Pessoas que gostam deste blog

Lição 08 - Confiar no Senhor em todo o tempo

Lição 08 – 23 de agosto de 2020 – Editora BETEL 

Confiar no Senhor em todo o tempo 

SLIDES VISUALIZAR / BAIXAR

 

HINOS SUGERIDOS

Hino 96

Hino 108

Hino 131

VÍDEO

Sobre o rei Ezequias

Ezequias se tomou rei de Judá aos 25 anos de idade. Era muito diferente de seu pai, Acaz, que, por certo, não serviu ao Senhor (16.10-18). Acaz se mostrou mais interessado em agradar os assírios e, para impressioná-los, realizou várias mudanças no templo. Seria de esperar que, com um pai assim, Ezequias tendesse a fazer coisas piores. Ao que parece, contudo, sua mãe, Abi, era uma mulher temente a Deus e lhe ensinou sobre o Senhor da aliança (18.1-2).

Outros servos de Deus devem ter ajudado a educar o príncipe no temor do Senhor, entre eles o profeta Isaías (19.2) e Miqueias, o morastita, que proferiu advertências às quais Ezequias deu ouvidos (Jr 26.18-19). Ezequias é tão elogiado quanto o rei Asa (1Rs 15.11). Não apenas fez o que era reto perante o Senhor, como seu antepassado Davi (18.3), mas também confiou no Deus de Israel de todo o coração. Nenhum rei anterior ou posterior de Israel seguiu ao Senhor como ele (18.5-6). Em suas reformas religiosas, removeu os altos (18.4), quebrou as colunas sagradas e deitou abaixo o poste-ídolo. Despedaçou até a serpente de bronze que Moisés havia feito no tempo do êxodo (Nm 21.8-9). A serpente de bronze era uma lembrança da salvação de Deus, mas, como as serpentes também simbolizavam forças místicas em várias culturas, acabou se tomando um objeto de adoração. Ezequias destruiu sem dó nem piedade essa imagem que o povo chamava de Neustã, um termo que significa “mero pedaço de bronze”. A remoção de tantos lugares de culto pode ter ajudado o povo de Judá a depositar sua fé exclusivamente no Deus de Israel.

Os atos de Ezequias nos lembram que, apesar de ser bom ter um templo apresentável com objetos que nos lembram a bondade de Deus, devemos evitar tudo o que possa distrair e impedir as pessoas de manter os olhos fixos somente em Deus. Hoje em dia, as distrações podem assumir a forma tanto de objetos quanto de indivíduos, como o fundador da igreja, o líder carismático de uma congregação ou qualquer outra pessoa de influência. A fim de haver adoração verdadeira, só Deus deve permanecer no centro.

Ezequias se relacionava corretamente com Deus, e, portanto, o Senhor era com ele e lhe deu sucesso em todos os seus empreendimentos (18.7a). A presença e a bênção do Senhor fortalecem a fé e encorajam os fiéis a buscar alvos ainda mais elevados. O que no reinado de Oseias provocou a destruição de Israel, no reinado de Ezequias foi um sucesso: a recusa em pagar tributos á Assíria (18.76; cp. 17.4-6). Enquanto o exército de Acaz foi derrotado pelos filisteus (2Cr 28.18-19), Ezequias derrotou os filisteus até Gaza (18.8).

Uma vez que aquela região era controlada pela Assíria, ao atacá-la Ezequias arriscou ser considerado um rebelde.

O perigo da política do rei de Judá é ressaltado pela repetição em 18.9-12 das informações acerca do destino de Israel apresentadas em 17.3-6. Era extremamente perigoso se opor a uma potência mundial como a Assíria. Não havia obstáculos geográficos entre Judá e Senaqueribe, pois Salmaneser, seu antecessor, havia dispersado e deportado o povo de Israel. Assim, o rei assírio tomou todas as cidades fortificadas de Judá, e Ezequias teve de se retratar e tentar fazer um acordo de paz (18.13-14). A Assíria cobrou uma multa pesada pela rebelião e, para pagá-la, Ezequias teve de usar todo o ouro do templo, do tesouro real e até mesmo as portas de ouro do templo (18.16).

Os acontecimentos registrados nos capítulos a seguir também são relatados em Isaías 36-39. Ao que parece, o pagamento que Ezequias fez a Senaqueribe foi considerado insuficiente, ou talvez o rei de Judá tenha se rebelado de algum outro modo. Seja como for, fica claro que não abriu as portas de Jerusalém para receber os invasores assírios de braços abertos, nem saiu ao encontro de seu grande governante como Acaz havia feito (16.10). Assim, de sua base em Laquis, Senaqueribe enviou três oficiais de alto escalão com um grande exército para mostrar sua força e obrigar Ezequias a se render (18.17). Os três oficiais assírios se encontraram com três representantes de Jerusalém (18.18) e, falando em hebraico, transmitiram a mensagem de Senaqueribe em alta voz. Questionaram a recusa de Ezequias em se sujeitar à Assíria (18.19-20). Advertiram-no dizendo que era tolice esperar ajuda do Egito, pois os egípcios não tinham força suficiente e decepcionavam quem confiava neles (18.21). Acaso Ezequias estava esperando auxílio do Deus de Israel? Senaqueribe acreditava que o Senhor não socorreria Judá, pois Ezequias havia removido os altos onde o povo adorava ao Senhor (18.22). Para os incrédulos, as reformas de Ezequias significavam simplesmente que Judá passou a prestar menos cultos à sua divindade. Não entendiam que o Senhor não está interessado na quantidade de cultos e sacrifícios. O que importa para ele é o coração quebrantado, humilde e penitente (Sl 51.17), e não dezenas de sacrifícios.

O terceiro argumento do oficial foi uma tentativa de persuadir o exército de Judá a desertar (18.23-24). Se eram tão fracos a ponto de precisar de ajuda do Egito, por que não aceitar o socorro da Assíria?

O comandante encerrou seu discurso ao ar livre declarando que seu exército havia sido enviado contra Jerusalém pelo próprio Senhor (18.25). É fácil fazer asserções desse tipo. Seria de surpreender, contudo, que o mesmo Deus que se agradava de Ezequias enviasse os assírios para tomar Jerusalém.

Numa tentativa de reduzir o impacto que o discurso poderia causar, os oficiais de Ezequias pediram que o enviado assírio falasse em aramaico, uma língua usada no âmbito comercial e diplomático, mas que grande parte do povo de Jerusalém não entendia (18.26).

Os assírios se recusaram a cooperar. Seu comandante continuou falando em hebraico e se dirigiu ao povo que assistia ao encontro dos muros da cidade (18.27-28). Advertiu-os a não acreditarem que o Senhor os livraria, conforme Ezequias lhes havia dito (18.29-30,32). Os assírios pensavam que o Deus de Israel era um deus territorial, como as divindades de outras nações, incapazes de proteger seu povo (18.33- 35). Quais são, dentre todos os deuses destes países, os que livraram a sua terra das minhas mãos, para que o Senhor possa livrar a Jerusalém das minhas mãos? A pergunta jactanciosa dos assírios foi prematura. O Senhor livraria Jerusalém. Judá não precisava se sujeitar ao exílio na Assíria (18.28-32).

Conforme as instruções do rei, o povo permaneceu calado e não respondeu às provocações (18.36). Por vezes, o silêncio é a melhor resposta que podemos dar a blasfemadores.

Os oficiais de Ezequias, porém, foram até ele com as roupas rasgadas em sinal de tristeza (18.37).

Ezequias e seus representantes decidiram orar ao Senhor e pediram que o profeta Isaías também intercedesse por eles. Humilharam-se rasgando as roupas e vestindo panos de saco em sinal de arrependimento (19.1-2). Ezequias pediu que Isaías os acompanhasse na oração pelo remanescente, ou seja, pelos poucos que continuavam a confiar no Senhor e ainda o serviam (19.3-5). O livro de Isaías descreve o remanescente, e não a nação toda, como a esperança de Israel, Isaías deu a um de seus filhos o nome Shear-Jashub, que significa “Um-Resto-Volverá” (Is 7.3; 10.20-22). De fato, o Senhor realizaria seus propósitos para Israel e para o mundo por meio de um remanescente, e não por meio da maioria. Isaías transmitiu duas mensagens de livramento do Senhor.

Proferiu a primeira logo depois do discurso da delegação assíria. Ezequias não precisava temer (19.6-7), pois Deus faria Senaqueribe voltar para casa e ser destruído. Foi exatamente o que aconteceu (19.8-9). Os assírios foram informados que Tiraca, um rei africano, tinha vindo do Egito para lutar contra eles. Ao ficar sabendo que seu rei havia saído de Laquis e estava lutando em Libna, o comandante assírio se retirou de Jerusalém. Antes de partir, contudo, enviou uma carta ameaçadora a Ezequias. O conteúdo da carta é um resumo do discurso dos oficiais junto aos muros de Jerusalém (19.10-13). Instava Ezequias a não se deixar enganar pelo Deus de Israel, que, para os assírios, não era diferente dos ídolos de outras nações que eles haviam conquistado.

Mais que depressa, o rei levou a carta ao templo. Havia se tornado uma prática comum orar ah em momentos de aflição, a exemplo de Salomão (1Rs 8.33-34) e de Isaías no ano em que o rei Uzias faleceu (Is 6.1). Ezequias estendeu a carta diante de Deus, como se desejasse que ele também a lesse (19.14-15). Os fiéis entregam todos os seus fardos ao Senhor. Em sua oração, Ezequias declarou a convicção firme de que os deuses das outras nações derrotadas pelos assírios eram apenas ídolos, enquanto o de Israel era o Criador dos céus e da terra, poderoso sobre todos os reinos da terra (19.17-19) e entronizado acima dos querubins, os anjos que guardam e proclamam sua glória e majestade.

O Senhor ouviu as orações de Ezequias e respondeu a elas por intermédio de Isaías (19.20) em forma poética. A primeira parte do poema é dirigida ao rei da Assíria (19.21-28). Em breve, a virgem, filha de Sião e a filha de Jerusalém zombariam dele. Senaqueribe não seria respeitado nem por meninas e moças, muito menos pelos outros habitantes de Jerusalém que ouviram seu discurso jactancioso (19.21). O rei da Assíria é acusado de insultar o Deus de Israel (19:22-23a). Podia se vangloriar de todas as suas vitórias (19.10-13), mas a interpretação do Senhor para os acontecimentos mundiais era bem diferente. O Senhor ataca o orgulho do monarca assírio perguntando serenamente: Acaso não ouviste que já há muito dispus eu estas coisas [...]? (19.25).

Senaqueribe havia apenas cumprido os planos do Deus de Israel. Talvez pensasse ter realizado grandes feitos ao se gloriar de cortar altos cedros (19.23b), mas Deus afirma que suas proezas foram tão fáceis quanto arrancar ervas do solo e remover o capim dos telhados, pois Deus havia enfraquecido seus inimigos (19.26). As conquistas da Assíria eram cumprimento daquilo que o Deus de Israel havia planejado havia muito tempo. Nenhum dos deuses das outras nações era capaz de determinar os rumos da história como ele.

Entrementes, o Senhor se cansou da arrogância daquele homem insignificante e o mandou de volta para o lugar de onde tinha vindo (19.27-28). O profeta disse, de fato, que ele seria levado para casa como um animal doméstico: Porei o meu anzol na tua boca e o meu freio no teu nariz.

O final da profecia (19.29-31) é dirigido a Ezequias e ao povo de Jerusalém. Eles comeriam daquilo que crescia espontaneamente nos campos nos dois primeiros anos, mas no terceiro semeariam e colheriam (19.29). Trata-se de uma mensagem de esperança. Grande parte de Judá havia sido destruída (18.13), mas os sobreviventes em Jerusalém constituiriam o remanescente (19.30-31). Senaqueribe sequer atacaria a cidade (19.32-33). 0 Senhor salvaria Jerusalém por amor de si mesmo e de Davi (19.34).

O exemplo de Davi nos lembra que a devoção de um antepassado a Deus pode ser fonte de bênção para as gerações futuras. Nossos filhos não podem herdar a salvação, mas podemos deixar para eles um legado de bem, no sentido comum, se vivermos de modo agradável a Deus. É inegável que a devoção fiel do povo de Deus do passado ainda beneficia pessoas de vários lugares ao redor do mundo.

Sem dúvida, o exemplo supremo de fidelidade cujos benefícios alcançam por amor gerações futuras é o modo de Deus nos salvar com base na vida obediente de Jesus Cristo.

A profecia se cumpriu, e os assírios nunca entraram em Jerusalém nem lançaram uma flecha sequer contra a cidade. Naquela mesma noite, um anjo de destruição, como o que visitou o Egito na primeira Páscoa, passou pelo acampamento assírio, e milhares de soldados morreram (19.35).

Ao perder seu exército, Senaqueribe não teve como continuar a guerra. Voltou humilhado para Nínive, onde foi assassinado por seus próprios filhos (19.36-37). Realmente, até meninas zombariam do monarca arrogante depois de uma derrota como essa!

Ezequias provavelmente caiu enfermo no décimo quarto ano de seu reinado, pois 18.2 diz que reinou vinte e nove anos e 20:6 informa que recebeu mais quinze anos de vida depois de sua enfermidade. Foi nesse mesmo ano que Senaqueribe atacou Judá (18.13). É possível que o rei tenha ficado enfermo antes do encontro com os oficiais assírios, descrito no capítulo 18.

Isaías não visitou Ezequias no leito de enfermidade para levar palavras de conforto, mas para transmitir a mensagem sombria e assustadora de que o rei morreria (20.1).

Ezequias havia sido um bom governante, considerado tão fiel quanto Davi (18.3). Porém, naquela época, como acontece às vezes nos dias de hoje, a morte e o sofrimento eram considerados sempre consequência do pecado. Os opositores das reformas de Ezequias interpretariam sua morte precoce como um castigo de Baal ou dos deuses estrangeiros que seu pai havia introduzido em Judá, deuses cujos altares o rei havia destruído.

A enfermidade do monarca levanta uma questão comum: Por que pessoas boas sofrem infortúnios? Nem sempre sabemos por que Deus permite que isso aconteça. Vemos no livro de Jó e nos ensinamentos de Jesus que alguns infortúnios ocorrem a um indivíduo “para que se manifestem nele as obras de Deus” (Jo 9:3) ou para que o Filho de Deus possa ser glorificado (Jo 9.3; 11.14-15). De nossa parte, sabemos apenas que algumas pessoas de fé obtêm vitória sobre seus inimigos, enquanto outras, igualmente fiéis, não são livradas de seus opositores nesta vida (Hb 11.33-38).

Ezequias ficou extremamente angustiado com a notícia de que morreria em breve. Numa situação semelhante, em vez de buscar ao Senhor em oração, o rei Asa confiou apenas em médicos que trataram somente de seu corpo, e não de seu espírito (2Cr 16.12). Ezequias, porém, orou a Deus (20.2). Falou ao Senhor de toda a sua devoção e mencionou suas obras como motivos para o Senhor curá-lo (20.3). Os fiéis, porém, não são salvos por suas boas obras de retidão, e sim pela graça de Deus.

Em sua bondade, o Senhor respondeu à oração de Ezequias e prometeu cura, mais quinze anos de vida e livramento dos assírios (20.4-6). A mistura curativa simples que Isaías aplicou sobre a úlcera não foi o que restaurou a saúde de Ezequias (20.7). Serviu apenas de instrumento do poder divino numa situação em que outros tratamentos não haviam dado resultado.

Enfraquecido pela enfermidade, Ezequias teve dificuldade em crer que Deus responderia à sua oração com tanta rapidez. Afinal, Isaías não havia nem saído do palácio quando recebeu a resposta do Senhor à súplica do rei (20.4). Ezequias pediu, portanto, uma confirmação das palavras do profeta (20:8). O Senhor se dispôs a lhe dar um sinal e realizou um milagre semelhante àquele em que o sol se deteve no tempo de Josué (Js 10.12-14). O movimento inverso da sombra deu a impressão de que o tempo havia retrocedido (20.9-11).

Não temos como analisar os planos eternos de Deus e saber se a recuperação de Ezequias e o prolongamento de sua vida em quinze anos trouxeram resultados positivos.

Lembremo-nos de que foi nesse período que Ezequias recebeu a visita dos enviados do rei da Babilônia e que o perverso Manassés nasceu.

Merodaque-Baladã, rei da Babilônia, enviou mensageiros para saudar Ezequias. O pretexto era parabenizar o rei por sua recuperação, mas, sem dúvida, os enviados babilônios tinham outros motivos para visitar o Reino do Sul (20.12).

Como Judá, a Babilônia lutava contra o domínio assírio e desejava fazer uma aliança com Judá e, possivelmente, com outras nações vizinhas. Ezequias recebeu a delegação de braços abertos e permitiu que inspecionassem não apenas sua guarda de honra, mas todos os tesouros e arsenais (20.13). Mostrou-lhes tudo em seu palácio e no reino. Sua atitude foi imprudente, pois revelou aos babilônios os pontos fortes e fracos de Judá, dando-lhes informações que poderiam usar contra o Reino do Sul no futuro. Os líderes fiéis a Deus precisam ser tão sábios quanto os filhos deste mundo ao tratar do planejamento administrativo de seu Estado ou comunidade. Precisam combinar cautela com fé no Senhor da história. Isaías percebeu que Ezequias não havia agido com sabedoria (20.14-15). O profeta advertiu os reis de Judá em várias ocasiões de crerem no Senhor e não fazerem alianças com outras nações. Depois de receber de Deus uma visão do futuro, Isaías informou Ezequias de que, um dia, os babilônios levariam embora para sua terra todos os tesouros que tinham visto e também parte considerável da população de Jerusalém (20.16-18).

Ezequias não se mostrou particularmente perturbado com a notícia. Sua maior preocupação era saber se haveria paz em seus dias (20.19). Nesse sentido, sua atitude foi semelhante à de muitos líderes de hoje. Ele não se arrependeu de sua conduta indevida e do sofrimento que causaria às gerações futuras. De modo diverso, líderes tementes a Deus devem se considerar mordomos do Senhor não apenas para o seu próprio tempo, mas também para gerações futuras.

O resumo do reinado de Ezequias em 20.20 faz referência a um túnel que ele construiu para levar água a Jerusalém. Esse túnel existe até hoje.

Uma semana abençoada para todos os irmãos na Graça e na Paz do Senhor Jesus Cristo!

Márcio Celso

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS:

Editora Betel 2º Trimestre de 2020, ano 30 nº 116 – Revista da Escola Bíblica Dominical - Adultos – Professor – Transformando as adversidades em cenários de milagres e vitórias – Bispo Abner Ferreira.

Sociedade Bíblica do Brasil – 2009 – Bíblia Sagrada – João Ferreira de Almeida – Revista e Corrigida.

Sociedade Bíblica do Brasil – 2007 – Bíblia do Obreiro – João Ferreira de Almeida – Revista e Atualizada.

Editora Vida – 2014 - Bíblia Judaica Completa – David H. Stern, Rogério Portella, Celso Eronildes Fernandes.

Editora Vida – 2014 – Bíblia de Estudo Arqueológica – Nova Versão Internacional.

Editora Central Gospel – 2010 - O Novo Comentário Bíblico – Antigo Testamento – Earl D. Radmarcher, Ronald B. Allen e H. Wayne House – Rio de Janeiro.

Editora Central Gospel – 2010 - O Novo Comentário Bíblico – Novo Testamento – Earl D. Radmarcher, Ronald B. Allen e H. Wayne House – Rio de Janeiro.

Editora Vida – 2004 – Comentário Bíblico do Professor – Lawrence Richards.

Editora Central Gospel – 2005 – Manual Bíblico Ryken – Um guia para o entendimento da Bíblia – Leland Ryken, Philip Ryken e James Wilhoit.

Editora CPAD – 2017 – História dos Hebreus – Flávio Josefo.

Editora CPAD – 2005 – Comentário Bíblico Beacon.

Editora Vida – 2014 – Manual Bíblico de Halley – Edição revista e ampliada – Nova versão internacional – Henry Hampton Halley – tradução: Gordon Chown.

3 comentários:

  1. Riquíssimo, abençoado, obrigado meu irmão Deus abençoe sua vida sempre.

    ResponderExcluir
  2. Recurso muito abençoado, podia ser disponibilizado com mais antecedência.

    ResponderExcluir

Obrigado por nos visitar! Volte sempre!