Pessoas que gostam deste blog

Lição 03 - Tratando de comportamentos persistentes de desobediência


Lição 03 – 20 de janeiro de 2019 – Editora BETEL

Tratando de comportamentos persistentes de desobediência

SLIDES VISUALIZAR / BAIXAR

HINOS SUGERIDOS
Hino 84

Hino 225

Hino 305

VÍDEO

Sobre a desobediência
            Nesta semana, o comentarista de nossa Revista, o Pr. Israel Maia, debruça-se sobre o Transtorno de Oposição Desafiante (TOD). Clinicamente este transtorno está classificado como doença psicossomática, categoria CID-10 (DSM-V).
            Esse transtorno psicológico, agora devidamente catalogado pela psicologia clínica é encontrado principalmente em crianças, pré-adolescentes e adolescentes e se configura como disruptivo, porque os indivíduos que apresentam esse transtorno tendem a causar perturbação para aqueles ao seu redor, se colocando em conflito com as normas sociais ou figuras de autoridade.
            Psiquiatras definem o Transtorno de Oposição Desafiante como um padrão persistente de comportamento desobediente, hostil e desafiador contra figuras de autoridade (pais ou professores, na maioria das vezes). Crianças e adolescentes com TOD são rebeldes, teimosos, se opõem a adultos e se recusam a obedecer. Frequentemente têm explosões de raiva e dificuldade para controlar suas emoções.
            Obviamente, qualquer criança ou adolescente, até os mais comportados, podem ocasionalmente serem hostis ou se recusarem a cooperar. Entretanto, naqueles diagnosticados com TOD, os comportamentos de raiva, oposição e agressão são constantes. Crianças com esse transtorno tendem frequente e ativamente a desafiar os pedidos ou normas dos adultos e deliberadamente aborrecer a outras pessoas.
            Usualmente elas tendem a ser coléricas, ressentidas e facilmente se aborrecem com outras pessoas, a quem culpam por seus próprios erros e dificuldades. Elas geralmente têm uma baixa tolerância à frustração e rapidamente perdem a paciência.
            No Transtorno de Oposição Desafiante são frequentes os seguintes comportamentos:
            ● Desobediência – frequentemente se opõe as regras.
            ● Desafia normas e recomendações de adultos ou superiores.
            ● Ignoram solicitações.
            ● Propositalmente irritam e perturbam os outros.
            ● Culpam os outros pelos seus próprios erros.
            ● Apresentam ressentimento e surtos de raiva frequentes.
            ● Buscam por vingança.
            ● Apresentam hostilidade.
            ● Agridem verbalmente.
            Dentro de uma ótica cristã, é óbvio que não devemos encontrar esse tipo de patologia psicológica na Igreja do Senhor, pois a Palavra de Deus está toda fundeada no exercício da obediência. Porém, segundo fontes pesquisadas pelo autor da Revista, esse comportamento pode se manifestar dentro de nossas congregações.
            Nesse caso, o que temos que fazer é tentar aquilatar o grau de veracidade da manifestação desse distúrbio psicológico, entrando com as providências cabíveis para o tratamento e a cura dos indivíduos, orientando-os a procurar tratamento psicoterápico e medicamentoso. Além disso, é necessário cuidar da parte espiritual dos indivíduos acometidos por esse mal, acolhendo-os na nossa comunidade com amor, dedicação, oração e ministração da Palavra. Certamente o reencontro com os Estatutos do Altíssimo será de grande valia.
Não só crianças ou adolescentes sofrem com esse transtorno, mas adultos podem manifestar esses mesmos sintomas e esse é um ponto que requer cuidado especial. Adultos que já tiveram manifestações anteriores de TOD quando crianças ou adolescentes, podem desenvolver Transtorno de Conduta, muito mais nocivo e de difícil tratamento, tanto psicológico quanto espiritual.
Estejamos atentos à todas essas manifestações estranhas ao comportamento do Corpo de Cristo. As doenças psicossomáticas, mais do que simples alterações cognitivas e comportamentais, são armas perigosas do inimigo de nossas almas para nos derrotar sorrateiramente.
Uma semana abençoada para todos os irmãos, na Paz do Senhor Jesus!
Márcio Celso

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS:
Editora Betel 1º Trimestre de 2019, ano 29 nº 110 – Revista da Escola Bíblica Dominical - Jovens e Adultos – Professor – Enfermidades da Alma II – Buscando orientações divinas e bíblicas para o tratamento de distúrbios emocionais e outros transtornos - Pastor Israel Maia.
Sociedade Bíblica do Brasil – 2009 – Bíblia Sagrada – João Ferreira de Almeida – Revista e Corrigida.
Sociedade Bíblica do Brasil – 2007 – Bíblia do Obreiro – João Ferreira de Almeida – Revista e Atualizada.
Editora Vida – 2014 - Bíblia Judaica Completa – David H. Stern, Rogério Portella, Celso Eronildes Fernandes.
Editora Vida – 2014 – Bíblia de Estudo Arqueológica – Nova Versão Internacional.
Editora Central Gospel – 2010 - O Novo Comentário Bíblico – Antigo Testamento – Earl D. Radmarcher, Ronald B. Allen e H. Wayne House – Rio de Janeiro.
Editora Central Gospel – 2010 - O Novo Comentário Bíblico – Novo Testamento – Earl D. Radmarcher, Ronald B. Allen e H. Wayne House – Rio de Janeiro.
Editora Vida – 2004 – Comentário Bíblico do Professor – Lawrence Richards.
Editora Central Gospel – 2005 – Manual Bíblico Ryken – Um guia para o entendimento da Bíblia – Leland Ryken, Philip Ryken e James Wilhoit.
Editora CPAD – 2017 – História dos Hebreus – Flávio Josefo.
Editora Vida – 2014 – Manual Bíblico de Halley – Edição revista e ampliada – Nova versão internacional – Henry Hampton Halley – tradução: Gordon Chown.


Obrigado por nos visitar! Volte sempre!