “Teu procedimento é divino” (Moffatt); “O teu caminho [...] é de santidade” (ARA). Todas enfatizam a pureza e justiça dos caminhos de Deus. Tu fizeste notória a tua força (14), tanto por meio de demonstração como por declaração. Com o teu braço remiste o teu povo (15) é uma típica descrição veterotestamentária do imenso poder de Deus no Êxodo (cf. Êx 15.16; Is 63.12).
4. Soberania (77.16-20)
A supremacia de Deus tanto na natureza como na história é celebrada na seção final desse salmo. O versículo 16 é similar ao versículo 3 do Salmo 114, em que tanto o mar Vermelho como o rio Jordão são mencionados. Nas duas situações, o poder de Deus sobre as águas foi evidente: e tremeram. Aguaceiro, trovão, relâmpagos (17) e terremoto (18), todos são evidências do poder do Deus Criador. Aquele que formou a terra também a controla. Pelo mar foi teu caminho, e tuas veredas, pelas grandes águas; e as tuas pegadas não se conheceram (19) — como Perowne menciona: “Nós não sabemos, eles não sabiam, por quais meios exatamente ocorreu o livramento [...] e não precisamos saber; a obscuridade, o mistério aqui, e em outras partes, fazia parte da lição [...] Tudo que conseguimos enxergar distintamente é que no meio dessa noite escura e terrível, com o inimigo se aproximando por trás, e o mar à frente, Ele conduziu seu povo como ovelhas pela mão de Moisés e Arão”. Por intermédio do terror e mistério de cruzar o mar Vermelho brilha o milagre do cuidado de Deus pelo seu povo, como um pastor pelo seu rebanho. Embora fosse pela mão de Moisés e de Arão (20), foi o Senhor que os guiou.
Extraído do Comentário Beacon – Volume III.
Uma semana abençoada para todos os irmãos na Graça e na Paz do Senhor Jesus Cristo!
Márcio Celso
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS:
Editora Betel 2º Trimestre de 2020, ano 30 nº 115 – Revista da Escola Bíblica Dominical - Adultos – Professor – A família natural segundo os valores e princípios cristãos –Salmos – Uma referência para a vida de adoração e oração do cristão – Pr. Adriel Gonçalves do Nascimento.
Sociedade Bíblica do Brasil – 2009 – Bíblia Sagrada – João Ferreira de Almeida – Revista e Corrigida.
Sociedade Bíblica do Brasil – 2007 – Bíblia do Obreiro – João Ferreira de Almeida – Revista e Atualizada.
Editora Vida – 2014 - Bíblia Judaica Completa – David H. Stern, Rogério Portella, Celso Eronildes Fernandes.
Editora Vida – 2014 – Bíblia de Estudo Arqueológica – Nova Versão Internacional.
Editora Central Gospel – 2010 - O Novo Comentário Bíblico – Antigo Testamento – Earl D. Radmarcher, Ronald B. Allen e H. Wayne House – Rio de Janeiro.
Editora Central Gospel – 2010 - O Novo Comentário Bíblico – Novo Testamento – Earl D. Radmarcher, Ronald B. Allen e H. Wayne House – Rio de Janeiro.
Editora Vida – 2004 – Comentário Bíblico do Professor – Lawrence Richards.
Editora Central Gospel – 2005 – Manual Bíblico Ryken – Um guia para o entendimento da Bíblia – Leland Ryken, Philip Ryken e James Wilhoit.
Editora CPAD – 2017 – História dos Hebreus – Flávio Josefo.
Editora CPAD – 2005 – Comentário Bíblico Beacon.
Editora Vida – 2014 – Manual Bíblico de Halley – Edição revista e ampliada – Nova versão internacional – Henry Hampton Halley – tradução: Gordon Chown.

Obrigado por nos visitar! Volte sempre!