Pessoas que gostam deste blog

Lição 03 - 1º trimestre de 2023 - Particularidades do Servo

Lição 03 – 15 de janeiro de 2023 – Editora BETEL

Particularidades do Servo

SLIDES / VISUALIZAR / BAIXAR


HINOS SUGERIDOS

Hino 141

Hino 253 O Hino 253 está sendo produzido

Hino 484 O Hino 484 está sendo produzido

Sobre conhecer ao Senhor

Marcos 8.1-21.  Os críticos que procuram contradições na Bíblia geralmente confundem este milagre com aquele da alimentação dos cinco mil, registrado nos quatro Evangelhos. Somente Mateus e Marcos relatam esse acontecimento, e não é difícil distingui-lo do outro milagre.

A primeira multiplicação ocorreu na Galiléia, perto de Betsaida, e envolveu principalmente os judeus. Este milagre ocorreu perto de Decápolis e envolveu principalmente os gentios.

No primeiro milagre, Jesus começou com cinco pães e dois peixes; aqui, temos sete pães e "alguns peixinhos". Os cinco mil haviam passado um dia com o Mestre; aqui, os quatro mil passaram três dias com ele.

Na alimentação dos cinco mil, foram recolhidos doze cestos de sobras; aqui, foram recolhidos apenas sete cestos depois que quatro mil pessoas foram alimentadas. Até mesmo os cestos foram diferentes em cada ocasião: para os cinco mil, foram usados cestos pequenos (kophinos); para os quatro mil, foram usados cestos grandes, de tamanho suficiente para colocar uma pessoa dentro (spuris).

Mais uma vez, somos encorajados pela compaixão de Jesus e por seu controle absoluto sobre a situação. No entanto, somos desencorajados pela cegueira e incredulidade dos discípulos. Acaso haviam se esquecido do milagre anterior? Porém, não se deve julgá-los com severidade, pois quantas vezes nós mesmos esquecemos as misericórdias de Deus? É preciso lembrar que Jesus Cristo ainda é o mesmo e que tem a solução para todos os problemas. Tudo o que precisamos fazer é confiar nele, colocar a vida em suas mãos e obedecer.

Jesus e os discípulos foram para o lado oeste do mar da Galiléia, onde se encontraram com os fariseus que continuavam irados com Jesus por tê-los acusado de hipocrisia (Marcos 7.1-23). Desta vez, desafiaram Cristo a provar sua autoridade divina dando-lhes um sinal do céu. Não queriam um milagre terreno, como curar uma pessoa doente. Queriam que Jesus fizesse algo espetacular, como fazer descer fogo ou pão dos céus (João 6.30-31). Isso provaria que havia, de fato, sido enviado por Deus.

Jesus sentiu grande pesar e decepção religiosos do povo escolhido de Deus tão endurecidos de coração e espiritualmente cegos! O desejo de receber um sinal do céu não era apenas mais uma evidência da incredulidade deles, pois a fé não pede sinais. A verdadeira fé crê na Palavra de Deus e se contenta com o testemunho interior do Espírito.

Jesus deixou-os e passou para o lado leste do mar da Galiléia. Durante a travessia, ensinou aos discípulos uma lição espiritual importante. Pareciam tão cegos quanto os fariseus! Discutiam sobre quanta comida tinham com eles, pois alguém havia esquecido de comprar pão. Quem era o culpado?

Jesus deve ter se entristecido muito diante da falta de discernimento espiritual de seus colaboradores. O fato de haver multiplicado pães em duas ocasiões e de ter alimentado quase dez mil pessoas não havia causado qualquer impacto sobre eles! Por que se preocupar com pão quando Jesus estava no barco com eles? A mente dos discípulos estava entorpecida, e seu coração, endurecido (ver Marcos 6.52); seus olhos estavam cegos, e seus ouvidos, surdos (ver Marcos 4.11-12).

O povo de Deus costuma ter a tendência de esquecer as bênçãos que recebe (Salmos 103.1-2). Jesus supre as necessidades, mas quando surge um novo problema, começam as queixas e a preocupação. Enquanto estivermos com Cristo, podemos ter certeza de que sempre cuidará de nós. Seria bom parar de vez em quando para nos lembrarmos da bondade e fidelidade do Senhor.

Nestes vários trechos do evangelho, segundo escreveu Marcos, podemos identificar uma recorrente dificuldade do povo de Deus: conhecer verdadeiramente a Seu Senhor e confiar plenamente n’Ele, que tem todas as saídas da vida em Suas mãos e pode nos suprir, sejam quais forem as nossas necessidades. Tanto os fariseus, quanto os próprios discípulos de Jesus ainda não estavam convencidos do poder sobrenatural e ilimitado de nosso Senhor e Salvador, não obstante já tivessem presenciado tantos sinais e milagres! É indescritível a rigidez do coração do homem ao negar a divindade de Deus, a sobrenaturalidade do Senhor Jesus, o poder transformador do Santo Espírito de Deus.

Desde os tempos em que murmurava no deserto, a caminho de Canaã, o povo escolhido do Senhor já demonstrava essa constante “desconfiança” que nada mais é do que falta de fé, sobre o que Deus desejava e deseja para aqueles que escolheu.

Somos povo escolhido do Senhor Jesus, temos sobre nós a proteção e a provisão de Deus, a companhia e orientação precisas do Espírito Santo e o Senhor Jesus prometeu estar conosco até a consumação dos séculos. Além disso, podemos sentir através de nossas experiências, de nossa vivência como cristãos, através dos vales que atravessamos, dos desertos que cruzamos nesta existência, que o Senhor nunca nos abandona, pode até nos deixar em prova por um período e a prova pode ser bem dura, se duros formos e rebeldes nos mostrarmos. Porém, não nos abandona.

O que falta para consolidar nossa fé? Conhecer a quem servimos. Conhecer ao que nos libertou do cativeiro do pecado e hoje está assentado à destra do Pai. Falta-nos visão espiritual para vislumbrar a dimensão de tudo o que foi feito por Ele para cada um de nós. Todo o plano de Salvação foi gerado no coração de Deus antes da Criação, para mim, para você, para cada um de nós que um dia creu e crê em Jesus, em Sua salvação. Deus já pensava em cada um de nós. Este amor antevisto e consumado na cruz do Calvário deve nos permitir que persistamos em conhecer a cada dia mais o Deus a quem servimos.

Devemos servir a Deus com o coração alegre e agradecidos por tudo o que Ele fez, está fazendo e vai fazer por nós, pela vida, pelas pessoas próximas que Ele escolheu para ser nossa família, nossos irmãos na fé, pelas pessoas que Ele ainda vai tocar e salvar, talvez até através de nosso próprio testemunho.

Devemos servir a Ele porque primeiro Ele nos serviu, nos concedendo vida, nos concedendo a Salvação, com o amor indescritível que tem por nós, pelo sacrifício de Seu Filho Amado, pelo poder que o Espírito Santo nos empresta. Não há outro senhor a quem servir, nem neste mundo, nem na Eternidade. Jesus é o Caminho, a Verdade e a Vida! O conhecer a Deus é um processo gradativo e constante, por toda a nossa vida. Se perseverarmos, conheceremos cada vez mais a nosso Senhor, e poderemos ter mais intimidade e ligação com Ele, aprendendo a obedecê-Lo, a apreciar a beleza de Sua Santidade e, principalmente, a adorá-lo sem reservas. Isto nos torna mais semelhantes ao Servo Perfeito, mas nunca iguais.

“Então conheçamos, e prossigamos em conhecer ao Senhor; a sua saída, como a alva, é certa; e ele a nós virá como a chuva, como chuva serôdia que rega a terra”. (Oséias 6.3).

Uma semana abençoada para todos os irmãos, na Paz do Senhor Jesus Cristo!

Márcio Celso

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS:

Editora Betel 1º Trimestre de 2023, ano 33 nº 126 – Revista da Escola Bíblica Dominical - Jovens e Adultos – Professor – Evangelho de Marcos – O Servo e a missão no serviço da obra de Deus – Pr. Abinair Vargas Vieira.

Sociedade Bíblica do Brasil – 2009 – Bíblia Sagrada – João Ferreira de Almeida – Revista e Corrigida.

Sociedade Bíblica do Brasil – 2007 – Bíblia do Obreiro – João Ferreira de Almeida – Revista e Atualizada.

Editora Vida – 2014 - Bíblia Judaica Completa – David H. Stern, Rogério Portella, Celso Eronildes Fernandes.

Editora Vida – 2014 – Bíblia de Estudo Arqueológica – Nova Versão Internacional.

Editora Central Gospel – 2010 - O Novo Comentário Bíblico – Antigo Testamento – Earl D. Radmarcher, Ronald B. Allen e H. Wayne House – Rio de Janeiro.

Editora Central Gospel – 2010 - O Novo Comentário Bíblico – Novo Testamento – Earl D. Radmarcher, Ronald B. Allen e H. Wayne House – Rio de Janeiro.

Editora Vida – 2004 – Comentário Bíblico do Professor – Lawrence Richards.

Editora Central Gospel – 2005 – Manual Bíblico Ryken – Um guia para o entendimento da Bíblia – Leland Ryken, Philip Ryken e James Wilhoit.

Editora CPAD – 2017 – História dos Hebreus – Flávio Josefo.

Editora Vida – 2014 – Manual Bíblico de Halley – Edição revista e ampliada – Nova versão internacional – Henry Hampton Halley – tradução: Gordon Chown.

Editora Mundo Cristão – 2010 – Comentário Bíblico Africano - editor geral Tokunboh Adeyemo.

Editora CPAD – 2010 – Comentário Bíblico Mathew Henry – Tradução: Degmar Ribas Júnior, Marcelo Siqueira Gonçalves, Maria Helena Penteado Aranha, Paulo José Benício.

Editora Mundo Cristão – 2011 - Comentário Bíblico Popular — Antigo e Novo Testamento - William MacDonald - editada com introduções de Art Farstad.

Editora Geográfica – 2007 – Comentário Bíblico Expositivo Wiersbe – Antigo Testamento – Volume 2 – Tradução: Susana E. Klassen.

Editora Geográfica – 2007 – Comentário Bíblico Expositivo Wiersbe – Novo Testamento – Volume 1 – Tradução: Susana E. Klassen.

Obrigado por nos visitar! Volte sempre!