Pessoas que gostam deste blog

Lição 09 - Conhecendo a distimia para ajudar os que estão sofrendo


Lição 09 – 03 de março de 2019 – Editora BETEL

Lidando com a instabilidade e hipersensibilidade generalizadas

SLIDES VISUALIZAR / BAIXAR

HINOS SUGERIDOS
Hino 4

Hino 33

Hino 578



VÍDEO 1

VÍDEO 2

Sobre a distimia
Antes de falar sobre a distimia, temos que trazer à luz o conceito convencional de depressão, já que a distimia é uma das formas dessa enfermidade.
         Todas as pessoas se sentem deprimidas de vez em quando, mas a depressão clínica é um distúrbio debilitante contínuo, que interfere no dia a dia da pessoa. Nem todos os especialistas concordam no que é tristeza “normal” e no que é “distúrbio”. Mas, sem dúvida, algumas pessoas têm sentimentos negativos profundos, às vezes acompanhados de excessivo sentimento de culpa, inutilidade, vazio existencial, falta de interesse por tudo e, principalmente uma tristeza profunda que corrói a alma e a mente.
       Esses sintomas, aliados a outros ou não, constituem o quadro clássico do que os especialistas psiquiátricos chamam de depressão.
        A depressão é, nada mais, nada menos, do que um estado de tristeza, prostração, desinteresse e angústia profundos e persistentes. Pessoas que apresentam essa sintomatologia de forma crônica podem atravessar anos e anos sem interesse pela vida e com prejuízos consideráveis para seus relacionamentos laborais, sociais, familiares e afetivos, o que torna sua vida algo extremamente penoso.
       Segundo dados da Organização Mundial de Saúde, a depressão é um transtorno comum em todo o mundo. Estima-se que mais de 300 milhões de pessoas sofram com ele, segundo levantamentos feitos no ano de 2018.
A distimia é uma forma crônica de depressão, porém menos grave do que a forma mais conhecida da doença. Com a distimia, os sintomas de depressão podem durar um longo período de tempo, muitas vezes, anos ou mais.
Sendo um tipo de depressão crônica com sintomas mais brandos, a distimia pode atingir quaisquer pessoas. A princípio, pessoas com distimia estão constantemente mal-humoradas, têm crises de ansiedade, angústia, falta de ar e medo da morte, além de outros sintomas correlatos com os mais diferentes tipos de transtornos mentais, o que torna o diagnóstico específico para esse tipo de doença mais dificultoso para os profissionais da área.
        O paciente com distimia, além disso, pode perder o interesse pelas suas atividades diárias normais, se sentir sem esperança, ter baixa produtividade, baixa autoestima e um sentimento geral de inadequação. As pessoas com distimia são consideradas excessivamente críticas, estão constantemente reclamando e são incapazes de se divertir. O mau humor e a crítica corrosiva são elementos constantes nas atitudes do portador da distimia.
O termo “doença mental” ou transtorno mental engloba um amplo espectro de condições que afetam a mente (na verdade, afetam a alma).  A doença mental provoca sintomas tais como: desequilíbrio emocional, distúrbio de conduta e enfraquecimento da memória. Algumas vezes, doenças de outras partes do corpo afetam a mente. Outras vezes, desconfortos escondidos no fundo da mente, podem desencadear outras doenças do corpo ou produzir sintomas somáticos. A distimia é apenas uma das diversas enfermidades da alma, descritas ao longo de nossa revista desse trimestre. É apenas um dos componentes dentro de uma gama de transtornos mentais que enfraquecem milhares de pessoas ao redor do mundo, todos os dias.
        Um grande espectro de fatores, os diversos fatores genéticos, a complexidade dos processos químicos cerebrais, aspectos do nosso estilo de vida, além dos acontecimentos que nos acometeram no passado e nossas relações com outras pessoas, participam como causadores do transtorno mental. Isso leva ao sofrimento, desesperança e incapacidade para levar uma vida plena.
      Os transtornos mentais são democráticos. Mesmo nas cidades mais distantes e isoladas do mundo, com natureza, paz e tranquilidade, eles podem começar cedo, na infância. Por isso, é muito importante que a sociedade como um todo, o órgãos governamentais, e, principalmente a Igreja do Senhor Jesus, tomem conhecimento e se aprofundem na instrução sobre as complexas causas e possíveis fatores desencadeantes dessas enfermidades que corroem a alma, a mente e o corpo.
         Ninguém neste mundo está absolutamente livre de sofrer pressões psicológicas, de perder pessoas próximas e amadas, de sentir-se em dado momento sem condições de resolver seus próprios problemas, de sofrer com a solidão, o abandono, enfim, de passar por alguns dos diversos reveses que a vida nos faz enfrentar. Nos dias atuais, a carga psicológica imanente do grande volume de informações virtuais, as posturas que a sociedade do mundo exige de cada um de nós, a preocupação com nossos familiares, a violência, o excesso de trabalho e tantas outras coisas, tornam o cristão presa fácil para a instalação e proliferação dessas diversas doenças da alma. São enfermidades, com certeza, aperfeiçoadas pelo inimigo de nossas almas para nos enfraquecer, nos combalir, nos derrotar, pois ele sabe que, se perdemos o controle de nosso “eu”, ficamos sem referencial para a comunhão com o Pai Celeste, e nos enfraquecemos espiritualmente. Essa é a deixa para que ele aja em nossas vidas, derrotando-nos por definitivo.
            O Senhor Deus nos diz, no Salmo 126:
“Traze-nos outra vez, ó Senhor, do cativeiro, como as correntes das águas no sul. Os que semeiam em lágrimas segarão com alegria. Aquele que leva a preciosa semente, andando e chorando, voltará, sem dúvida, com alegria, trazendo consigo os seus molhos.” Sl 126.4-6.
Uma semana abençoada para todos os irmãos, na Paz do Senhor Jesus!
Márcio Celso

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS:
Editora Betel 1º Trimestre de 2019, ano 29 nº 110 – Revista da Escola Bíblica Dominical - Jovens e Adultos – Professor – Enfermidades da Alma II – Buscando orientações divinas e bíblicas para o tratamento de distúrbios emocionais e outros transtornos - Pastor Israel Maia.
Sociedade Bíblica do Brasil – 2009 – Bíblia Sagrada – João Ferreira de Almeida – Revista e Corrigida.
Sociedade Bíblica do Brasil – 2007 – Bíblia do Obreiro – João Ferreira de Almeida – Revista e Atualizada.
Editora Vida – 2014 - Bíblia Judaica Completa – David H. Stern, Rogério Portella, Celso Eronildes Fernandes.
Editora Vida – 2014 – Bíblia de Estudo Arqueológica – Nova Versão Internacional.
Editora Central Gospel – 2010 - O Novo Comentário Bíblico – Antigo Testamento – Earl D. Radmarcher, Ronald B. Allen e H. Wayne House – Rio de Janeiro.
Editora Central Gospel – 2010 - O Novo Comentário Bíblico – Novo Testamento – Earl D. Radmarcher, Ronald B. Allen e H. Wayne House – Rio de Janeiro.
Editora Vida – 2004 – Comentário Bíblico do Professor – Lawrence Richards.
Editora Central Gospel – 2005 – Manual Bíblico Ryken – Um guia para o entendimento da Bíblia – Leland Ryken, Philip Ryken e James Wilhoit.
Editora CPAD – 2017 – História dos Hebreus – Flávio Josefo.
Editora Vida – 2014 – Manual Bíblico de Halley – Edição revista e ampliada – Nova versão internacional – Henry Hampton Halley – tradução: Gordon Chown.

Um comentário:

  1. Muito bom vermos a preocupação da igreja por um todo em mostrar sintomas, e uma forma de mostrar o interesse que Jesus deixou como legado para a igreja que serve e servirá como maneira se falarmos que o amor existe.

    ResponderExcluir

Obrigado por nos visitar! Volte sempre!